Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Fate, a Saga Winx | T1 | Surpreendido com as fadas

Netflix

fate.jpg

 

Quem me conhece sabe que não sou grande simpatizante de séries com efeitos especiais, no entanto pelo sucesso de Fate, a Saga Winx, e por o zumzum ser forte sobre esta história, lá resolvei em período de confinamento dar a oportunidade a estas fadas e até que correu bem. 

Numa produção bem cuidada, embora alguns efeitos especiais mais complexos, como o do final da temporada, tenham deixado algo a desejar por terem sonhado demais para o que conseguiram fazer, Fate consegue deixar quem está deste lado agarrado a algumas das personagens para além da protagonista Bloom, Abigail Cowen, o que para mim é um ponto positivo, isto por perceber que numa continuação poderão outras personagens ganharem destaque consoante a influência do público, dando alguma diversidade ao que poderá surgir a partir daqui. 

Recorrendo um pouco ao início de Harry Potter e falando justamente da saga logo no primeiro episódio, em Fate também a protagonista vive parte da sua vida, até à adolescência, no mundo normal, distante do espaço ao qual pertence, o reino das fadas. Começando a história de apenas seis episódios com a entrada de Bloom na escola das fadas, Alfea, em Otherworld, e percebendo que existe algum mistério em torno dos seus pais biológicos, recorrendo-se a alguns flashback para contar o passado, a jovem chega, sabendo que já possui alguns poderes mas sem capacidade, por receio, de os usar por não os conseguir controlar. 

Com personagens bem construídas, embora sem grande apresentação por ser tudo muito corrido, senti falta de tempo para desconstruir uma Stella, Hannah van der Westhuysen, por exemplo, que é apresentada como sendo uma suposta vilã contra Bloom para no final da temporada ficar sua grande amiga. A explicação para esta mudança acontecer não é dada e fiquei com a sensação que me escapou alguma coisa por aqui que deveria ter sido melhor explicada, já que não é do nada que se muda de opinião e personalidade. Existe também Terra, uma personagem cujo pai é um dos mentores da escola, mas que ela própria surge como mais do mesmo, uma gordinha simpática e sempre prestável, que se esconde em casa, sem grande convicção dos seus poderes e a questão que coloco neste caso é mesmo, onde já vi isto? Existe também Musa, Elisha Applebaum, a minha preferida, uma personagem que parece calma e meio esquecida de início, no entanto a que mais cresce ao longo dos episódios e em bom. E finalmente Aisha, Precious Mustapha, que acaba por ser um misto entre o bem e o mal que me deixou intrigado até ao final por a ver a proteger Bloom, mas ao mesmo tempo a ter reações um pouco controversas com os seus olhares e saídas de cena inesperadas. 

Histórias mentirosas

Com o passar do tempo vamos conhecendo as pessoas, seja na família, entre os amigos ou no trabalho e começam-se a perceber que pequenos pormenores que são contados não encaixam com a realidade ou com o que foi revelado antes. Então andamos a inventar histórias para ficar bem na fotografia? Pois, parece que sim!

Não percebo como as pessoas que se tentam mostrar as melhores e as que têm tudo perante os outros, depois se deixam apanhar através das mentiras que as próprias foram criando ao longo da vida! Há muito que já tinha percebido que a miga não tinha o tanto que apregoava e com as semanas a passarem e os acontecimentos a aparecerem tudo se encaixa a seu desfavor! Vende-se ouro porque é necessário pagar uma conta, compram-se pequenos objetos de moda às prestações, inventa-se que o companheiro é um máximo e que lhe dá tudo quando as coisas acontecem ao contrário... Existe mesmo necessidade de se mentir e passados quinze minutos os outros perceberem que afinal tudo o que estava a ser dito é falso porque a realidade aparece?!

Eu não consigo perceber porque se tenta subir tanto através de um falso estatuto que não se consegue alcançar, andando toda uma vida a recorrer a mentiras e fachadas para se conseguirem manter as aparências! Só que nos dias que correm já ninguém é assim tão tapado para deixar escapar os pormenores que são deixados pelo ar! Enfim...

Não, tu não tens tudo, tudo, tudo porque já deu para ver que não tens um casamento de sonho, não vives feliz e não podes comprar o que queres. As razões? A ilusão com que sempre viveste e quiseste mostrar aos outros! A tua história de conto de fadas é uma mentira!