Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Banner billboard Saldos 2019
13
Set18

A Célula Adormecida | Nuno Nepomuceno

| O Informador

a célula adormecida.PNG

Título: A Célula Adormecida

Autor: Nuno Nepomuceno

Editora: Topbooks

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Outubro de 2016

Páginas: 592

ISBN: 978-989-706-050-2

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: «Assim queira Deus, o Califado foi estabelecido e iremos invadir-vos como vocês nos invadiram. Iremos capturar as vossas mulheres como vocês capturaram as nossas mulheres. Vamos deixar os vossos filhos órfãos como vocês deixaram órfãos os nossos filhos.» Daesh, o autoproclamado Estado Islâmico, 2014.

Em plena noite eleitoral, o novo primeiro-ministro português é encontrado morto. Ao mesmo tempo, em Istambul, na Turquia, uma reputada jornalista vive uma experiência transcendente. E em Lisboa, o pânico instala-se quando um autocarro é feito refém no centro da cidade. O autoproclamado Estado Islâmico reivindica o ataque e mostra toda a sua força com uma mensagem arrepiante.

O país desperta para o terror e o medo cresce na sociedade. Um grande evento de dimensão mundial aproxima-se e há claros indícios de que uma célula terrorista se encontra entre nós. Todas as pistas são importantes para o SIS, sobretudo, quando Afonso Catalão, um conhecido especialista em Ciência Política e Estudos Orientais, é implicado.

De antecedentes obscuros, o professor vê-se subitamente envolvido numa estranha sucessão de acontecimentos. E eis que uma modesta família muçulmana refugiada em Portugal surge em cena.

A luta contra o tempo começa e a Afonso só é dada uma hipótese para se ilibar: confrontar o passado e reviver o amor por uma mulher que já antes o conduziu ao limiar da própria destruição.

Com uma escrita elegante e o seu já tão característico estilo intimista e sofisticado, inspirado em acontecimentos verídicos, Nuno Nepomuceno dá-nos a conhecer A Célula Adormecida. Passado durante os 30 dias do mês do Ramadão, este é um romance contemporâneo, onde ficção e realidade se confundem num estranho mundo novo e aterrador que a todos nos perturba. Um thriller psicológico de leitura compulsiva, inquietante, negro e inquestionavelmente atual.

 

Opinião: Uma grande surpresa foi o que pensei praticamente logo quando iniciei a leitura de A Célula Adormecida! Já tinha o livro em espera há mais de um ano mas o seu volume, perto de seiscentas páginas, fez com que ficasse em espera mais tempo do que o previsto, no entanto quando iniciei a sua leitura logo percebi que foi um erro este tempo de hesitação porque a sua história fez com que o tempo voasse quando tinha o livro em mãos. 

Envolvendo ficção e realidade, unindo política nacional com terrorismo através do auto proclamado Estado Islâmico num thriller emparelhado com um bom policial com vários pontos virados para o romance, Nuno Nepomuceno tem em A Célula Adormecida não só uma história mas também umas boas aulas culturais, onde o leitor é conduzido por caminhos informativos sobre determinados meandros políticos e também seguindo os caminhos bem pesados do terrorismo. Debatendo o que pode acontecer mesmo com pessoas que conhecemos e que são absorvidas pelo poder de forças maiores que manipulam e conduzem até chegar ao ponto alto que culmina em fortes atentados contra uma sociedade que paga por guerras territoriais e de crenças. Fazendo-se valorizar por factos e situações reais, o autor criou situações, elaborou estratégias, relatou pormenores que por vezes escapam neste tipo de narrativas e venceu através do ritmo imposto, da surpresa e perante a expetativa do que irá acontecer ao virar de cada página. 

Através de personagens bem criadas e com consistência, capítulos rápidos e diretos, com boas descrições espaciais e explicativas, um enredo bem trabalhado e onde tudo se conjuga, esta é daquelas histórias que de início logo se tenta perceber onde cada ponto se consegue unir ao que se segue. No final, tudo é bem explicado, fazendo o leitor toda uma análise ao longo do que vai lendo sobre as perigosas ligações com os contornos sobre comportamentos a serem revelados através da demonstração de factos tão bem trabalhados pelo autor. 

05
Ago18

«Não percebi o psicólogo»

| O Informador

cristina bruno de carvalho.jpg

A edição de Agosto da revista Cristina contém quatro entrevistas a homens bem conhecidos da sociedade portuguesa, nas mais diversas áreas. O comentador, escritor, político e professor Miguel Sousa Tavares, o modelo Luís Borges e o ator Bruno Cabrerizo são os destacados, mas a entrevista que maior interesse suscita neste leque é a de Bruno Carvalho, o antigo presidente do Sporting que neste momento não se sabe bem se é ou não candidato para tentar regressar ao lugar a que tanto está agarrado.

Cristina Ferreira fez a entrevista a Bruno e o que vos posso dizer é que existe uma conversa bem dirigida e trabalhada mas onde a maioria das respostas soam bastante a falso. Isto já não será novidade para quem tem acompanhado toda a novela protagonizada por este senhor. Mas um dos apontamentos que destaco é a frontalidade com que Cristina questiona, e passo a citar, «Já foi à procura de uma coach, de um psicólogo ou de alguém nesta fase?», obtendo a resposta, «Não percebi o psicólogo. O psicólogo era para...?»... Ups, será que o Sr. Bruno não percebeu mesmo a questão tão direta que lhe foi colocada por uma mulher sem medos de tocar na ferida? Então Cristina retoma, «Pode pedir ajuda a quem quiser. Para o encontrar. Para perceber o que está mal». Bruno responde alegando ser católico e estar muito bem com a sua família, não precisando de apoio psicológico. 

A questão foi feita quando já passaram uns meses desde que os problemas no Sporting deram origem a toda a polémica que irá continuar pelo menos até Setembro. Muitos dizem que o senhor não se encontra bem a nível mental para ter feito e dito tanto disparate nos últimos tempos, mas pelos vistos o próprio achou esta questão tão direta um quase erro da sua entrevistadora. Pelos vistos o lema de que todos estão mal menos ele e as suas abelhas de estimação continua e assim prevalecerá mais uns tempos. 

05
Fev18

O cancro na Cristina

| O Informador

cristina rebeca.jpg

Muitas capas que marcaram a revista Cristina já foram para as bancas, mas esta, a que a partir do próximo dia 7 de Fevereiro irá estar disponível em todo o país, é para mim a capa das capas. A cantor Rebeca, de 38 anos de idade, volta a enfrentar o cancro pela segunda vez e é com a doença que decidiu ser capa da publicação mensal. 

Cristina Ferreira revelou pelas redes sociais a capa do mês de Fevereiro da sua revista, deixando um pequeno texto que vos passo a citar a acompanhar a imagem. «Fiquei sem chão. Era o último dia do ano e abri o meu email. Tinha uma mensagem da Rebeca, a cantora portuguesa. "Como é possível ter outro cancro? Ainda agora comecei a quimioterapia e, se estar sem cabelo é doloroso, os outros efeitos secundários são horríveis. As únicas pessoas que sabem são a minha família, alguns amigos próximos e agora tu."».

Tal como a apresentadora disse, fiquei também sem chão quando vi, de um momento para o outro, a imagem de capa, a fotografia que irá mostrar que o cancro tem um rosto entre tantos outros que sofrem diariamente para ultrapassarem uma doença que continua a prevalecer com grande peso na sociedade atual. Rebeca é o rosto do cancro e foi na revista Cristina que a cantora quis desabafar e contar a todos o que enfrenta atualmente. 

Depois de muitas capas que deram que falar, polémicas e ousadas, a equipa da revista volta a surpreender e para mim, esta é a capa mais tocante e que me deixou a pensar durante o primeiro impacto. Acredito que este tema seja dos mais fortes que poderiam ter destaque na capa da publicação e ainda agora, uns minutos após ter sido apanhado de surpresa por esta imagem e consequente notícia, sinto-me meio a leste, como se a Rebeca fizesse parte do meu grupo mais próximo de amigos. Uma sensação estranha, talvez pela forma como fui apanhado de surpresa, tal como deverá estar a acontecer a muitos neste momento!

02
Dez17

Curtas e Diretas #97

| O Informador

A comunicação social adora mesmo andar atrás do Presidente da República. Acredito até que existam guerras internas em algumas redações sobre os escolhidos para acompanharem o tio Marcelo diariamente. Será que ainda teremos uma grande reportagem com o título «Realidade do Presidente Marcelo», num acompanhamento exaustivo, 24 sobre 24 horas, em modo reality-show, sobre a vida do senhor? Falta muito pouco, tão pouco até!

23
Ago17

Grupo Impresa em crise

| O Informador

visão.jpg

O grupo Impresa anda há anos a passar por maus lençóis, o que a SIC, por não conseguir alcançar a liderança, e as rádios, atrás da concorrência direta na totalidade, têm ajudado a piorar. Agora o grupo quer vender ou mesmo terminar com as suas publicações escritas. Uma crise profunda atravessa o grupo que agora revela que quer investir no que lhe tem corrido pior nos últimos anos!

As revistas e jornais Courrier Internacional, Telenovelas, Caras, Caras Decoração, Activa, Exame, Exame Informática, TV Mais, Visão, Visão História, Visão Júnior, Blitz e Jornal de Letras correm o risco assim de fecharem portas se um outro grupo de comunicação não comprar cada publicação de forma individual. É uma vergonha revistas como a Visão e a Caras, das que mais vendem, terminarem assim, por má gestão do grupo que tem no canal televisivo um fosso que não tem ajudado a atrair investidores graças ao segundo lugar ao longo da última década e que dizem que será onde querem apostar o máximo com novos contéudos e formas de ver televisão.

Será que após sucessivas reuniões internas a decisão foi mesmo tomada ou tudo não passa de uma estratégia para que alguém compre parte do grupo para que se invista e não se deixe assim centenas de pessoas no desemprego se as publicações forem canceladas e não vendidas? Acredito, muito sinceramente, que em todos estes títulos são vários os que possam interessar a outros grupos de comunicação, mas como é que uma das maiores empresas do género decide optar pela solução mais fácil desta forma e não luta pela sua história de sucesso?

17
Mai17

Os abusos sexuais no Correio da Manhã

| O Informador

correio da manhã.jpg

O Correio da Manhã enquanto jornal e canal televisivo deixa mesmo muito a desejar enquanto órgão de comunicação social. A última e marcante que fizeram foi o de terem divulgado imagens de uma «alegada violação num autocarro do Porto» que de acordo com «testemunhos e comentários que circulam em várias redes sociais, se terá passado durante a Queima das Fitas, que decorreu entre 7 e 14 de Maio», segundo o destaque da publicação.

O jornal noticiou, o canal transmitiu e ainda foi publicado no site do grupo Correio da Manhã um vídeo da alegada violação de uma jovem e logo os comentários e criticas surgiram, não sendo para menos. Que direção informativa resolve mostrar um ato violento e sancionado como notícia sem quaisquer restrições, somente para fazer, mais uma vez, uma notícia sensacionalista e polémica, tal como tantas vezes o fazem. Existem limites para tudo e neste campo o Correio da Manhã desce muito baixo e desta vez conseguiu tocar no fosso do que tem feito ao longo dos anos. Para mais e como eles tanto gostam de não fazer, parece não ter existido o mínimo de investigação no caso, baseando-se numa denúncia anónima por email junto da PSP do Porto para fazerem uma notícia que pode nem o ser. 

Neste momento a Entidade Reguladora para a Comunicação Social encontra-se a analisar a situação e já informou que «tornará oportunamente pública a decisão que venha a adotar» sobre este tema. Também o Sindicato dos Jornalistas já condenou a divulgação do vídeo que «atenta contra todas as regras do jornalismo e deve, por isso, ser retirado do site», tal como não deve «ser exibido na emissão televisiva» do canal. 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Sofia

    Oh, Ricardo! Bem. sempre fica mais barato que o Vi...

  • Sofia

    Ou seja, o normal! O pico da gripe vai chegar nas ...

  • O Informador

    Costumo ficar com gripe uma ou duas vezes por ano.

  • Sofia

    Costumas adoecer facilmente?

  • O Informador

    Tenho a confessar que nem sei como me tenho aguent...

Mensagens

Pesquisar