Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

maria-duenas-billboard

Rei Leão, cativa mas não conquista

30
Jul19

rei leão.jpg

 

remake de Rei Leão estreou e as salas de cinema começaram a encher para assistir à nova versão do filme da Disney que em 1994 conquistou o mundo. Se esperava ficar tão encantado como quando era miúdo? Não, mas ainda bem que assim pensei antes de ver o filme!

Posso dizer que a qualidade desta nova versão está presente, que a história continua praticamente intacta e que contínua intemporal por não terem alterado o texto. Contudo, embora esta nova versão de Rei Leão tenha cativado, não me conseguiu conquistar como a primeira, faltando aquela emoção da novidade e surpresa, dando espaço para as grandes imagens realistas da película e quebrando em certos momentos o encanto original pela falta da vivacidade que as imagens originais continham.

Sendo agradável de ver e com um ritmo alucinante e sem quebras, os detalhes presentes nesta versão são únicos e a cor com que a película é apresentada são um ponto positivo da equipa criativa que torna este filme especial por ser o novo Rei Leão que já nos tinha conquistado na década de 90 e que agora regressou para relembrar e apaixonar novos públicos que conhecem assim umas das mais bonitas histórias que a Disney já nos contou.

Aplausos merecidos para Toy Story 4

05
Jul19

toy story 4.jpg

 

Há muito que se esperava pelo quarto capítulo de Toy Story e agora que estreou posso dizer que a espera compensou pela qualidade com que esta película foi feita, fazendo inveja a muitos grandes filmes mundiais. Toy Story 4 é o melhor do universo que tem dado a conhecer a vida de Woody e do início ao fim nada falha nesta animação que une comédia à tristeza onde a verdadeira emoção é debatida através da amizade, partilha e angústia num ambiente que junta humor e drama.

Com Woody no centro da ação e com a apresentação de Garfy, o garfo que do lixo é transformado em brinquedo através de momentos bem engraçados, o elenco de Toy Story ganha nesta sequela novas personagens, como é o caso da primeiramente irritante Gabby Gabby que acaba por conquistar mesmo no final, e desenvolvimentos inesperados que cativam, preenchem e agarram até ao último minuto onde o desfecho volta a surpreender por deixar umas lágrimas nos olhos de todos nós. 

Elaborado por Andrew Stanton, os contornos deste quarto episódio de Toy Story são de uma qualidade tão incrível que da narrativa bem arrumada com uma boa história emocional, recheada de mensagens sobre a partilha, amizade, afetos e medos perante a ideia de nos sentirmos a mais e completamente dispensáveis, debatendo os sentimentos no limite com bons toques de união entre drama e humor. Em Toy Story 4 a reflexão sobre o que damos aos outros, mesmo que não sejamos correspondidos é demonstrada de forma tão especial que tudo faz sentido numa demonstração de que sempre vale a pena fazer o bem. A capacidade desta película de mostrar como todos podemos mudar e perceber quando é necessário avançar para novas fases é incrível. Com temas intemporais e universais, estes bonecos que parecem personagens de carne e osso convencem, mostram-nos em vários momentos pessoas que conhecemos e refletem realidades.

Este filme reflete a humanidade, num estado positivo e mensageiro, começando por demonstrar a incapacidade de Woody em aceitar que já não é o brinquedo preferido de Bonnie, mas ao mesmo tempo por ajudar a que a sua criança seja feliz com o seu novo Garfy e todos os brinquedos que têm estado do seu lado nos últimos tempos. Deixando o seu lugar reconquistado pelo novo membro dos brinquedos, Woody volta a viver após lutar e liderar e percebe que nem sempre é necessário estar do lado de uma criança para se ser feliz. O final deste quarto episódio é um misto bom de emoções e deixa tudo em aberto para o que poderá surgir no futuro, com personagens que parecem despedir-se e que poderão voltar mais tarde, como aconteceu desta vez com Bo Peep, a pastora que se ausentou no episódio 3 para agora voltar como co-protagonista cheia de força, vontade e confiança para ajudar a alterar o final pré-concebido mentalmente por quem está a ver este novo episódio, fazendo com que Woody olhe para a sua vida e perceba que é necessário mudar para voltar a ser feliz, num momento final comovente. 

Rocketman, a vida de Elton John

04
Jun19

Elton-John-Rocketman-soundtrack-crop.jpg

 

O musical Rocketman, onde a vida de Elton John é retratada, tem tudo menos o convencional de uma produção familiar. Contando a ascensão do artista, as sucessivas quedas e recuperações através de uma vida feita com muita droga, sexo e rock n' roll, esta película que vi sem prever surpreendeu-me pela sua vivacidade mas peca muito por fantasiar e insistir no mesmo tema durante bastante tempo, deixando muito por contar. 

Embora comece na fase infantil de Elton e rapidamente passe para o aparecimento perante o grande estrelato, Rockteman vive muito dos males que perseguiram o artista. Este é daqueles filmes onde se pisa duramente no tema das drogas e álcool, tudo no meio de sexo gay e performances musicais interpretadas por Taron Egerton num Elton John quase perfeito mas que parece ter consistido apenas numa visão do mal. Onde está o bem do artista que se tornou em pouco tempo numa das principais estrelas mundiais? O divórcio dos pais, o casamento falhado, o amor pelo próprio sexo, a fama e previsivelmente a ascensão e visão de um mundo até anonimamente desconhecido são pontos retratados nesta película que está embalada de modo a que os momentos musicais fazem esquecer todo o drama vivido para se ter vontade de cantarolar cada tema conhecido. 

Elton John é um dos produtores do filme e Dexter Fletcher o seu realizador que se deixou levar pelo espanto e pelo sensacionalismo do consumismo para fazer de Rocketman mais um dos símbolos da marca que se tornou Elton John, um rosto representativo de várias faixas sociais e também uma voz eterna para o panorama musical que se vê assim celebrado pelo que passou e pelo que é atualmente. 

Festa do Cinema com bilhetes a 2,50€

21
Set18

festa do cinema.png

Começou em 2015 e regressou em 20162017 para continuar e bater o sucesso dos anos anteriores. Agora em 2018 e uns meses mais tarde do que o habitual, a Festa do Cinema está de volta às salas nacionais. Ver cinema a 22, 23 e 24 de Outubro vai custar apenas 2,50€.

Em 2017 os dias de Festa do Cinema levaram até às salas de todo o país mais de 217 mil espetadores. Agora e numa transferência de Maio para Outubro, espera-se que o número seja novamente ultrapassado, contando para isso também com a ajuda dos filmes Johnny English Volta a Atacar, Venom, Assim Nasce Uma Estrela, O Primeiro Homem na Lua, Beautiful Boy e Pedro e Inês que estarão por esses dias em destaque. 

Mais uma vez a Festa do Cinema estará presente em todas as salas de cinema e sessões, existindo a exceção de que os filmes exibidos nos formatos IMAX e 4DX serão taxados ao seu preço normal e não terão assim qualquer desconto.

Pronta para a Luta | Estreia a 13 de Setembro

12
Set18

pronta para a luta.jpg

Angela (Michèle Laroque) pensa que tem uma vida ideal. Vive em Nice, num belo apartamento, com um marido atraente e uma charmosa filha adolescente.

Contudo, na noite de Natal, a filha deixa-a para ir ter com o namorado, o marido anuncia que quer a separação e a sua melhor amiga toma soporíferos ao invés de passar a noite com Angela.

Face a tudo isto, Angela não tem outra escolha senão reinventar-se. Isso não é fácil, tendo em conta que tem de lidar com uma mãe tirana, uma melhor amiga histérica e um psiquiatra com métodos muito experimentais.

Uma comédia romântica francesa tem tudo para dar certo e foi isso que pensei com Pronta para a Luta, onde em plena véspera de mais um Natal a filha de Angela, Lea, lhe comunica que não irá passar a noite da consoada em casa e o marido termina o casamento de anos. Abandonada na noite mais familiar do ano, Angela vê-se sozinha quando percebe que nunca passou a noite comemorativa do nascimento de Jesus com a sua própria mãe, restando-lhe a melhor amiga, Charline, que também está nem aí para a época. 

Um jantar a ser preparado para a família e de um momento para o outro a solidão abatesse numa mulher que vive para os outros e deixou muito por fazer ao longo da vida. Uma noite de Natal diferente de tantas outras e um futuro instável adivinham-se. 

Dumbo estreia em 2019

02
Set18

dumbo.jpeg

O novo remake do filme de animação Dumbo só chega em Março de 2019 às salas de cinema, mas as minhas expetativas sobre esta história mágica que me acompanhou durante anos são muitas.

Primeiramente porque, tal como A Bela e o Monstro, este é daqueles filmes que tinha em casa, com a cassete de vídeo perto da televisão para ver e rever até cansar, sendo uma história que encanta e transmite aos mais novos, o público alvo, boas dicas sobre amizade, persistência e proteção para com os animais. Dumbo é um dos clássicos da minha infância e agora irá voltar às salas de cinema numa nova e extraordinária aventura de imagem real e computorizada através da perspetiva do realizador Tim Burton.

Só em 2019 poderemos ver o novo Dumbo voar nas salas portuguesas, mas só pelo trailer, já dá vontade de comprar o bilhete para não perder o lugar logo pelas primeiras sessões desta aventura com o selo de qualidade Disney. 

Zoe | Estreia a 20 de Setembro

29
Ago18

Zoe Poster Web.jpg

Zoe (Léa Seydoux) e Cole (Ewan McGregor) são colegas e amantes secretos nos Relationist Labs, um avançado laboratório de investigação focado no design de poderosas tecnologias capazes de melhorar e aperfeiçoar as relações românticas humanas.

Contudo, a sua relação é ameaçada quando Zoe descobre uma dura verdade sobre o seu relacionamento, levando-a a uma conturbada espiral de confusão, traição e à mais intensa das emoções humanas: o amor.

Zoe é um assombroso conto de amor proibido trazido pelo aclamado realizador Drake Doremus e produzido por Ridley Scott, a força por detrás de lendários épicos de ficção-científica de Hollywood como Perdido em Marte, Prometheus, Alien e Blade Runner.

Zoe integra a equipa do departamento de um laboratório de investigação que analisa e ajuda as relações amorosas a melhorarem o seu dia-a-dia, criando compatibilidade e revelando dados sobre as vontades de cada um para se perceber se existe futuro na relação ou se nada existirá após a aproximação inicial. Ao mesmo tempo que conhecemos Zoe percebemos que esta jovem mulher se encontra envolvida com Cole, o responsável de departamento de uma das áreas da empresa, a da criação de vida sintética, onde através de robots criam novas vidas, iguais e com sentimentos bem semelhantes aos humanos, conseguindo interagir e gerando memórias sobre as relações e é este o mote do filme Zoe. 

Será que através do serviço de compatibilidade Zoe consegue ter boas notícias acerca da sua relação com Cole ou um conhecimento inesperado muda a situação que mantém os dois felizes? Entre comportamentos, compatibilidades nem sempre bem sucedidas e reações entre humanos e sintéticos, Zoe percebe que as relações entre robots e humanos não conseguem correr tão bem como acontece de humano para humano. A par desta situação existem uns comprimidos do próprio laboratório que se podem apelidar por uma autêntica droga do amor que aproxima os dois seres para que ao longo de um certo período se sintam verdadeiramente apaixonados, mas mais uma vez Zoe encontra-se de fora desta possibilidade por um motivo bem particular. A razão é desconhecida para esta mulher que continua a lutar pela felicidade mesmo quando sabe toda a verdade sobre si e após se perder e começar a desistir das suas próprias crenças. A meio da película recolhi uma frase que descreve grande parte da história do filme, «humanos de um lado, máquinas no outro», mas como a esperança é sempre levada até ao limite o final acaba por surpreender.