Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

31
Mar19

«O que vou fazer com os miúdos?»

greve escola.jpg

Na semana passada a greve de determinados departamentos de funcionários públicos no seio escolar levou a que muitos estabelecimentos fossem encerrados durante um ou dois dias. Como é sabido quem faz greve não pode avisar que o irá fazer e consequentemente nas escolas os mais novos têm de ser levados como habitualmente até aos estabelecimentos e aguardar com a decisão da direção escolar. Perante isto e a meio da manhã e numa conversa paralela enquanto tomava o pequeno almoço percebi o que sempre penso, que para muitos pais terem os filhos por perto é um autêntico estorvo. 

Vamos então rever a cena. Na fila da cafetaria duas mães faziam-se acompanhar por três crianças. Comentavam que os tinham ido buscar à escola porque não existiam condições para os pequenos ficarem por falta de auxiliares. Numa mesa e em modo «escutadeira de serviço» estava outra mãe, desempregada de longo prazo, que se meteu na conversa e questionou se aquelas crianças andavam na mesma escola que os seus filhos. Sim, confirmava-se! Os seus dois filhos pertenciam ao mesmo núcleo escolar que os outros, que já estavam com as mães e que iriam ser deixados ao encargo dos avós porque a vida dos pais continua e há que trabalhar. A mãe que deixou o filho na escola completamente despreocupada logo ficou preocupada mas não com o facto de ter de ir até à escola. A preocupação daquela mãe é que iria ter de ficar com o miúdo em casa três dias seguidos sem saber o que lhe fazer. 

O que é isto minha gente? São pai e mãe para as ocasiões mais importantes e depois não querem tomar conta dos filhos mais do que é devido pela sua lógica de paternidade? No pensamento de muitos progenitores, de semana os mais novos têm de estar na escola o tempo máximo conseguido para não chatearem e darem trabalho em casa. Será que ter filhos é acordar de manhã, despachar de forma rápida para os fechar num espaço escolar e só os voltar a recuperar ao final do dia onde chegados a casa tomam banho, jantam e são enviados para a cama sem tempo para os momentos familiares tão importantes?

17
Jan19

A violência de Bárbara e Carrilho perante os filhos [com vídeo]

manuel maria carrilho.jpg

Quando José Maria Carrilho pensava que a imprensa se tinha calado com as agressões e insultos que protagonizou com Bárbara Guimarães nos últimos anos e que fizeram correr muita tinta com direito a várias idas a tribunal devido à polémica separação que envolveu a troca de galhardetes e não só em praça pública. Agora que tudo parecia mais calmo, eis que a jornalista Ana Leal, da TVI, colocou em campo a sua equipa e voltou a estimular o tema da polémica. 

Inserido no Jornal das 8, o espaço de grande reportagem da equipa de Ana Leal deu a conhecer novos desenvolvimentos, com imagens exclusivas entre Bárbara e Carrilho à porta da apresentadora. O ex-ministro insultou, mentiu e agrediu a apresentadora ao pé dos filhos, existindo e sendo reveladas agora algumas das imagens que foram entregues ao Ministério Público dessas mesmas agressões e gravações de áudio.

Muito tem sido dito e não dito, criado e comentado nas páginas de revistas e jornais ao longo dos últimos anos sobre o divórcio do casal e esta nova reportagem mostra mesmo que de ambas as partes, as crianças foram transformadas em peões entre duas pessoas descontroladas em certos momentos das suas vidas, fazendo dos filhos meros dados que são lançados para se agredirem psicológica e fisicamente ao longo do tempo. Carrilho entregava a filha a Bárbara e aproveitava o tempo em que tinha a criança ao colo para dizer o que queria e bem entendia, ouvindo-se nos vídeos divulgados em momentos a criança a pedir para ser colocada no chão com medo.

Com base em antigos diretores de imprensa e fotógrafos, ficou-se também agora a saber que Manuel Maria Carrilho combinava estar em determinados locais com os filhos para ser visto de forma a parecer ser o pai perfeito, quando ao mesmo tempo relatava factos falsos sobre os comportamentos de Bárbara com os menores, como o de terem sido deixados sozinhos em casa, quando afinal a mãe estava com ambos e acabou por ser agredida por Carrilho no ato da empresa dos menores. Neste campo da especulação e combinações o tema já é velho entre os famosos que querem aparecer bem mas usando menores para passarem a imagem da perfeição torna-se num tema critico, para mais quando os sinais são de violência e ameaças. A par de todas as imagens, existem ainda declarações de Dinis Maria, filho mais velho de Bárbara e Carrilho, de como o pai o agrediu em 2018. Acusações sobre violência, violações, roubos e comportamentos inapropriados têm sido uma constante neste caso que parece não ter fim. 

20
Dez14

Férias na semana de Natal

Este ano o Natal terá um maior espaço por aqui! Isto porque pela primeira vez estarei de férias laborais na semana mais natalícia do ano!

Com dias em atraso de folgas e com férias ainda por tirar, acabei por optar ficar toda a próxima semana a descansar, aproveitando ao mesmo tempo para fazer as visitas da época e conseguir fazer umas últimas compras sem as correrias do fim-de-semana e dos serões onde todos invadem os centros comerciais em busca dos presentes perfeitos.

Tirar férias na semana de Natal só faz lembrar os pais que não têm onde deixar os seus filhos porque escolas e infantários encerram também por uns dias, sendo a família obrigada a reorganizar os seus dias para ficarem com os mais pequenos por casa. Por aqui não existem crianças mas existe uma grande vontade de ficar a descansar numa época que não vivo como a maioria das pessoas mas em que gosto de aproveitar os momentos caseiros e familiares propícios destes dias.

Uma semana de paz só para mim! Que bom!

16
Nov14

Será o marido ideal?!

Uma jovem mãe que trabalha e cujo marido não mexe uma palha em casa para a ajudar com a criança é algo que não consigo compreender. Estamos em pleno século XXI, o casal trabalha e quando ela chega a casa tem de fazer tudo sozinha e ainda cuidar da criança para o maridinho estar sentado no sofá a ver os seus jogos de futebol, tendo ainda a lata de lhe dizer que não consegue tratar da filha e que não sabe fazer nada pela cozinha. Tenham dó, mas um casamento ou união de facto assim não conjuga com o meu ideal de matrimónio, muito menos quando uma família cresce e só um tem o encargo de fazer tudo e mais alguma coisa porque o outro além de dizer que não sabe fazer ainda diz ter nojo de tratar da muda das fraldas da filha.

Pode-se chamar a isto de união perfeita quando o homem ainda acredita que vive na época dos seus avós ou bisavós onde as lides domésticas e as crianças eram obrigação exclusiva da mulher? Quando ouço certas conversas como se tudo fosse normal o meu estômago acaba por se revoltar com tanta pala que as raparigas deixam que lhes coloquem, aceitando tudo o que os seus namorados, companheiros ou o que lhes queiram chamar acham de correcto.

Será que elas acreditam mesmo que um marido que não levanta o rabo do sofá para nada é o ideal para o seu futuro onde serão as trabalhadoras, donas do lar, mães e tudo o que eles desejarem, esquecendo-se que são mulheres com tantos direitos e deveres como os que fazem delas o que querem, fazendo-lhes crer que isso é o correcto?!

Ainda há muito a evoluir na sociedade dos tempos modernos!

12
Nov14

As mães

As mães, o bicho papão que em certa altura das nossas vidas nos dão dores de cabeça por terem comportamentos e atitudes que só dão vontade de as atirar para algum lado. Sempre foram e serão assim, todos nos queixamos dos seus maus feitios, das suas complicações com as arrumações e das suas ideias que acreditam piamente serem as mais correctas e sobre as quais não podem existir opiniões contrárias. Todos nos queixamos de certa forma delas, mas o que seria de muitos sem as suas bruxas chatas e complicadas por perto?

Sempre ouço o mal dos outros como vendo o meu no que toca à ligação para com as mães de cada qual! Elas têm o seu feitio, vivem para serem adoradas e muitas vezes o centro de cada lar e embora nunca o admitam, quando sentem que algo não está dentro das suas regras logo começam a gritar e barafustar por não verem com bons olhos tais comportamentos que para todos são normais menos para elas, as complicadas do costume! Todas são iguais, umas com maior acidez outras mais açucaradas, mas o que é certo é que todas conseguem passar as suas frustrações para filhos e maridos que não fazem exatamente o que elas têm na sua agenda mental programado para cada qual. Os pormenores, aqueles temas e descuidos naturais e que ninguém complica sem serem elas. As coisas no lugar, as malvadas arrumações que acabam por se transformar numa desarrumação por mexerem onde não devem, um tapete torto, uma porta que bate com o vento mas que já serve para começar a lenga lenga do costume, o controlo remoto sobre tudo e mais alguma coisa.

As mães adoram sentir que tudo lhes tem de passar por debaixo do nariz, que conseguem controlar tudo, que são o centro da casa, as rainhas do lar e que nada falha. As mães deles são iguais à minha, todos nos queixamos delas e todos nos acabamos por compreender. Quando as filhas forem mães comportar-se-ão da mesma forma que agora comentam? Acredito mesmo que sim e nessa altura serão os filhos a estarem a falar sobre as complicações das suas mães, aquelas que falaram e vão acabar por serem tão chatas como as que serão as avós do futuro!

Nós amamos-as mas que elas são chatas demais, lá isso não se pode negar!