Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

regresso-as-aulas-apoio-escolar-billboard

Melão fresco? Nem pensar!

03
Ago19

melão.jpg

 

Verão é sinónimo de várias frutas de época, como é o caso do melão, melancia, morangos e afins. Adoro melão, quando o mesmo está bem doce e fresco, e agora percebi que o meu hábito de colocar o melão no frigorífico porque sabe melhor frio vai contra os estudos mais recentes que revelam que manter a fruta em temperatura ambiente ajuda a manter os seus antioxidantes e nutrientes a favor da saúde. 

Parece que ando a consumir melão após lhe ter tirado o que de bom tem a favor da saúde. A sério que andei anos a consular-me com a fruta da época fresca e aos trinta é que descubro que vou contra a lei natural das coisas?

Pêssegos fora do frigorífico, melancia aspas aspas, morangos já na fruteira, cerejas na tigela na mesa. Tudo fora do frio já porque as temperaturas refrescantes vos fazem mal. Agora só entram quando já estão fatiados porque fora do frigorífico se estragam mais facilmente. Ou seja, ou se estragam ou perdem qualidades, é isto não é?

Frio da idade

16
Jan19

Frio.jpg

Aos 32 anos o ser que parecia estar sempre bem com as temperaturas ambientais já se queixa. Esta é a verdade dos tempos que correm aqui da pessoa que vai teclando cada letra a pensar no frio que se faz sentir lá fora e que acaba por chegar dentro de casa, deixando pés e mãos geladas. 

Sempre ouvi dizer que com a idade as alterações se vão fazendo sentir e isso é mesmo um facto que constato cada vez com maior incidência. Com o frio então é notório. Ando mesmo muito friorento nos últimos tempos e por mais roupa que coloque no corpo, mantas e aconchegos, meias de aquecimento e sacos de água quente, os resfriados aparecem sempre em alguma ponta do corpo ao longo dos dias, esteja em casa ou na rua, no trabalho ou no carro.

Já se sente o Outono

15
Out18

folhas secas.jpg

Finalmente começamos a entrar no Outono. Estamos em Outubro, mês em que tradicionalmente já costumamos andar de manga comprida mas que desta vez parecia estar difícil a chegada da aragem. Adoro andar com várias camadas de roupa, dormir todo enroscado e sentir o fresco no rosto. Que as folhas secas comecem a cair com gosto e prontidão, porque todos estamos por cá para celebrar mais um Outono da vida. 

Despedimos-nos assim de um Verão prolongado, que começou cedo e terminou tarde. Altas temperaturas, falta de vontade e insatisfação são pontos que cansam em tantos meses quentes. Agora que chega o tempo mais fresco tudo se altera. As roupas de Outono começam a ganhar um outro destaque pelos armários, os casacos começam a acompanhar qualquer viagem, o ar condicionado do carro é alterado para temperaturas mais altas, as mantas saem do armário e os chapéus de chuva tomam lugar para quem os gosta de ter por perto, o que não me acontece.

Com a chegada do tempo fresco a vontade de ficar por casa aumenta, os chás são apreciados e as manhãs de fim-de-semana tornam-se distintas, ficando um pouco mais na cama, olhando para a rua com as reflexões que surgem em cada pausa. O horizonte adormecido com o sol brilhante ao mesmo tempo que as árvores abanam e as folhas vão ficando espalhadas pelo chão.

Friorento

17
Abr18

frio.jpg

A idade altera comportamentos e a forma de olhar para cada situação em particular e ao mesmo tempo transforma a forma de estar. O que a idade não perdoa ao mesmo tempo que o psicológico se altera é a parte física e nesse campo, quer seja um problema de conjugação da mente ou não, ando a sentir de ano para ano mais frio, talvez com a ajuda das diferenças temporais que se fazem sentir de forma repentina cada vez mais. 

Sinto o frio como não acontecia quando era mais novo. Agora, embora continue a odiar andar com camadas e camadas de roupa e casacos grossos para onde quer que vá, sinto as diferenças de temperatura com uma intensidade incrível. Posso estar quente em casa, preparar-me para sair e quando coloco os pés na rua o vento e o frio parecem cortar o corpo como se tivesse a ser laminado às postas pelas partes que enfrentam diretamente o tempo, como a cara e as mãos, mas também mesmo as costas, que geralmente é onde me sinto mais atacado quando sinto frio, parecendo ficar estático e com o pensamento que estou a ficar com a coluna congelada. 

Isto não acontecia há anos atrás, onde enfrentava as mudanças de temperatura e não sentia tais alterações de forma tão drástica, agora acaba por ser instantâneo e por vezes acredito que se não me despachar a recolher dentro de um local quente que posso sofrer alguma lesão por ficar com os ossos numa sensação de pressão para se aquecerem, parecendo que me sinto a encolher perante os primeiros impactos das temperaturas mais baixas. 

Reino do Gelo

04
Dez17

frio.jpg

O fim-de-semana foi prolongado mas o tempo não deu tréguas e fora de casa - sou lá eu capaz de passar três dias seguidos trancado dentro de quatro paredes - foi raro o momento em que me senti quente. 

As temperaturas não estiveram negativas como em algumas áreas do país, no entanto mesmo com alguns graus positivos por onde andei de dia e noite, o frio que aparecia com a ajuda do ligeiro vento não ajudou a aquecer o corpo, que com várias camadas de roupa arrefecia assim que se chegava junto a qualquer porta para sair. Um fim-de-semana prolongado é sempre ainda mais desejado que os normais mas depois não poderia o frio ter ficado um pouco de lado? Sinceramente, ao contrário de muitos, prefiro tanto mais a chuva ao frio, porque a água pode cair, existem chapéus e mesmo a roupa encobre o corpo dos pingos, já com o frio por mais agasalhado que esteja o gelo parece passar sempre e nas mãos sem luvas e cara desnudada arrefeço de tal modo que parece que as baixas temperaturas invadem todo o corpo, descendo pela coluna e a partir daí está tudo tramado, sendo necessário tentar aquecer dentro de casa.