Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Casal da Treta | Força de Produção

07
Mai19

casal da treta cartaz.jpg

 

A igualdade de género é uma treta, mas isso vai mudar! Ou será que não? Se até agora isto era um “clube de cavalheiros” bem-falantes, CASAL DA TRETA marca a estreia de Détinha (Ana Bola), a mítica mulher de Zezé (José Pedro Gomes). Décadas de vida em comum recordadas na medida do possível: os estafermos dos filhos, o bairro onde sempre despejaram o lixo, o casamento que só quem foi lá é que o esqueceu. Do poliamor ao fitness, da "prótese" da próstata ao “forno” uterino, este casal não tem tabus. Mas Zezé e Détinha têm alguns segredos um do outro.... Lamentavelmente (ou lamentavelmentemestes, diria Zezé), os portugueses vão ter de os saber. Que treta.

José Pedro Gomes celebrou ao lado de António Feio o espetáculo Conversas da Treta. Anos mais tarde e após a partida do companheiro dos palcos, José Pedro Gomes pegou no formato e criou com António Machado o espetáculo O Filho da Treta. Agora e porque o sucesso que surge em torno deste fenómeno assim o pede, eis que Ana Bola entrou no mundo da Treta e ao lado de José Pedro Gomes protagoniza Casal da Treta, a comédia que pode ser vista no Teatro Villaret desde o dia 25 de Abril. 

Numa divertida comédia que reúne dois grandes atores, Casal da Treta dá a conhecer Détinha ao público que tem seguido o sucesso da Treta. A já bem mítica mas desconhecida mulher de Zezé, José Pedro Gomes, ganha assim rosto e corpo, através de Ana Bola, para ao longo de cada sessão provar que as conversas machistas e de cavalheiros podem ser partilhadas num seio familiar onde variados temas são debatidos entre dois seres que se amam mas que também se atrapalham. Num divertido espetáculo, o despejo dos grandes centros urbanos a favor do turismo, os filhos, o casamento em falência, as dívidas, o bairrismo, o corpo perfeito, o sexo e o mal dizer são alguns dos temas que de forma bem conseguida são debatidos nesta comédia que segue em crescendo e de forma atualizada. 

Severa - O Musical | Teatro Politeama

22
Mar19

severa.jpg

O Teatro Politeama volta aos grandes musicais!

Filipe La Féria apresenta, "Severa - O Musical", sobre a mítica fundadora da Canção Nacional, a fadista que ficou na História como a primeira cantadeira de Fado narrativa imortal de amor e paixão entre o Conde de Marialva e a célebre fadista.

"Severa - O Musical" transporta-nos ao século XIX em Portugal, às esperas de touros, às tabernas da Mouraria, aos salões da aristocracia, à guerra entre liberais e absolutistas e à vida da criadora do Fado, num espetáculo glamoroso, romântico e pleno de emoção e aventura.

"Severa - O Musica" é a alegoria perfeita do labirinto de paixões e conflitos que marcou o Fado.

Com um grande elenco de artistas, protagonizado por Anabela, Filipa Cardoso, Carlos Quintas, Fernando Gomes, Yola Dinis, Filipe de Albuquerque, Bruno Xavier, Cristina Oliveira, João Frizza, Francisco Sobral, Dora, Ricardo Soler, Rosa Areia, Carina Leitão, Carla Vasconcelos, Rui Vaz, David Gomes, Paulo Miguel Ferreira, Catarina Pereira, João Albuquerque Alves e fabulosos bailarinos coreografados por Marco Mercier, com música original de Miguel Amorim, Jorge Fernando e Filipe La Féria que além do Fado, criaram melodias que englobam todos os géneros numa partitura de um grande musical, a direção vocal de Tiago Isidro. Os figurinos requintados de Mestre José Costa Reis e os cenários deslumbrantes fazem de "Severa" o regresso do Teatro Politeama aos grandes musicais.

"Severa - O Musical" é um tema português que fala da nossa História, do nosso país, num espetáculo emocionante e forte, em que o Teatro, a Música, a Dança, a cenografia e a beleza dos figurinos, contribuem decisivamente para La Féria realizar o seu mais ambicioso espetáculo de sempre - mágico e comovente, cómico e emocionante, humano e profundo - sobre a vida da verdadeira criadora do Fado Português.

Severa, a criadora do fado é agora celebrada no palco do Teatro Politeama através do mais recente musical de Filipe La Féria. Voltando aos grandes espetáculos musicais, o produtor volta a surpreender com uma história que vai para além da vida de uma mulher guerreira. Severa passa sobretudo por um retrato social de Portugal no século XIX onde a guerra, os bairrismos, o crime e a vida alheia são retratados perante uma sociedade que se confunde entre ruas de pecados, amores confundidos com interesses e vicissitudes da vida. 

Com um forte elenco com vários rostos de destaque dos últimos anos das produções de La Féria, como é o caso de Anabela, Carlos Quintas, Filipe Albuquerque e João Frizza, Severa estreou como o promissor musical que quer suplantar o sucesso de Amália. Com o retrato social estampado do início ao fim ao mesmo tempo que o fado é contado entre tabernas, cubículos e grandes festas, Severa é a mulher do povo que todos enfrenta pelo bem em que acredita. Uma verdadeira heroína de outros tempos, num espetáculo que por vezes remete para o universo de Os Miseráveis e onde um elenco excelentemente coordenado nas grandes cenas gerais em que todos estão em palco e não falham. Dos papéis principais ao mais secundário dos papéis de Severa, Filipe La Féria pensou, coordenou e apresenta agora um espetáculo que foi feito para agradar. 

Tango Pasión | Esperanza

09
Mar19

tango pasión cartaz.jpg

Ano após ano o espetáculo Tango Pasión lança uma nova temporada, com novo tema e consequentemente novas apresentações. Com Esperanza a iniciar a sua digressão em Portugal, o nosso país recebe a companhia de Tango Pasión, premiados com um Latin Gramy Award, com o espetáculo onde é feita homenagem ao compositor Astor Piazzola e que a partir de agora irá pisar os palcos mundiais.

Com direção artística de Graciela Garcia e Marcelo Barnadaz, Tango Pasión celebra mais uma vez a dança com a junção do tradicionalismo do tango com o avant-grade onde a paixão se cruza com as luzes de um espetáculo que tem as suas origens nos primórdios do tango em Buenos Aires, na Argentina. Considerado como Património Imaterial da Humanidade há dez anos, o tango une numa só dança o humor e a tristeza, tal como os risos e as lágrimas, numa junção que não deixa o público indiferente através do sensualismo e do grande profissionalismo transmitidos em palco onde os sentimentos são transmitidos com todo o rigor e empenho. 

A magia acontece em Slava's SnowShow

06
Mar19

slava s snow show.jpg

Slava's SnowShow voltou a invadir Lisboa através do palco do Teatro Tivoli BBVA e se existem boas surpresas quando assistimos a um espetáculo este trabalho é uma delas. 

Com mais de vinte e cinco anos em digressão mundial, Slava's SnowShow transporta ao longo de duas horas o público para um verdadeiro recanto da imaginação onde os limites são ultrapassados através da magia e capacidade de transformar cada momento num pedaço de sonhos. Neste espetáculo os palhaços com buzinas e truques mágicos ficam de fora porque aqui a simplicidade de cada ato é transposta através de gestos e pequenos apontamentos em histórias que ajudam a momentos de reflexão entre o riso fácil e a batida do coração através de representativas constatações sobre a partida, a perda, o amor, a felicidade e tantos momentos do nosso quotidiano enquanto seres a viver numa sociedade multicultural onde todos têm algo de bom para oferecer aos outros. Slava's SnowShow acaba por ser um espetáculo de magia onde todos acabam por ficar envolvidos numa partilha de momentos inesperados onde a idade não importa quando a intenção é passar bons momentos numa sala de espetáculos. 

Private Lives | Vidas Privadas

13
Fev19

vidas privadas.jpg

Nöel Coward é o criador de Private Lives, a comédia que agora chegou a Portugal através da adaptação a cargo de Suzana Borges e com o título literalmente traduzido para Vidas Privadas, como assim tinha de ser. 

Num espetáculo sobre o amor e com a paixão representada das mais diferentes formas, neste espetáculo os hábitos, costumes e tradições de uma relação são debatidos de alto a baixo, entre o bem e o mal. Com base num casal divorciado e que refaz as suas vidas perante novas relações, Amanda e Elyot voltam a cruzar-se precisamente no primeiro dia da lua-de-mel dos seus novos casamentos. Separados há cinco anos, o ex-casal volta a encontrar-se justamente no hotel onde ficam hospedados com os seus novos companheiros. E o que será que este reencontro trará de bom para os mais recentes noivos e para os seus pares que nada têm com a vida em comum que Amanda e Elyot tiveram no passado? É aqui, nestes inesperados encontros que o amor que foi sentido volta a reacender e os levas a deixar os respetivos companheiros no hotel de Deauville e a partirem para Paris para uma tentativa de regresso ao que foi bom e acabou mal. Será que todas as relações estão condenadas a terminar e a não terem hipótese de uma segunda oportunidade ou com tanta oscilação há que tentar aceitar a diferença do outro e deixar que o fogo da paixão leve uma relação de amor/ódio em diante?

Convites Duplos | Faz-te Homem | 07.02.2019

03
Fev19

faz-te homem.jpg

Dois amigos de longa data decidem debater a sempre polémica temática do papel do homem na nossa sociedade e as suas ramificações com tudo o que o rodeia, com tudo o que se mexe… mulheres incluídas. A melhor forma que encontraram para abordar o abominável mundo do homem foi organizar uma “Conferência de e para Machos”, denominada Faz-te Homem, onde irão expor as suas indignações, receios, traumas, medos, frustrações, no fundo, o que os apoquenta.

Os espetadores, atentos à conferência sobre Futebol, Carros, Gajas, Porrada, poderão ser chamados a intervir.

No final de 2018 António Machado e João Didelet estrearam no Teatro Armando Cortez, em Lisboa, a comédia Faz-te Homem, inspirada no livro de Luís Coelho. Com cerca de uma hora de espetáculo, os dois atores debatem desde então com todos os Zés da plateia, numa conferência de e para «machos», temas que intervém no dia-a-dia de todos os homens mas também na convivência com a ala feminina da sociedade. Sexo, filhos, futebol, rabos, gadgets, copos e compras são apenas alguns dos temas debatidos neste divertido espetáculo que agora, e após o sucesso em Lisboa e uma viagem de semanas pelo país, regressa à capital para que todas as Quintas-feiras, pelas 21h30, o Teatro Armando Cortez volte a receber esta conferência masculina. 

Para que todos possam ter a sorte de assistir ao regresso de Faz-te Homem a Lisboa, eis que tenho dois convites duplos para oferecer, destinados à sessão de dia 07. Este passatempo irá estar disponível até às 10h00 de dia 06 de Fevereiro, Quarta-feira, e nesse dia serão revelados os nomes dos vencedores nesta mesma publicação, sendo o sorteio feito através do sistema automático random.org. Os premiados serão contactados via email com as recomendações para o levantamento dos bilhetes acontecer nas melhores condições. Para a participação ser válida tens de seguir os passos que se seguem...

Montanha-Russa | Teatro Nacional D. Maria II

25
Jan19

montanha russa 2.jpg

Entrei numa Montanha-Russa ao entrar na Sala Garrett do Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa, onde nem sabia bem ao que ia. Mergulhei de forma repentina num mundo de adolescentes, distribuídos entre quatro décadas diferentes.

Da autoria de Inês Barahona e Miguel Fragata, que também é o encenador deste trabalho, Montanha-Russa junta em palco os atores Anabela Almeida, Bernardo Lobo Faria, Carla Galvão e Miguel Fragata aos músicos Nuno Rafael, Miguel Ferreira, Helder Gonçalves e Manuela Azevedo, dos Clã, num trabalho onde as vivências do passado se intercalam com temas representativos do que vai sendo contado através de viagens no tempo compostas por recordações em diários, folhas e através das novas tecnologias e conceitos de partilha online. Afinal de contas o que escrevemos em diários e blogs são passagens intimas ou para serem conhecidas pelos outros? Quem é quem na intimidade e rascunhos privados de cada adolescente?

Montanha-Russa é um musical que retrata o mundo dos adolescentes e destinado aos mais diversos públicos. Com recurso a conversas em várias escolas de todo o país e com grupos de jovens, os autores desta peça entraram na privacidade dos adolescentes para darem vida a este trabalho que acaba por ser um diário secreto de cada interveniente que primeiramente partilhou na sua intimidade os seus pensamentos, objetivos e sonhos para mais tardes os comentar e querer ver as interpretações de quem está do outro lado. Num autêntico mundo vertiginoso de altos e baixos e onde tudo pode desabar a qualquer momento, a adolescência é o que o título afirma, uma autêntica Montanha-Russa que acompanha o percurso de quatro adolescentes que são acompanhados com música ao vivo para se darem a conhecer ao público. O dia-a-dia é assim recordado através de lembranças de diários escritos e onde as vivências são assim posteriormente comentadas e refletidas em palco com o acompanhamento de canções.