Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

25
Set20

Escrever, Memórias de um Ofício | Stephen King

Bertrand Editora

Escrever

 

Título: Escrever, Memórias de um Ofício

Título original: On Writing: A Memoir of the Craft

Autor: Stephen King

Editora: Bertrand Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Julho de 2020

Páginas: 288

ISBN: 978-972-25-4001-8

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Em 1997, Stephen King começou a escrever sobre o seu ofício e a sua vida. A meio de 1999, um acidente muito noticiado quase lhe tirou a vida e, nos meses de recuperação, o nexo entre a escrita e a vida tornou-se mais crucial do que nunca para o escritor. O resultado é uma obra clara, útil e reveladora.

Escrever é, assim, um relato fascinante que, partindo da experiência específica do autor, proporcionará aos leitores uma nova perspetiva sobre a formação de um escritor, com conselhos práticos e inspiradores sobre todas as fases, desde o desenvolvimento da intriga e a criação das personagens até aos hábitos profissionais e à fuga ao trabalho. Publicada originalmente na New Yorker e vivamente aclamada, esta obra culmina com um testemunho comovente do modo como a necessidade irresistível de escrever estimulou a recuperação de Stephen King e o trouxe de volta à vida. Brilhantemente estruturado e cativante, este livro ensinará - e divertirá - todos os que o lerem.

 

Opinião: A escuridão e os corredores sinistros por onde circulam as personagens criadas por Stephen King fazem do autor um dos mestres do terror literário mundial, mas não é por ser dos melhores a criar suspense com uma boa percentagem de caminhos perigosos e surpresas estranhas que King consegue ser dos melhores criadores de literatura do momento. Muito enredo, personagens suspeitas e mundos inacabados caracterizam as suas criações, levando o leitor a questionar-se sobre o estado da mente de onde saem as várias ideias obscuras que são apresentadas através dos vários lançamentos que são feitos da sua autoria. King vende, sem dúvida, é dos mais conhecido mundialmente mas longe da perfeição literária, no entanto teve em si a ideia de lançar-se na escrita de Escrever, Memórias de um Ofício, relatando a forma como entrou no mundo das letras, o seu caminho e ensinamentos, dando várias dicas para quem gosta de elaborar novas histórias, criar enredos e sonhar em lançar a sua obra num mercado tão complexo e competitivo nos dias que correm onde todos podem arriscar mas onde também só quem tem o real poder da criação, com um toque de diferença, consegue aguentar. 

13
Set20

Citações | 37 | Página em branco

1_nVY0FAfVpBPfFxyGzjOksQ.jpeg.jpg

 

Não encare a página em branco de maneira leviana.

Stephen King, em Escrever, Memórias de um Ofício, editado pela Bertrand Editora

 

Na vida e na escrita as páginas em branco devem ser encaradas como espaços de partilha onde os sonhos e as questões podem ser colocados juntamente com o desejo de criar entretenimento ao mesmo tempo que se deixam desabafos, se criam vidas e reflexões através de revelações de sentimentos que surgem através das emoções tão complexas do coração e da mente.

A escrita deve ser encarada como um ato que surge de mãos dadas com o sossego porque é no silêncio que as palavras surgem, ponto por ponto, com descrições únicas e premissas bem pessoais que somente as páginas vazias podem aceitar como que tenham sido criadas para terem a honra de partilhar cada ideia que pode ficar eternamente escrita para que o presente se transforme no passado e nada fique esquecido por existir uma marca que pode ser transformada numa referência para quem vier de seguida. 

10
Set20

Citações | 36 | Arte na Vida

arte.jpg

 

A vida não é um suporte à arte. É exatamente o contrário. 

Stephen King, em Escrever, Memórias de um Ofício, editado pela Bertrand Editora

 

O mestre do horror literário lançou em 2000 o livro Escrever, Memórias de um Ofício onde faz uma retrospetiva sobre o seu trabalho e a sua própria vida pessoal onde a união dos dois mundos eleva o autor que se tornou conhecido após lançar com alguns desaires as suas primeiras narrativas. Stephen King nesta sua história muito própria avança com pensamentos, relatando situações caricatas e pesadas da sua vida enquanto escritor, marido, pai e um homem que vive em sociedade. O autor abre aqui cada página em branco e deixa que as palavras suscitem interesse junto do leitor pela sua vida enquanto escritor de histórias que se tornaram célebres com o tempo, mostrando que para que isso tenha acontecido muita coisa se passou na sua vida com os atos, frustrações e omissões cometidas ao longo dos anos. Stephen King nesta citação que decidi expor no blog mostra como aprendeu que a arte não serve como inspiração para a vida, sendo justamente cada ponto, cada ser, cada movimentação e convivência que torna a arte tão mais interessante, por ser totalmente inspirada na vida de todos e de cada um. Uma simples citação que diz tanto perante o que cada um pretende e quer das artes.

04
Ago20

Segunda-feira cansativa

E9C4ED47-3D0A-4B73-B097-DA77F10133B2-F00D40A9-B486

 

Existem dias em que ao acordar logo percebo que as próximas horas serão danosas, pesadas e cansativas. Ontem foi um desses dias!

Acordei e mal me sentei na cama percebi que uma ligeira dor de cabeça começava a atormentar. Tomei o pequeno almoço um pouco sem vontade, banho e lá me fui arranjando para ir trabalhar, não sem antes tomar comprimido para que a minha na cabeça passasse mais rapidamente e na verdade passou. 

O dia parece ter sido longo, até os ténis ontem me atormentaram e deixaram os pés meio incendiados, tal como as pernas que cansadas só pululavam para me sentar e esticar a descansar. Dia que não havia maneira de terminar, com quase oito horas de pé e quando o momento final chegou e entrei em casa só pensei em jantar rapidamente para me recostar na cama e aproveitar umas horas em frente ao televisor, de livro na mão e com o tablet para escrever este texto que estás agora a ler. 

28
Mar20

Por um futuro melhor

futuro.jpeg

 

Neste presente incerto em que todos agora vivemos o futuro parece até aqui meio incógnito. Podemos idealizar, tentar criar, sonhar, mas a verdade é só uma, a de que estamos numa incerteza sobre o que será da humanidade daqui em diante, sabendo desde já que teremos uma experiência antes e uma outra após Covid19.

Acredito que tudo tem um significado para acontecer e que esta pandemia global não surgiu também por acaso para que todos venhamos a entender que os conflitos e quezílias pessoais que se transformam em algo universal têm de terminar para criar um Mundo melhor em torno de todos nós. Somos humanos, aparecemos para viver, comunicar, ajudar, amar mas sempre sabemos que um dia tudo terminará e que todos iremos ter o momento final, um após um, porque até ao momento e caso algo mude na descoberta dos procedimentos para a vida eterna, todos estamos de passagem. Como tal, vamos aprender com este malfadado vírus, que não é chinês, é de todos e perante o qual também todos estamos sujeitos. Pobres e ricos, heteros ou gays, patrões e empregados, velhos e novos, pretos e brancos. Todos estamos sujeitos e expostos a esta contaminação que chegou sem se fazer anunciar, bloqueou milhões de vida, tem causado os seus desastres a vários níveis mas quando tudo estiver controlado poderá transformar-se numa grande lição humanitária perante a qual todos têm o dever de refletir para que amanhã possamos fazer parte de uma sociedade melhor.