Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vizinhança no Controlo

Incrível é viver numa aldeia, numa rua estreita com nove casas e perceber que estejamos a entrar ou a sair não é fácil não se ser detetado. É verdade, sempre alguém surge no quintal ou mais frequentemente a sacudir o seu tapete na janela no momento em que se fecha o portão na chegada ou partida. Vizinhança assim não é para todos! Diria até que estes vizinhos são melhores que a polícia municipal. Guardam tudo, dão fé de tudo e conseguem saber quem está em casa ou quem (...)

Importância da Pontualidade

Portugal parece ter um problema bem grande com os níveis de pontualidade, o que me deixa com alguma urticária por saber que sou totalmente o oposto da maioria das pessoas que estão nem aí no momento em que combinam horários e chegam mais tarde.  Desde sempre fui de cumprir horários! Se tenho algo combinado para uma hora exata, naquele momento posso dizer «presente», sendo raro, podendo até dizer muito raro mesmo, chegar atrasado a algum local onde me comprometa a estar a tempo (...)

Estabelecer horários!

Sim, há algum tempo que tenho deixado a leitura para trás em detrimento de outras ocupações, mas a falta que os livros me fazem começa a pesar e os horários que tenho mais ou menos estabelecidos para o pôs-laboral têm que voltar a ser repensados, voltando a incluir um maior espaço para as obras escritas! Estes meses em que comecei a ler menos e deixei de ter três e quatro livros por mês como companheiros de mesa-de-cabeceira, passando a ler apenas um ou nem isso ao longo de (...)

Sobra sempre para mim!

Sou solteiro e não tenho filhos... Isso faz com que no trabalho achem que sou mais desocupado que os outros e que quando é preciso trocar de horário eu sou sempre a primeira opção das pessoas para o peditório acontecer? Não me importo de trocar quando não tenho nada combinado para as horas em questão, mas quando vejo que existem duas opções e sou sempre a linha da frente por acharem que sou mais livre que os outros é um pouco demais não? Primeiro acham que não preciso de (...)