Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pedro Rodrigues lança Amor de Pechisbeque

Amor de Pechisbeque

Pedro Rodrigues está de volta com um novo romance, Amor de Pechisbeque, editado pela Cultura Editora, encontrando-se esta sua nova narrativa já em pré-venda para que no dia 23 de Junho, data do lançamento oficial, recebas o teu exemplar na comodidade do lar. 

Após o lançamento em 2014 de Eu Hei-de Amar Uma Puta, de (A)mar em 2015, Deve Ser Primavera Algures em 2019 e de Alice do Lado Errado do Espelho em 2020, chega agora este Amor de Pechisbeque para reconquistar os leitores em 2022. 

A Maldição | Lourenço Seruya

Cultura Editora

a maldição.jpg

Título: A Maldição

Autor: Lourenço Seruya

Editora: Cultura Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Março de 2022

Páginas: 384

ISBN: 978-989-9096-23-3

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: A mais recente investigação do inspetor Bruno Saraiva leva-o até ao Teatro da Passagem, em Lisboa.

A Pedra do Pecado foi representada apenas duas vezes em Portugal, uma em 1977 e outra em 1982. Foram encenadas por companhias diferentes, mas houve um acontecimento comum: em ambas as estreias morreu a atriz principal. Apesar de essas mortes terem sido consideradas de causas naturais, surgiu a crença de que a peça estaria amaldiçoada…

Durante muito tempo nenhum encenador ousou voltar a pegar nesse texto. Até que, quarenta anos depois, o Teatro da Passagem decide levá-la à cena novamente…

O dia da estreia chega finalmente e o ambiente é de tensão e nervosismo. Será que A Pedra do Pecado está mesmo amaldiçoada? Será que naquela estreia vai voltar a haver uma morte?

O público acorreu em massa ao Teatro da Passagem, enchendo a sala como há muito não acontecia. Nos bastidores, os atores já estão prontos a entrar em palco. O pano sobe e o espetáculo começa… Mas um deles não vai chegar vivo ao final.

 

Opinião: A Mão Que Mata abriu o conhecimento enquanto leitor da obra de Lourenço Seruya que nos presentou com o surgimento do inspetor Bruno Saraiva como protagonista da narrativa. Agora surge A Maldição, com Bruno de novo no centro da ação numa história que para além de servir de continuação do bom trabalho realizado com a primeira obra consegue ainda mostrar a excelente evolução do seu autor no sentido de criar um enredo ainda mais dinâmico e envolvente com uma maior capacidade de atração junto do leitor que fica viciado desde o início para desvendar a eterna questão... «Quem matou...»?

Numa história centrada nos preparativos para a estreia de uma peça que das duas vezes que foi encenada acabou por ter um final triste, com a morte da sua protagonista, a aposta volta a ser feita e os receios entre a produção acontecem ao mesmo tempo que outros não acreditam em sequências lógicas. Os ensaios de A Pedra do Pecado acontecem no Teatro da Passagem com todo o elenco em preparativos, as divergências entre atores, encenadora e equipa técnica são passados para o leitor e na noite da grande estreia eis que o inevitável acontece e a maldição da morte na primeira sessão do espetáculo surge. Suicídio, homicídio entre colegas ou alguém fora de cena a querer fazer das suas? E é aqui que surge a equipa de Bruno Saraiva para que a investigação seja feita na procura da verdade, tudo isto ao mesmo tempo que todos os possíveis envolvidos mantém as suas aparências e tentam seguir com a estreia adiada em diante o mais rapidamente possível.

A Última Coisa Que Ele Queria | Joan Didion

Cultura Editora

a última coisa que ele queria

Título: A Última Coisa Que Ele Queria

Título Original: The Last Thing He Wanted

Autor: Joan Didion

Editora: Cultura Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Outubro de 2021

Páginas: 208

ISBN: 978-989-9039-92-6

Classificação: 2 em 5

 

Sinopse: A jornalista Elena McMahon desiste da campanha presidencial que estava a cobrir para o Washington Post para fazer um favor ao pai. O pai de Elena faz negócios. Ao longo da atuação como agente num desses negócios – um acordo que rapidamente corre mal de todas as maneiras possíveis – Elena dá por ela numa ilha das Antilhas onde o turismo foi substituído pelo tráfico de armas, espiões, operações militares secretas e assassinatos.

Uma história intrincada, acelerada e de leitura hipnótica e provocadora, que analisa de perto as atividades e conspirações do governo dos Estados Unidos durante a presidência de Ronald Reagan na América Central dos anos 80. 

Última Coisa Que Ele Queria é um thriller persuasivo nos detalhes empresariais e nos jogos de interesses, espantoso na exposição de ambiguidades políticas e absolutamente encantador na celebração do melhor estilo de Joan Didion. 

A aclamada autora de O Ano do Pensamento Mágico e Noites Azuis apresenta-nos a democracia através de um relato cru, frágil, negro e escondido, dependente de processos nos quais muitas mãos têm inevitavelmente de sujar-se. 

 

Opinião: Joan Didion é aclamada pela critica e não duvido do sucesso junto da maioria dos leitores que acompanham o seu trabalho, no entanto entre mim e a sua narrativa A Última Coisa Que Ele Queria não existiu qualquer ligação do início ao fim. Desde cedo que me senti perdido com esta leitura, tendo voltado atrás para perceber se me conseguia conduzir numa segunda leitura dos primeiros capítulos mas totalmente em vão.

Nesta história encontrei a jornalista Elena McMahon que desiste do seu percurso profissional para exercer relações públicas numa campanha eleitoral para apoiar o pai. Percebi esta premissa no entanto o seu desenvolvimento perante esquemas conturbados de ligações perigosas foi tão complicado que nunca me consegui encontrar com os caminhos seguidos por esta personagem central e muito menos com os restantes envolvidos, ficando maioritariamente perdido em cada novo capítulo ultrapassado.

Maria Isaac lança O Que Dizer das Flores

o que dizer das flores capa.jpg

Maria Isaac, a autora de Onde Cantam os Grilos, Finalista do Prémio Fundação Eça de Queiroz, está de regresso marcado ao mercado literário com o lançamento de um novo romance, O Que Dizem das Flores. Será na continuação de colaboração com a Cultura Editora que Maria Isaac lança assim a sua nova história que será lançada no próximo dia 20 de Maio.

Dando a conhecer uma pequena vila, de seu nome Mont-o-Ver, a autora procura mostrar ao seu leitor um espaço esquecido e os seus peculiares e célebres habitantes que vivem no presente com alguns mal entendidos do passado que ajudam a atrapalhar a vida de uns e outros num pequeno centro habitacional esquecido entre serras e vales.

Deixo a sinopse de O Que Dizer das Flores para te aguçar o apetite enquanto leitor... 

Isto Vai Doer | Adam Kay

isto vai doer.jpg

Título: Isto Vai Doer, Diário Secreto de um Médico

Autor: Adam Kay

Editora: Cultura Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Agosto de 2018

Páginas: 240

ISBN: 978-989-8886-25-5

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Isto Vai Doer é um relato emocionante, cómico, e assustador de quem esteve na linha da frente no Serviço Nacional de Saúde britânico, numa profissão na qual as horas semanais de trabalho podem chegar a noventa e sete, em que diariamente é necessário tomar decisões de vida ou morte e a vida pessoal é relegada para segundo plano, não existindo tempo para os amigos e para relações duradouras.

Esta é a história pessoal de Adam Kay, que utilizou o seu extraordinário sentido de humor para contar a sua experiência enquanto médico interno no Serviço Nacional de Saúde britânico. Em 2010, após seis anos de formação e outros seis como médico, abdicou da profissão por sentir que as condições impostas pelo sistema eram extremas e irracionais, nomeadamente remuneração mal ajustada em relação ao nível de responsabilidade exigido, que tiveram um forte impacto na sua vida profissional e pessoal.

 

Opinião: Isto Vai Doer, Diário de um Médico não se encontra de todo dentro das opções literárias que escolho numa primeira ronda, no entanto a surpresa inicial quando dei a primeira vista de olhos por algumas páginas deixou-me desde logo perceber que iria ficar com outra ideia sobre um livro que retrata o dia-a-dia, de forma cómica mas também com algum peso, de um médico interno que integra o serviço nacional de saúde britânico. 

De médico a guionista de séries, Adam Kay estudou medicina e ficou anos entre turnos pelas urgências e consultas, perdendo momentos de vida, ocasiões familiares importantes, matrimónios e funerais das pessoas que lhe eram mais próximas, até que decidiu colocar um ponto final na exaustão que a profissão lhe causava. Após deixar o seu lugar clínico, Adam entra no mundo da ficção e é já livre de todo o modelo de saúde que pensa em colocar o seu diário de bordo disponível para todos. Alterando datas e nomes, surge assim Isto Vai Doer, como uma autêntica bomba atómica de bom humor, queixumes, azia, pressão, insegurança, alegria e preocupação sobre o que continua a ser feito numa das áreas mais importantes da sociedade britânica que demonstra muito o que se passa pelo Mundo. 

Através de uma escrita completamente despreocupada e sem preconceitos sobre o que pode e não pode ser revelado, Adam Kay revela praticamente o melhor e o pior do que foi vivenciando. Festejando as vitórias diárias dos bem sucedidos casos que entram pelas urgências e terminam entre risos e abraços aos complicados problemas sobre o que pouco já se consegue fazer nos momentos de angústia que por vezes ainda conseguem piorar. Entre o caos e o cansaço, o desassossego e as horas de sono perdidas, este profissional fez da angústia a força e dos medos a luta. 

Explicando dados, fórmulas e impressões referência entre especialistas, o autor deste diário descomplexado revela ao leitor tudo, dos momentos de simples consultas aos pormenores cirúrgicos, mas sempre sem perder o fôlego, mesmo quando se deixa abater ao longo das noites mais puxadas e após horas de serviço intermináveis. Existirá valor para pagar a quem salva vidas sem conseguir descansar, perdendo a sua própria vida para a dar aos outros? 

Isto Vai Doer é daquelas leituras rápidas onde a cada dia que passa deste diário somos levados a rir, a abrir a boca de espanto, pensando em como certas situações acontecem sem que muitas vezes o paciente se aperceba do risco que corre. A balança entre o ser pessoal e o profissional é colocada à prova nesta obra que vejo como um retrato bem elaborado de qualquer serviço de saúde onde todos protestam mas que poucos conseguem ter voz. O amor pelo que é feito perante vidas que têm de ser salvas acaba por deixar que muitos prossigam e deixem as suas vidas de lado em troca de sorrisos de «Obrigado».