Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

29
Ago18

Zoe | Estreia a 20 de Setembro

O Informador

Zoe Poster Web.jpg

Zoe (Léa Seydoux) e Cole (Ewan McGregor) são colegas e amantes secretos nos Relationist Labs, um avançado laboratório de investigação focado no design de poderosas tecnologias capazes de melhorar e aperfeiçoar as relações românticas humanas.

Contudo, a sua relação é ameaçada quando Zoe descobre uma dura verdade sobre o seu relacionamento, levando-a a uma conturbada espiral de confusão, traição e à mais intensa das emoções humanas: o amor.

Zoe é um assombroso conto de amor proibido trazido pelo aclamado realizador Drake Doremus e produzido por Ridley Scott, a força por detrás de lendários épicos de ficção-científica de Hollywood como Perdido em Marte, Prometheus, Alien e Blade Runner.

Zoe integra a equipa do departamento de um laboratório de investigação que analisa e ajuda as relações amorosas a melhorarem o seu dia-a-dia, criando compatibilidade e revelando dados sobre as vontades de cada um para se perceber se existe futuro na relação ou se nada existirá após a aproximação inicial. Ao mesmo tempo que conhecemos Zoe percebemos que esta jovem mulher se encontra envolvida com Cole, o responsável de departamento de uma das áreas da empresa, a da criação de vida sintética, onde através de robots criam novas vidas, iguais e com sentimentos bem semelhantes aos humanos, conseguindo interagir e gerando memórias sobre as relações e é este o mote do filme Zoe. 

Será que através do serviço de compatibilidade Zoe consegue ter boas notícias acerca da sua relação com Cole ou um conhecimento inesperado muda a situação que mantém os dois felizes? Entre comportamentos, compatibilidades nem sempre bem sucedidas e reações entre humanos e sintéticos, Zoe percebe que as relações entre robots e humanos não conseguem correr tão bem como acontece de humano para humano. A par desta situação existem uns comprimidos do próprio laboratório que se podem apelidar por uma autêntica droga do amor que aproxima os dois seres para que ao longo de um certo período se sintam verdadeiramente apaixonados, mas mais uma vez Zoe encontra-se de fora desta possibilidade por um motivo bem particular. A razão é desconhecida para esta mulher que continua a lutar pela felicidade mesmo quando sabe toda a verdade sobre si e após se perder e começar a desistir das suas próprias crenças. A meio da película recolhi uma frase que descreve grande parte da história do filme, «humanos de um lado, máquinas no outro», mas como a esperança é sempre levada até ao limite o final acaba por surpreender. 

06
Abr17

A Bela e o Monstro

O Informador

a bela e o monstro

Um clássico Disney que agora ganhou um remake onde atores reais se encontram envolvidos com a criação perfeita de cenas e personagens computorizadas tão reais que levam esta nova película a quase atingir a magia do primeiro amor que o público tem para com A Bela e o Monstro. Costuma-se dizer que não há amor como o primeiro e neste caso e por muito bem feita que esta nova versão esteja, obedecendo bastante ao original, não consegue chegar aos encantos a que assisti em pequeno. 

Uma história intemporal e que ultrapassa gerações volta a espalhar magia convidando os espetadores a circularem pelas escadarias e salas do castelo para (re)viverem uma grande história de amor entre uma jovem inspiradora e apaixonada por literatura e um príncipe amaldiçoado. Este é daqueles contos que em livro, em filme animado, teatro ou agora em versão cinematográfica real consegue sempre emocionar, dado o envolvimento que A Bela e o Monstro vão criando ao longo de todos os desafios que lhes vão sendo colocados. A capacidade de transformação de um ser magoado para com os cuidados de outro para que se consigam criar elos de ligação, primeiro para se descobrir quem está do outro lado e depois porque o coração fala mais alto e percebe que a paixão não surge por um rosto bonito, mas sim pela demonstração do carácter que está tanta vezes por detrás de um corpo que nada nos diz e que com o tempo se mostra um ser encantador e perfeito. 

Emma Watson pelas primeiras cenas parece ausente da personagem mas assim que se vê confrontada com o Mostro protagonizado por Dan Stevens consegue mostrar que agarrou a sua Bela como era pedido, tendo uma presença ascendente ao longo de toda a história. Já no que toca a Stevens, acredito que teriam conseguido ter um outro rosto a dar vida a este príncipe que em formato Monstro convence bastante mas depois os poucos minutos em que fica de rosto limpo acaba por desiludir pela ingenuidade que acabou por dar à personagem. De resto, não existem oscilações de casting e nota-se que a intenção era mesmo surpreender com o trabalho de equipa onde os mágicos cenários e as personagens não humanas criam a verdadeira ilusão para a fantasia que depois acontece no final quando todo o elenco surge a celebrar o amor. 

Um filme com maior duração que o original para explicar o passado familiar de ambas as personagens e também pormenores que na versão animada e mais virada para o público infantil passam despercebidos mas que agora já deixariam dúvidas acerca de determinadas atitudes, dando também para perceber o cuidado com vários problemas sociais, como é o caso da homossexualidade e do racismo, com a presença de personagens que mostram que a realidade existe e não há que ser omitida no cinema. 

Um filme para ver ou na maioria dos casos rever mas que não consegue tirar a magia do verdadeiro, do original, aquele que nos ficará para sempre na memória e que os mais novos que só estão a ter o seu primeiro contacto com A Bela e o Monstro agora devem ver porque não se conseguirá fazer melhor, por muito que se tente, do encanto que foi criado com aquela película animada.

26
Jan13

Vou ver O Impossível

O Informador
Estamos em serão de Sábado e é dia de sair, como não posso ir para a noite devido à constipação que me tem atacado nos últimos dias, vou ao cinema. E a escolha desta noite vai recair em O Impossível!
Inspirado numa história verídica, este filme que tem conquistado milhões de pessoas parece-me ser bem forte, tal como eu gosto.
O Impossível
O Impossível
Drama M12
Data de estreia: 2013-01-24Título Original: The ImpossibleRealizador: Juan Antonio BayonaActores: Naomi Watts, Ewan McGregor, Tom Holland, Samuel Joslin, Oaklee Pendergast, Marta EturaDistribuidora: ZON AudiovisuaisPaís: EspanhaAno: 2012Género: DramaClasse Etária: M12Duração (minutos): 114
Sinopse: Maria, Henry e os seus três filhos viajam até à Tailândia para passarem as suas férias de inverno, esperando encontrar alguns dias de descanso num paraíso tropical. Mas na manhã de 26 de Dezembro, enquanto a família relaxa na piscina após as festividades de Natal da noite anterior, um ruído aterrador surge vindo do centro da terra. Enquanto Maria permanece paralisada de medo, vê uma enorme parede de água negra, que se abate sobre todo o hotel, aproximar-se em sua direção. Inspirado numa história verídica, este é o inesquecível relato de uma família apanhada, juntamente com dezenas de milhares de outras pessoas, no caos de uma das piores catástrofes naturais do nosso tempo. Mas o verdadeiro terror que se assiste a todo o redor é atenuado por inesperados atos de coragem, compaixão e simples bondade que Maria e a sua família encontram durante as horas mais escuras das suas vidas.
Depois conto o que achei desta história que podia acontecer a qualquer família que tivesse no momento errado no local errado. É impossível resistir a este filme, é o que me parece!
banner mrec exames nacionais e provas de aferição

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Comentários recentes

Pesquisar

Mais comentados

Atual Leitura
Top mais vendidos Wook