Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

leituras-verao-billboard
27
Abr20

Bactéria ocular

12.jpg

 

Nos últimos dias tenho estado bem mais ausente do blog e redes sociais, deixando tudo em modo automático com textos feitos e guardados há algum tempo por uma necessidade maior que de um momento para o outro me fez transformar a quarentena num estado de vida quase nulo.

Uma bactéria alujou-se no olho direito e trouxe consigo uma úlcera da córnea e a dupla fez com que ficasse quase sem ver. Recorri ao hospital, muito a custo porque o Covid19 pesa sempre no momento de tomar este tipo de decisões e enfrentei as urgências do centro hospital de Vila Franca de Xira. Triagem rápida, consulta em menos de meia hora e segui para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, porque o serviço de oftalmologia não funciona em Vila Franca de noite. Mal cheguei a Santa Maria e em menos de cinco minutos estava na zona de oftalmologia numa espera que durou entre cinco e dez minutos para entrar na sala de consulta. Os testes foram feitos, a úlcera identificada, amostras para análise tiradas e medicação passada. Dois dias depois voltei ao Hospital de Vila Franca de Xira para consulta de avaliação e tudo parecia estar a melhorar mas não existiam os resultados ainda para se perceber se existia algo mais. A visão foi sendo recuperada mas a úlcera sem diminuir e passaram mais dois dias para nova avaliação e já com o resultado da análise. Uma bactéria bem sensível alujou-se no olho direito e por isso a dificuldade em tratar. Medicação alterada para ir de encontro aos novos dados, cuidados a manter e visão a recuperar aos poucos. 

O uso ao longo de dezoito anos de lentes de contacto a causar cansaço da visão, o ar condicionado e a luz mal colocada em certos pontos do dia-a-dia com alguma possibilidade de embater com as penugens da mudança de estação terão contribuído para chegar a este estado que só deu mesmo sinal de rutura quando já se encontrava no limite. Felizmente que até aqui apanhei equipas em ambas as unidades hospitalares super práticas, responsáveis e com o dom de saberem o que é dedicar tempo ao utente com explicações, educação e um bom senso para explicarem a situação em cada passo e possibilidade que surge.

Apanhei um valente susto que não ficará resolvido pelas próximas semanas, sendo algo para ir tratando com tempo e lentamente pelo que me foi passado. Confesso que pensei que iria ficar sem conseguir ver do lado direito no dia em que fui para o Hospital. Não entrei em pânico mas senti o nervoso a dar cabo da energia e do pensamento sem querer partilhar o que pensava e sentia naqueles momentos de espera, em que optei por iniciar sozinho para não colocar também ninguém em risco nos corredores hospitalares e porque existem situações em que me consigo tranquilizar melhor se estiver sozinho do que se sentir necessidade de partilhar por saber que está alguém ao meu lado em espera para que desabafe.

 

 

16
Ago18

Malvada dor de dentes

dor de dentes.png

Chegou de mansinho, numa manhã nublada quando as janelas ainda se encontravam fechadas e o lençol tapava um corpo nu. Palpitou sem ter avisado no dia anterior que iria aparecer e logo que se fez sentir percebi que estava lixado. O inesperado não era uma coisa boa, sendo uma ligeira dor de dentes que poderia ter passado ao longo do dia, mas não, permaneceu numa véspera de fim-de-semana para se prolongar nos dias seguintes. Alegria de ser sexta-feira não foi, sendo esta sensação inesperada mais um peso que ficou para durar, mesmo que o pensamento inicial fizesse força para que tudo passasse rapidamente.

Uma dor de dentes ligeira permaneceu, durou e não desapareceu como era esperado. Surgiu naquela manhã para me acompanhar ao longo de praticamente quatro dias, uma vez que nada passou e no primeiro dia da semana seguinte, a segunda-feira, o dentista estava ausente do consultório. 

12
Ago18

Ai! Ai! Ai, os Músculos!

perna músculo.jpg

Há mais de um ano, para não dizer quase dois, que não faço exercício físico a sério, mas há uns dias resolvi fazer uma quase escalada no sobe e desce para ir para a praia e como se não bastasse ainda andei bem com a tralha às costas e corri um pouco ao final da tarde. No que isto resultou? Os músculos não se aguentaram e ficaram todos para lá de doridos. 

O rapaz não sabe ser meigo e no momento não dói nada, no outro dia de manhã ao acordar é que se apercebeu que tudo eram dores, das costas às pernas. Parecia mesmo um boneco articulado em certos momentos de vários dias consecutivos. Cremes atrás de cremes para aliviar a dor, massagens caseiras e ao contrário do que seria de esperar e até me aconselharam, não deixei que as dores me afetassem o dia-a-dia. Desci e subi várias vezes as escadas de casa para fazer a vida de forma normal, como se as malvadas dores nem existissem. Sei que as pessoas na rua podiam achar estranho um andar tão vagaroso e desengonçado, mas tinha que ser. Existiram mesmo momentos, numa ida ao IKEA em que me desequilibrei umas três vezes pelo choque da dor. E entrar e sair do carro? Lindo, só mesmo se tivessem filmado para vos mostrar, porém não vos quis dar tal prazer. 

29
Out16

Um passado com mágoa!

Há uns dias, derivado de uma conversa, dei por mim relembrando factos de um passado onde uma década já passou mas foi deixando marcas que ainda hoje me fazem ser frio e não conseguir exprimir totalmente sentimentos e proferir palavras que possam dar a entender a verdade do que sinto. 

Amores que marcaram era o tema e a certa altura transferi-me para a fase em que acordei para a vida e onde acreditei ter descoberto o amor. Apaixonado, dando tudo o que conseguia na altura pela pessoa, levando ao mesmo tempo com mentiras, omissões, traições e mais tarde descobertas sobre o que acontecia nas minhas costas. De início não quis perceber o que se andava a passar quando não estava por perto. Tinha uns dezoito anos talvez, a outra pessoa uns vinte e poucos. Era um jovem a descobrir o mundo fora da aldeia e da vila mais próxima. Fui continuando a acreditar que tudo podia mudar, que existia sempre possibilidade para que mais tarde uma reconciliação acontecesse e a companhia percebesse que tinha de alterar os seus comportamentos para bem da relação. Nada mudou com a segunda oportunidade. Quer dizer, tudo parecia ter mudado de início mas depois os erros voltaram a ser cometidos e quem sofreu fui só eu, que voltei a cair sozinho num poço de onde vinha a subir para conseguir respirar e seguir em frente.

Amei, errei por amor, cai, voltei a acreditar e a queda ainda foi maior! Após toda esta situação em que confiei sempre fiquei de pé atrás com as pessoas, não só no amor, mas em todas as áreas! Não consigo fazer amizades com a facilidade geral dos outros, não vejo os colegas de trabalho sem ser somente colegas de trabalho e no amor antes de ter conseguido dar novo passo passou um bom tempo, um tempo em que não deixei que existisse aproximação ao ponto de poder existir paixão e sentimentos. Não me consegui voltar a entregar de forma fácil durante algum tempo mas isso passou, no entanto sei que continuo sendo uma pessoa fria, que penso muito no ego que por aqui vai por ter sempre o receio do que possa acontecer.