Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Vem aí novo Big Brother

maxresdefault.jpg

11 de Setembro de 2022 será o dia de estreia da nova temporada do Big Brother nos ecrãs da TVI com direito mais uma vez a canal exclusivo, o TVI Direto, onde se pode ver tudo o que a produção entender, já que bem sabemos que quando não convém a emissão é fechada para se tratarem de assuntos internos a que o público não tem acesso.

Cristina Ferreira volta a ser a anfitriã de serviço, após apresentar duas edições de famosos e uma de mistura, não servindo desta vez o efeito surpresa sobre o apresentador para chamar o público, uma vez que será uma continuação do que foi feito este ano, com a diretora de entretenimento e ficção na condução do formato âncora do canal para tentar levantar as audiências nos últimos meses de 2022, o ano em que existiu a possibilidade e vontade de terem a estação na liderança, mas cujo sonho ficou mesmo por aí. Agora a aposta volta a ser forte no reality show, com duas horas de emissão ao final da tarde, mais duas horas ao final da noite, entrevistas nos talk shows da manhã e tarde em torno do formato e a gala de Domingo, com direito ainda a compacto semanal ao Sábado. 

O que esperar desta nova edição? Uma casa renovada já prometeram, mas no local habitual nos armazéns adquiridos na Malveira. Ou seja, mudam mas não teremos uma casa totalmente renovada porque o orçamento também não permite grandes alterações de base. Os concorrentes aparentemente já estão escolhidos a semana e meia da estreia, a imprensa fala numa junção entre rostos anónimos e conhecidos, os fóruns de bancada revelam algum desinteresse pela ideia, e eu só quero ver concorrentes desconhecidos uns dos outros, sem medos para entrarem no jogo e darem o que se chama de canal a favor de uma boa polémica. Sim, eu gosto de um reality show com bons pontos de discussão e discórdia, não sendo adepto da paz e amor do início ao fim como se tivessem numa colónia de férias de jovens à procura de diversão. As expetativas podiam ser muitas, mas a julgar pela falta de capacidade da produção a cargo da Endemol em fazer algo inovador nos últimos tempos, não posso apostar grandes fichas para esta nova edição, sendo que para já a ideia que avanço é que será muita parra antes da estreia e pouca uva ao longo dos meses de programa, com nomeações forçadas, dinâmicas repetidas e já conhecidas do público que não se deixa enganar tão facilmente como há umas décadas atrás.

Virgílio Castelo estreia O Homem da Amália

Yellow Star Company

cartaz o homem da amália.png

Virgílio Castelo é O Homem da Amália, o novo espetáculo produzido pela Yellow Star Company, num texto escrito e interpretado pelo ator que ao longo de mais de uma hora em cena dá vida a doze personagens de homens que passaram pela vida da diva do fado. 

A solo, Virgílio Castelo interpreta o homem que sempre viveu um amor desconhecido para com Amália. Sonhou, criou ilusões, revoltas e viveu de contrariedades, sempre com a esperança de ter a grande voz de Portugal do seu lado. Os horizontes de Amália, as paixões incompreendidas e as decisões políticas estão presentes neste maravilhoso texto criado por Virgílio Castelo onde a emoção deriva de vários pontos dispares entre a comédia e o drama, revelando o que já bem sabemos sobre um ator completo e que se entrega ao seu trabalho de palco, mostrando que num espetáculo a solo é possível brilhar e conquistar o público. Com um texto muito bem conseguido e trabalhado aliado a uma interpretação sublime, o homem de Amália conduz a história, revelando outros rostos que passaram pela vida desta mulher que se tornou rosto nacional mas que nunca deixou de ter os seus mistérios.

Memórias, aparições, pensamentos e curiosidades são pontos positivos deste trabalho que mostra a decadência de um homem pelo amor não correspondido ao longo do tempo, acabando esta história por revelar um ser inacabado que sempre olhou para o ser desejado sem conseguir desligar e percorrer o seu próprio caminho. No final o peso de viver em função de um objetivo não conseguido acaba por causar a loucura num estado puro que percorre o caminho da morte sem que por um momento tenha visto a sua dedicação a ser correspondida pela mulher que olhava e desbravava caminho com os seus risos contagiantes para ignorar o óbvio quando o mesmo lhe era indesejado. 

 

Big Brother, o segundo Domingo

As promessas sobre uma nova edição do Big Brother como nunca foi vista na primeira semana logo começou a descambar para mais do mesmo. Após a gala de estreia ter corrido bem, com vários concorrentes a surgirem como mais do mesmo mas mesmo assim a criarem jogo logo nos primeiros dias, o Domingo chega, Manuel Luís Goucha e Cláudio Ramos recebem a Ana Sofia Martins, a Pipoca Mais Doce, para os seus comentários com maior tempo de antena, o que considero positivo. Logo depois ficamos a saber que vamos logo começar a ter direito ao momento Curva da Vida, ao BB Play para gerar discussão em direto na gala, o Cubo com o frente-a-frente, 

António e Rita deixam a rulote mas escolhem o chato das causas, o Bruno, para os substituir pela próxima semana, o que foi muito bem atirado. Bruno já está na pequena casa extra e o público tem a função de eleger dois companheiros de jogo para lhe fazerem companhia e gostava tanto de lá ver a Ana Barbosa e a Ana Morina num trio perfeito e que iria dar boa conversa de contrastes. Depois o frente-a-frente entre Ana Barbosa e Débora a mostrar que estas concorrentes não vieram para brincar ao paz e amor ao Domingo para serem as inimigas de semana. Colocaram as cartas na mesa, disseram o que tinham a dizer uma à outra e são destas concorrentes que se querem no jogo que é o Big Brother. No BB Play passou a película As Plantas, gerando desde logo discussão entre a Ana Barbosa e os concorrentes que considerou com os seus mais próximos como plantas e os que estão a fazer "programa". O bate boca entre a causa Bruno e Ana Morina por olharem para as suas prestrações de forma distante, levando o moço uma simpática e bem linear sova da Morina. Curva da Vida com a Maria da Conceição a dar o momento pesado da noite com o sofrimento enquanto jovem da concorrente para com o que passou com os seus pais, sendo rejeitada com os irmãos pela própria família, tendo começado a namorar aos 16 anos com o marido de sempre e com quem se juntou para fugir de casa, sendo mãe e mais tarde o filho adotou um cachorro que para São foi o amor da sua vida, tendo a sua morte levado a concorrente à depressão, até que decidiu mudar e concorrer ao Big Brother para alterar a sua forma de ver a vida. Uma história de sofrimento partilhada pela concorrente que mostra a razão de determinados comportamentos mais isolados no jogo. O Lourenço, a revelação por ser transexual que emocionou os colegas de casa e o país que aceitou como se tudo estivesse já a ser aceite com toda a normalidade. Rui Pinheiro ganhou uma prova ao longo da semana e escolheu cinco colegas para disputarem consigo a prova do líder, que este ano não estará sempre disponível a todos os concorrentes. Maria da Conceição, Ana Barbosa, João, Aurora e Bruno foram os escolhidos para com Rui tentarem a sorte na prova do líder da semana. A Arena abriu-se para receber os seis concorrentes e a prova foi das mais difíceis dentro do que havia sido feito nas anteriores edições. Uma prova física com a necessidade de fazerem buraco no chão de areia para passarem por baixo de uma barra de metal, colocarem uma boia, subirem uma plataforma de rede, pegarem numa bandeira e voltarem atrás. João foi o mais rápido e venceu assim a liderança e a imunidade para as nomeações que se seguiram. 

Rafael e Aurora foram os primeiros a serem salvos da noite a meio do direto, o que me deixou surpreso por achar e ver com bons olhos se fosse o Rafael a deixar a casa no final da gala. Mais tarde Ana Barbosa e Débora foram também elas salvas, ficando Nuno como o primeiro a sair desta temporada do Big Brother, o que achei injusto por não existir tempo para que os concorrentes mais tímidos se darem a conhecer. 

Nomeações com dois nomes a serem eleitos por cada um em modo cara a cara e com dois concorrentes a nomearem no confessionário. No final da ronda Ana Soares, Bruno, Débora e Maria Conceição foram os quatro nomeados iniciais, no entanto numa rápida votação o público acabou por salvar Maria Conceição, o que aplaudo. O líder João foi chamado para nomear um outro concorrente, tendo escolhido a Ana Morina, que se juntou assim a Ana Soares, Bruno e Débora ao lote de nomeados desta semana. Que saia a calada e de expressões fechadas Ana Soares, já que numa semana não se conseguiu intromar no grupo nem se mostrar ao público.

Ao longo da noite ainda foi mostrado o botão de pânico, o botão que pode dar salvação ao concorrente só uma vez no jogo. O concorrente pode ativar este modo de salvação de Segunda a Sexta-feira junto do Big Brother e o primeiro a fazer o pedido ficará validado para essa semana, sendo que nunca sabem por antecipação se serão ou não nomeados pelos companheiros de casa.

Big Brother já estreou

big brother.jpg

Estreou a nova edição do Big Brother Portugal, desta vez com Manuel Luís Goucha e Cláudio Ramos na sua condução, dando a esta temporada do reality show a primeira dupla masculina a apresentar um formato do género no nosso país. O suspense foi mantido sobre os apresentadores até à passada Sexta-feira, quando os nomes foram revelados, porque a partir desse dia os ensaios tinham de acontecer para a estreia ser preparada e as fugas de informação iriam acontecer. Agora, a 12 de Setembro de 2021, estreou mesmo o novo Big Brother, numa nova casa, novos concorrentes e novas histórias para serem contadas dentro e fora do que volta a ser a casa mais vigiada do país. Comento a partir daqui a noite de estreia, prometendo que o formato terá um espaço obrigatório aqui pelo blog de hoje em diante sempre que se justificar. 

«Começa agora o novo Big Brother!», foi assim que Manuel Luís Goucha arrancou com esta nova edição do reality show. Com Cláudio de fato azul e camisa folhada e Goucha de branco com flores por toda a fatiota, logo a dupla deu que falar pelas redes sociais, como seria mais que esperado, não fosse esta escolha também sido feita para criar falatório por serem dois homens, homossexuais, amigos de Cristina Ferreira e por gostarem de se vestir de forma extravagante e se apresentarem sem preconceitos em tudo o que se metem. 

Uma casa que arrisco a dizer que é a maior de sempre, construída de raiz, com os concorrentes a parecerem pequenos Sim's dentro do grande espaço. Amplitude, com uma sala e cozinha bem espaçosos, um quintal com direito a piscina e um dos maiores espaços ao ar livre e depois o regresso dos dois quartos ao jogo, o conhecido confessionário e uma casa de banho onde todos se podem ver. Tudo muito bem decorado em modo futuresto e um novo espaço, a arena, onde os confrontos irão acontecer todas as semanas perante os nomeados. 

Cristina ComVida na estreia

Cristina ferreira

 

Cristina Ferreira regressou aos finais de tarde da TVI e quando pensei que o Cristina ComVida não seria formato ideal para o horário das 19h00, eis que a diretora do canal de Queluz surpreende e consegue fazer uma hora de um talk show com os ingredientes certos para fechar a tarde e dar entrada ao Jornal das 8.

Transformando a antiga casa mais vigiada do país no seu novo estúdio de televisão, a casa da Venda do Pinheiro recebe agora o programa de Cristina, voltando assim ao ecrã o local onde vários edições do Big Brother e do Secret Story, entre outros, aconteceram ao longo dos últimos vinte anos. Com a casa vazia, a diretora e apresentadora resolveu criar reformulando e fazer assim o seu novo programa na casa, estando a menos de cinco minutos da sua própria casa, na Malveira.

Cristina estreou este formato bem parecido e numa versão que parece melhorada ao que apresentou na SIC, o Programa da Cristina, e no primeiro dia mostrou logo a garagem, as salas, o quarto, a casa de banho e a cozinha da moradia cenário. Convidou a Célia e o Telmo do primeiro Big Brother, onde se conheceram, para voltarem onde já foram felizes, foi também visitada pelo Toy e o cozinheiro Rúben Pacheco Correia lá deixou a SIC para se mudar de armas e bagagens para esta nova casa da Cristina que o descobriu. Dois jovens, irmãos e padres tocaram também à campainha e contaram a razão de seguirem o caminho religioso. Miguel Moura, o jovem fadista que conquistou jurados e público no All Together Now também foi visitar a sua madrinha televisiva e acabou por ser surpreendido pela presença de Pedro Abrunhosa, numa das suas raras aparições em programas deste estilo, para cantarem juntos. Nesta estreia Cristina até teve a surpresa da produção com um avião a passar nos céus da Venda do Pinheiro com a mensagem "Cristina, o sonho começa agora", isto ao mesmo tempo, segundo revelou, que ouviu no auricular as palavras "bora miúda, estamos juntos, de mãos dadas, a equipa sonha contigo", levando a apresentadora a emocionar-se em direto e logo nos primeiros minutos de programa.

Um estreia corrida, uma Cristina com o volume quase no máximo mas espontânea como sempre, um Eduardo Madeira a interpretar várias personagens em direto ou com sketches gravados e um bom ambiente ao longo de uma hora, nem mais nem menos, de programa sem pausas e momentos mortos, sem tempo para grandes conversas, mas para as longas entrevistas existe o Goucha a meio da tarde. Às 19h00 é necessário ritmo e na estreia de Cristina existiu esse tão necessário ritmo. 

Voltei aos Destaques

destaque 2.jpg

Voltei aos Destaques no SapoBlogs com a publicação que fiz sobre a estreia do novo programa de Cristina Ferreira nas noites de Domingo na TVI, o All Together Now. Contei o que senti na primeira emissão do formato que procura encontrar a nova estrela musical de Portugal, percebi que estamos perante mais um formato de talentos, somente com a diferença de serem cem os jurados a avaliar os candidatos que na seleção do casting para a estreia andaram pelo razoável, existindo por ai muito boas vozes que ao que parece não aparecem nesta primeira seleção, salvo três exceções. É um formato de exibição rápida, de hora e meia, que não cansa, mas também que me parece não ter grande força para conseguir aguentar a liderança nas audiências até ao final. O destaque vai também para o facto da apresentadora não ser a estrela central do programa, estando remetida para segundo plano e sem grandes intervenções. 

A estreia de All Together Now

all-together-now.jpg

 

Cristina Ferreira regressou à TVI a meio de 2020 e antes do final do ano anunciou o que parecia mais um programa de talentos musicais, o sucesso internacional All Together Now estava assim a caminho de Portugal, gerando desde então muitas criticas por surgir em época de pandemia e envolver cem jurados e uma vasta equipa de produção. 

A diretora e apresentadora não se deixou levar, como sempre, pelo comentários e avançou mesmo, com todas as regras de segurança, com o formato e neste início de Março a estreia aconteceu e o que me parecia ser mais um talent show que tinha a diferença de conter muitos mais jurados que o habitual, afinal acabou por surpreender.

A estreia aconteceu, durante somente hora e meia sem intervalo, e toda a produção desta aposta está de parabéns. Primeiramente a apresentação de Cristina Ferreira merece todos os aplausos por ser o regresso da apresentadora ao horário nobre no canal que sempre foi o seu e num programa estrelado. Cristina brilhou na estreia por si mas sem cair nos exageros e sem ter grande destaque no formato, estando até bastante recatada para o que já fez no passado, sem tirar o brilho aos jurados e concorrentes, apresentando-se de forma bem pausada e fugindo até um pouco do seu registo habitual, o que é de salientar. No que toca ao embrulho que foi feito, a produção conseguiu captar os melhores momentos em palco e muitas das emoções dos jurados ao longo das horas de gravações que foram assim reduzidas a noventa minutos num episódio de estreia emotivo, emocionante e onde senti também os nervos de ver boas performances a terem de deixar a competição por só existir lugar para dois participantes para a passagem para a semi-final.

Este tem de passar, aquele não devia ser deixado para trás, será que esta faz mais pontos que a que está no pódio? Assim foi passado o tempo enquanto o All Together Now esteve no ar, com os três lugares com maior pontuação a serem ocupados e substituídos ao longo das atuações e com pelo menos dois concorrentes de que gostei a não passarem, mas só havia mesmo lugar para dois.

Eu bem avisei... Jesus no Dia de Cristina

nova-gente-80492-noticia-cristina-ferreira-e-jorge

Imagem Nova Gente

 

A 22 de Julho previ que Jorge Jesus seria o primeiro convidado do novo talk show apresentado por Cristina Ferreira no seu regresso à TVI. Hoje, 23 de Setembro, o Dia de Cristina estreia e o grande convidado especial deste primeiro programa, que será transmitido ao longo da manhã e tarde, é justamente o também regressado treinador do Benfica.

Na estreia de Cristina na SIC, a 07 de Janeiro de 2019, o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, foi o convidado central da emissão e desta vez na TVI, mais de ano e meio depois será Jorge Jesus, o treinador que voltou a ser recrutado por Vieira para o Benfica e que também havia sido entrevistado por Cristina na SIC o convidado para uma nova entrevista que promete muita conversa entre duas pessoas que se gostam e têm partilhado momentos mesmo à distância, como já foi revelado em entrevistas dadas pelos dois ao longo do tempo, desde o dia em que se cruzaram em O Programa da Cristina.

Dia de Cristina estreia hoje, Jorge Jesus será um dos rostos centrais do dia, entre muitos outros, e os dados do novo programa apresentado por Cristina Ferreira na TVI são lançados assim com a força de Jesus, sem o dia 7 na estreia como amuleto mas com toda uma equipa que não tem falhado nos últimos tempos para surpreender o público. 

Homofobia gera polémica no Big Brother

cláudio ramos hélder.png

 

A casa da Ericeira do Big Brother recebeu os concorrentes no passado Domingo e dois dias depois a polémica já está instalada. Hélder, o concorrente que no formato Zoom mostrou querer fazer o papel de mulherengo, proferiu ao longo de uma prova e em conversa com Soraia um comentário homofóbico para com o colega Edmar, que no momento nem se apercebeu do mesmo por estar de costas e em conversa com outros companheiros de jogo. 

«Sei que lá para fora deve estar a passar a imagem de que sou mulherengo, mas não é isso. […] Eu prefiro ser mulherengo do que ser…», apontando para Edmar nesse momento. Soraia ainda tentou disfarçar afirmando que não estava a gostar da conversa, Yuri que ouviu o comentário proferiu «alerta vermelho» numa tentativa para Hélder se calar, mas fora da casa os comentários e partilhas do momento logo se fizeram sentir pelas redes sociais e a produção percebeu que algo tinha de ser feito de imediato. 

Umas horas depois a TVI começou a passar informação em rodapé sobre o sucedido e com a informação de que Cláudio Ramos iria falar em direto com os concorrentes ao final da tarde. Vídeos mostrados sobre o tema da homofobia e também por Hélder se esticar um pouco com os seus comportamentos para com algumas raparigas, Cláudio Ramos a pedir justificações e a voz do Big Brother entra em ação e coloca o concorrente com nomeação direta, ficando assim ao critério do público a saída ou permanência no jogo.

Choro e mais choro de todos e o mais caricato no meio disto tudo é que não consegui perceber a atitude dos colegas de casa. Se Soraia e Yuri no momento do comentário não se mostraram contentes, como é que depois ao lhes ser pedida uma opinião desdramatizam e desculpam Hélder só para não criarem guerras dentro da casa? Que hipocrisia foi aquela com as desculpas de que devia estar nervoso, coitado e por aí fora? Já o protagonista desta polémica desconfortável junto do público nunca conseguiu dizer, mesmo em conversa com o apresentador, a palavra homossexual, demonstrado um certo mal estar com a mesma, o que poderá revelar muito do que pensou e que tenta justificar depois do caldo ter entornado. As justificações com o «adoro esse tipo de pessoas» não me conseguiram convencer minimamente porque se teve coragem para demonstrar que o Edmar não é como ele, também deveria assumir as situações com palavras exatas, para mais quando todos somos pessoas, sejamos de outra raça, orientação sexual, religião, ... A voz no final do discurso para todos os concorrentes voltou a frisar que «No Big Brother as atitudes sexistas, homofóbicas e racistas são inadmissíveis, tal como na nossa sociedade. Todas estas transgressão são delitos graves e a que o Big Brother não pode fechar os olhos». 

Big Brother, a entrada na casa

bb2020.jpg

 

Meses após o início da abertura dos castings para a edição comemorativa dos 20 anos do Big Brother, duas semanas após os concorrentes entrarem em apartamentos para fazerem a sua quarentena, eis que o BB2020 começou finalmente. Os dezoito concorrentes entraram na casa da Ericeira e o jogo começou finalmente.

Com um Cláudio Ramos nervoso pelo direto e com direito a soltar uns ralhotes bem valentes em alto e bom som com os concorrentes para se fazer ouvir na casa, a estreia pareceu ser mais do mesmo como em outras temporadas de edições anteriores. Concorrentes a entrarem um a um, pela porta, pelo ar ou já dentro de espaços da casa para agilizar, todos muito excitados pelo impacto sem medirem linguagem e com uma gritaria desenfreada por verem pessoas ao fim de duas semanas de isolamento. As entradas aconteceram, umas com mais tempo e pormenor e as últimas muito corridas em que mal entrava um e já outro chegava sem tempo algum para se cumprimentarem, o que foi desnecessário pela desigualdade criada. No entanto e uma vez que o público já conhecia os concorrentes, achei esta gala de estreia coordenada e sem momentos mortos, reforçando que os momentos altos estiverem mesmo entregues ao Cláudio quando assumia o poder ao pedir com afinco que respeitassem a voz do Big Brother e a ele próprio para se entenderem. O desnecessário, logo no primeiro dia, foi o jogo com baratas para colocar concorrentes aos gritos com nojo, sendo uma parte mais que repetida pelos últimos anos e que já não traz nada de novo e até se torna maçador. 

Quanto aos concorrentes, fazendo uma análise após duas semanas de formato Zoom, a opinião sobre alguns dos participantes foi sendo alterada e os preferidos nesta entrada na casa do Big Brother estão por agora escolhidos. Slávia, Noélia e Iury são para já a tripla de concorrentes que estão pelo patamar de preferências, percebendo que em estado de isolamento conseguiram sair valorizadas pelas imagens que a produção foi deixando saltar para junto do público. Slávia pela forma inteligente como foi analisando os companheiros de jogo e a perceção que foi tendo de cada um com conversas calmas mas com as questões essenciais. Noélia porque será claramente a mãe e cuidadora do grupo, sendo a concorrente que me parece que irá andar atrás das limpezas e que não irá deixar facilmente os outros na ronha, achando-lhe graça pela diferença que trás consigo de ter pensamentos distantes dos restantes e de poder sem querer criar algumas guerrilhas. Iury pela boa disposição sem se deixar levar pela conversa dos outros concorrentes, parecendo ingénua no início mas mostrando que não é só um corpo bonito e que tem muito para dar ao grupo pela diversão e cuidados para com os outros. Na mó debaixo estão o Daniel Guerreiro, o Pedro Soá e o Hélder por serem daqueles concorrentes com quem não me conseguiria identificar se os tivesse por perto. O Fábio foi o escolhido para deixar a casa mal tenha entrado, o que não surpreende por sempre achar que o Pedro Soá faz mais falta ao jogo numa primeira fase, sendo que o Diogo não me pareceu nunca uma opção de saída logo à primeira. Com a saída do Fábio, os primeiros líderes do Big Brother acabaram por serem eleitos pela produção, ficando os dois concorrentes salvos pelo público na primeira votação, Diogo e Pedro Soá. 

Uma não surpresa porque já havia sido anunciado, é a entrada de dois novos concorrentes para os quartos de isolamento, o açoriano Renato, que numa primeira apresentação pareceu ser daqueles rapazes que pouco poderá dar ao jogo e a Teresa que somente pelo vídeo prometeu entrar daqui a umas semanas na casa para causar grandes conflitos!