Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

09
Nov18

Faz-te Homem | Yellow Star Company

| O Informador

faz-te homem.png

Dois amigos de longa data decidem debater a sempre polémica temática do papel do homem na nossa sociedade e as suas ramificações com tudo o que o rodeia, com tudo o que se mexe… mulheres incluídas. A melhor forma que encontraram para abordar o abominável mundo do homem foi organizar uma “Conferência de e para Machos”, denominada Faz-te Homem, onde irão expor as suas indignações, receios, traumas, medos, frustrações, no fundo, o que os apoquenta.

Os espetadores, atentos à conferência sobre Futebol, Carros, Gajas, Porrada, poderão ser chamados a intervir.

António Machado e João Didelet estrearam no Teatro Armando Cortez, em Lisboa, um novo espetáculo com o selo de qualidade que as produções da Yellow Star Company já habituaram o seu público. Baseado no livro Faz-te Homem, da autoria de Luís Coelho, esta comédia teatral adotou o mesmo nome da obra escrita e foi encenada por Paulo Sousa Costa para ser apresentada ao público. 

Numa verdadeira conferência de homens e para homens, António Machado e João Didelet são dois Zés entre os que se sentam na sua frente para ouvirem o que todos pensam sobre as diferenças entre homens e mulheres, as desigualdades, problemas e injustiças de um casamento, os filhos, o sexo, o futebol, os rabos, a roupa e tudo o que pode gerar qualquer tipo de diferenças entre os pensamentos de ambos os sexos e mesmo os comportamentos aceitáveis do universo masculino e o que começa a fugir da típica tradição máscula. 

 

01
Nov18

Maniac, a série entre histórias

| O Informador

maniac.png

A série Maniac, protagonizada por Emma Stone e Jonah Hill, foi lançada no final de Setembro e logo a comecei a ver. O que prometia ser mais um êxito Netflix pareceu-me uma produção tão confusa que as passagens entre o passado e o futuro revelaram-se uma verdadeira bagunça que só me levou a enfrentar esta série de empurrão. 

Annie e Owen são os protagonistas de Maniac, dois adultos com problemas psicológicos dispares mas que se oferecem, a troco de dinheiro, para serem cobaias perante novos medicamentos numa instituição farmacêutica, a NPB. Annie vive mal com a realidade em que vive, lutando contra o flagelo da droga desde que perdeu a irmã. Já Owen sofre de esquizofrenia e tem a família de costas voltadas. Sozinhos e a precisarem de dinheiro e ajuda para ultrapassarem os problemas, os dois encontram-se no laboratório para iniciarem, em grupo, a realização de testes onde a realidade começa a ser confundida entre o passado, o futuro e o imaginário. 

Em Maniac encontramos personagens consistentes e bem trabalhas pelos atores, no entanto deparamos-nos com uma história que tem um seguimento bem conseguido mas onde as passagens para diversos cenários temporais acabam por atrapalhar. O espetador é convidado a assistir a pequenas histórias, que chegam a ocupar episódios inteiros, no meio do que se vai desenrolando na clínica, perdendo-se um pouco o, como se costuma dizer, «fio à meada», perante a história central. A base é esta, ajudando estas recuperações e criações a resolver os problemas psicológicos de cada um através da terapia que ajuda a enfrentar medos e marcas do passado. 

10
Out18

Vamos Fugir | Djodje x Cuca Roseta

| O Informador

Djodje x Cuca Roseta.jpg

Pára tudo! Acabei de descobrir um novo tema que mistura Kizomba com Fado e se existem casos em que não gostei do que foi apresentado, este Vamos Fugir merece o meu aval positivo. 

Djodje convidou Cuca Roseta para que juntos, tal como tem acontecido com outros artistas, fundissem estilos musicais e unissem assim gostos e públicos. Esta kizomba com toques lusitanos funciona na perfeição num tema forte e com alma. Existem por aí muitas músicas, mesmo em termos de fado, que pouco nos tocam, mas este Vamos Fugir tem força, fica no ouvido e ainda conseguiu juntar duas vozes que se completam e ficam perfeitas quando cantam ao mesmo tempo.

 

07
Out18

Elite chegou e conquistou!

| O Informador

elite cartaz.jpg

Elite foi anunciada como estreia Netflix com toda a pompa e circunstância e assim que ficou disponível na plataforma mostrou que tudo o que foi feito antes do seu lançamento só aumentou as expetativas sobre uma produção de excelência. Esta série chegou, vi e fiquei totalmente convencido!

Elite encontra-se dentro do drama, suspense com bons toques de romance, entrando num estilo onde muitas séries que existem por aí já andam, no entanto esta história criada por Darío Madrona e Carlos Montero conseguiu servir os mesmos ingredientes mas trabalhados de um modo que em termos culinários poderíamos falar num requinte gourmet. E foi através da diferença do que é servido em Elite que senti, desde o primeiro de oito episódios, que tinha série para ver de forma rápida. E assim foi. 

Tocando em inúmeros temas sociais que são debatidos constantemente em ficção, esta produção conseguiu dar a volta a cada elemento essencial que é retratado e dar-lhe novo tratamento. O preconceito, as diferenças hierárquicas e entre classes sociais, as aparências, a chantagem e a submissão são temas bem relevantes nesta série que num mundo de adolescentes não deixa de abordar a sexualidade e de forma bem visível com temas como as doenças sexualmente transmissíveis, as relações abertas e a homossexualidade presentes ao mesmo tempo que tudo vai acontecendo entre pobres e ricos, condomínios de luxo e bairros sociais, que se têm de unir após um terramoto que destruiu uma escola pública. A influência e as inúmeras possibilidades que nos tempos que correm surgem com o mundo da internet e a droga são outros temas bem abordados e conjugados com todos os outros numa mistura explosiva de histórias que se cruzam e que dão assim origem a mais uma boa série espanhola feita para todos. As discussões são lançadas em Elite através de um grupo de jovens e suas famílias, mas o retrato poderia ser de um qualquer ponto do Mundo, uma vez que a diversidade e a forma atual como tudo é contado são reais. 

Histórias a serem desvendadas com o tempo, mas de início logo é possível perceber que um crime acontece e é necessário encontrar o autor do homicídio. Afinal de contas, quem é o culpado de um final que é mostrado desde o início? Quem tem máscaras a caírem perante o dinheiro, os interesses e a ascensão social? Poucos são aqueles que não têm nada a esconder e é assim que em poucos episódios conseguimos perceber a transformação de todos, uns para se libertarem dos medos com que vivem, outros para mostrarem quem realmente são pelos seus pontos negativos. 

05
Out18

Netflix estreia Elite

| O Informador

 

elite netflix.jpg

Já está disponível a nova série espanhola original Netlix. Elite ficou disponível hoje, 5 de Outubro, e só vos posso dizer que bastou o início do primeiro episódio para querer continuar a ver. 

Contando com alguns rostos conhecidos da série A Casa de Papel, Jaime Lorente (Denver), María Pedraza (Alison Parker) e Miguel Herrán (Rio), esta nova produção que agora estreou foi anunciada antes mesmo da série em que os atores participaram ser lançada na plataforma Netflix o ano passado. Elite já estava a ser preparada antes do reconhecimento de A Casa de Papel, sendo assim a segunda série espanhola totalmente original Netflix após Las Telefonistas. Itzan Escamilla, Miguel Bernardeau, Arón Piper, Danna Paola, Ester Expósito e Mina El Hammani integram também o elenco de Elite, série criada por Darío Madrona e Carlos Montero. 

02
Set18

Dumbo estreia em 2019

| O Informador

dumbo.jpeg

O novo remake do filme de animação Dumbo só chega em Março de 2019 às salas de cinema, mas as minhas expetativas sobre esta história mágica que me acompanhou durante anos são muitas.

Primeiramente porque, tal como A Bela e o Monstro, este é daqueles filmes que tinha em casa, com a cassete de vídeo perto da televisão para ver e rever até cansar, sendo uma história que encanta e transmite aos mais novos, o público alvo, boas dicas sobre amizade, persistência e proteção para com os animais. Dumbo é um dos clássicos da minha infância e agora irá voltar às salas de cinema numa nova e extraordinária aventura de imagem real e computorizada através da perspetiva do realizador Tim Burton.

Só em 2019 poderemos ver o novo Dumbo voar nas salas portuguesas, mas só pelo trailer, já dá vontade de comprar o bilhete para não perder o lugar logo pelas primeiras sessões desta aventura com o selo de qualidade Disney. 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Boa noite."Hábitos de Leitura: Portugal na cauda d...

  • marta-omeucanto

    Eu leio onde calhar, seja em casa, na rua, ou em s...

  • O Informador

    Principalmente quando minutos antes estivemos disp...

  • O Informador

    Acordar um pouco mais cedo, uns minutos apenas, e ...

  • Cláudia C Silva

    EU agora tenho andado ler ao peq almoço, tal como ...

Mensagens

Pesquisar