Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Vamos votar?

eleições autárquicas.png

Pessoas lindas de Portugal, hoje, 26 de Setembro de 2021, é dia de Eleições Autárquicas e o nosso dever é dar um saltinho às urnas para em três simples passos se eleger o poder local. Assembleia Municipal, Câmara Municipal e Assembleia de Freguesia são eleitas e não demora nada votar, não sendo por cinco minutos que se perde um dia, podendo ajudar a definir o futuro da zona, para que depois não se queixem que quem lidera não faz nada. Se não se vota e ajuda a eleger não se deve criticar os eleitos pelos outros.

Era só o que faltava... Graciano no Chega

Nuno Graciano

 

Nuno Graciano passou, como apresentador, pela SIC, TVI e mais recentemente pela CMTV, onde parece ter suspendido a carreira televisiva. Agora, depois de se tornar num empresário na venda de queijos regionais e afastado dos holofotes, o antigo apresentador será, imagine-se, o cabeça de cartaz, perdão, de lista, do Chega em Lisboa. Nuno Graciano será assim o candidato do partido liderado por André Ventura à Câmara Municipal de Lisboa nas próximas eleições autárquicas que se realizarão em Setembro ou Outubro desde ano.

Segundo o comunicado do partido, Graciano, ao ser um rosto conhecido dos portugueses por ser "um lutador e um homem de convicções, sem qualquer vestígio de politicamente correto, representando, desta forma, aquele que é o espírito do partido", tem tudo para conquistar os leitores nesta batalha política pela capital. 

Defensor da prisão perpétua e da castração química, o antigo apresentador mostra assim a sua nova vertente profissional, enveredando pela política com um partido onde outros rostos conhecidos têm causado algum alarido ao lado de André Aventura, como é o caso de Maria Vieira. 

Hoje é dia de Votar

eleição presidência da república.jpg

Hoje, 24 de Janeiro de 2021, contra todos os males que nos atormentam de momento, é dia de usarmos o nosso dever como cidadãos, fazendo a deslocação, a pé ou de transporte, necessária, já que existe liberdade para se exercer o poder de voto, e num instante bem rápido votar no candidato presidencial que melhor nos pode representar pelos próximos cinco anos como figura central do país.

O lote é extenso, a decisão geral parece estar mais que tomada e não acredito que existam grandes surpresas, e o lema é mesmo o de sair para votar em segurança e cumprindo as medidas necessárias de prevenção, como é pretendido no dia-a-dia há praticamente um ano. Usando máscara, desinfetando as mãos, mantendo as devidas distâncias de segurança e levando a caneta de casa, uma que escreva preferencialmente, tudo tenderá a correr bem.

O voto do Presidente Marcelo

Marcelo Rebelo de Sousa

 

A lei define que todos os cidadãos têm o direito de voto e que é obrigatório estar recenseado no local de residência para o fazer. Como sabemos em Portugal sempre existem exceções e nas eleições as mesmas tendem a existir, caso contrário não estaríamos neste país banhado de Covid19 em pleno fim-de-semana em que todos devemos exercer o nosso dever como cidadãos nas urnas espalhadas pelo território para se eleger o próximo Presidente da República, cujo nome já todos bem sabemos qual é.

Mas sabes qual é a graça no centro disto tudo? Todos devem estar recenseados na área de residência, menos Marcelo Rebelo de Sousa, o atual e futuro Presidente de todos nós. Como é do conhecimento público, Marcelo vive em Cascais, mas está recenseado em Celorico de Basto, Braga, sendo que no próximo Domingo, 24 de Janeiro de 2021, será neste local que o Presidente irá exercer o seu dever de votar em si próprio.

Ah e tal, não devemos circular entre concelhos, ah e tal, é obrigatório votar onde se vive, ah e tal, o Presidente é uma exceção. E com isto eu digo, ah e tal, quem deve dar o exemplo acaba por mostrar exatamente o contrário e comete as irregularidades que aconselha os cidadãos a não praticarem... 

Abaixo o Covid19, Marcelo a Presidente!

Marcelo Rebelo de Sousa

 

Marcelo Rebelo de Sousa bem avisou que não estaria virado para fazer campanha eleitoral para ser reeleito Presidente da República e agora, mesmo na reta final para todos os candidatos darem tudo antes do dia E, de eleições, eis que surgiu o Covid19 e atirou o professor para isolamento no Palácio de Belém.

Marcelo não iria gastar centenas de milhares de euros com a sua campanha para continuar como Presidente, prescindindo também dos seus minutos diários de Direito de Antena e agora, como que um sinal, testou positivo ao vírus do momento e ficará mesmo em casa, a trabalhar dentro do possível, já que se mantém assintomático.

Feitas as contas assim por alto, o nosso Marcelo ficará, se tudo correr dentro do previsto, livre para circular mesmo nas vésperas do dia E, regressando assim ao ativo aquando a sua entrada no local das urnas lá da sua longínqua aldeia, reforçando junto das portuguesas e portugueses o dever de voto em direto em todos os canais televisivos e dando o ar da sua graça no seu regresso. Até lá acredito que o atual Presidente faça um direto algures para que o povo se mantenha atualizado e fique tranquilizado sobre o seu estado viral.

A culpa da abstenção é do Google

perguntas google 2019.png

 

Todos já sabíamos, mas agora que foi revelada a lista das dez questões mais feitas no Google ao longo de 2019, a dúvida fica desfeita. A abstenção nas eleições está mesmo na falta de informação que o Sr. Google tem sobre os locais onde os portugueses podem votar. «Como saber onde votar?» foi a questão mais colocada em Portugal entre as pesquisas feitas no motor de busca. A abstenção aconteceu em grande escala - 45,5% - e está visto assim que não existiu uma resposta certa para tanta dúvida que pairou pelo nosso território há uns meses atrás sobre o momento e local de exercer o ato de eleger os governantes nacionais. 

Está mais que visto que os portugueses queriam muito votar mas que o Google não estava em condições de fornecer as coordenadas certas e no dia D desviou milhões de portugueses para centros comerciais, esplanadas e desertos, tudo para afastar as pessoas das mesas eleitorais. Está explicado assim a falta de filas para se votar.

Aconselho a que nas próximas eleições os nossos governantes e mesmo o Presidente Marcelo venham a reunir com o Sr. Google, outro sabichão, para que esteja bem informado sobre os locais onde cada um de nós tem de se dirigir para votar e eleger. Primeiro cumprir com o seu dever enquanto cidadão, depois olhar para o entretenimento dos tempos livres.

Já decidi o meu voto

legislativas.jfif

 

As Legislativas realizam-se no próximo dia 06 de Outubro e desta vez tenho andado mais atento a entrevistas, debates e comentadores para perceber mais rapidamente em que fração partidária irei colocar o meu voto. Claramente que não vos irei dizer para que lado irá a minha opção, mas perante o passado e se a minha memória não me falha, o voto desta vez será uma novidade.

Já coloquei a minha escolha em partidos de direita e esquerda, não existindo uma escolha fixa ao longo dos quase quinze anos em que tenho o poder e dever de votar. Já repeti votos no mesmo partido, já rodei e voltei atrás, não existindo uma opção exata em todos os momentos de visitar as urnas em dias decisivos para o país.

Agora o momento será para decidir os membros que constituirão a Assembleia no momento governativo e a escolha está feita com a ajuda do que tem sido visto através dos meios de comunicação social onde algumas figuras centrais das opções de escolha se têm destacado, dentro do meu ponto de vista, em relação a outros que já tiveram o meu voto anteriormente. As escolhas, promessas e o passado levam a determinar a 06 de Outubro onde irá recair a marca na folha, que deverá ser branca, recheada de partidos bem baralhados e onde os símbolos não se confundem. Se uns vão com a lição de uma vida e não ligam a promessas, ideias e ao que tem sido feitos ao longo dos tempos, exista quem, como eu, que goste de variar consoante a conjuntura do país, os creres e acreditações pessoais. 

Cartaz político vira lixo urbano

cartaz.jpg

Umas semanas já passaram após as eleições autárquicas e é mau constatar que por várias e grandes zonas do país ainda resistem cartazes políticos espalhados e a fazerem lixo urbano pendurados por todo o lado e mais algum que os senhores candidatos a autarquias, juntas de freguesia e assembleias municipais espalharam com as suas equipas eleitorais. Isto acontece sempre e em pleno século XXI já não será tempo de existir uma lei sobre as eleições para que estes painéis poluentes sejam tirados na semana imediatamente após o ato eleitoral?

Acho completamente vergonhoso o tempo que já passou após o dia d e tudo continuar espalhado por ai como se tivéssemos de continuar a ver vencedores e vencidos a toda a hora, como se tal visão fosse um desejo bem particular de cada um. São cartazes em modo xl nas paredes, são placas encostadas a esquinas, são plásticos pendurados em árvores. Já não chega o tempo ao longo da campanha em que todos temos de levar com imagens por vezes ridículas espalhadas por todos os locais e depois essas mesmas imagens conseguem ainda perdurar no tempo, perdendo cor e começando a ficar rasgadas, tudo porque os respetivos partidos só pensam no antes porque o depois «que se lixe»?!

Este é o Portugal político dos nossos tempos que pensa na conquista do poder mas que depois ao perceberem os resultados ficam nem ai para tudo o que foi feito e prometido antes. É necessária uma lei de limpeza após a campanha eleitoral com a finalidade de se retirar todo o lixo deixado para que não andemos a ver os senhores que já andam sentados nas cadeiras do poder a toda a hora pendurados por ai e com frases ao seu lado mais lidas e inspiradoras que os seus próprios rostos. 

Marcelo, o Presidente!

O que a maioria esperava tornou-se um facto! Marcelo Rebelo de Sousa é o novo Presidente da República, derrotado todos os restantes candidatos da maior lista de sempre de nomes para assumirem o cargo maior nacional. O professor, político e ex-comentador da TVI foi o eleito à primeira volta, o que as sondagens diziam há algum tempo que iria acontecer e toda a esquerda saiu derrotada, embora com várias surpresas. 

Maria de Belém começou bem entre os seus adversários esquerdistas e aos poucos foi perdendo todo o terreno para o companheiro Nóvoa. Marisa subiu em flecha de semana para semana e terminou com um valor que não era esperado, bem acima do que tudo fazia prever. O que dizer de Edgar Silva que surge após ano dedicado à igreja num lugar de esquerda e sem o reconhecimento da sociedade política? Depois surge o Vitorino, o famoso Tino de Rans, que marcou o seu lugar quando apareceu numa candidatura fora da área política de todos os seus adversários. Não o levaram a sério de início, mas o que foi certo é que o Tino provou que um calceteiro consegue marcar o seu lugar no panorama político nacional, tal como tem feito ao longo dos últimos anos. 

Ainda ontem votei...

... E já estou pronto para voltar a eleger um rosto representativo para o nosso país de novo!

Após Portugal ter eleito Pedro Passos Coelho, perdão António Costa, como Primeiro-Ministro no último trimestre, numa luta política bem intensa, eis que todos os eleitores se preparam para voltarem às urnas já pelo próximo Domingo. Desta vez será para o lugar de Presidente da República que iremos ter de escolher um dos mil e um rostos que estão na corrida pelo lugar ao sol no Palácio de Belém. 

Neste momento já tenho o meu candidato seleccionado, só restando colocar a cruz no quadrado que irá contar como mais um voto democrático nestas presidenciais sem emoção e onde as campanhas parecem cair cada vez mais no rídiculo por revelarem mais do mesmo com lavagens de roupa suja através de comentários cruzados entre os vários concorrentes ao cargo máximo do país.

Em quem votarás no próximo Domingo? Eis uma sondagem anónima do blog que será publicada no serão de Domingo para se saber se os leitores d' O Informador estão de acordo com os eleitores nacionais. Escolhe o teu candidato preferido, como se tudo se tratasse de uma selecção dentro de um reality show!