Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

09
Abr17

Velhas amizades

O Informador

Os velhos amigos são os melhores.

Domingos Amaral, in Enquanto Salazar Dormia...

Tão, mas tão verdade minha gente! Os amigos são como diz o ditado, «quanto mais velhos melhor», neste caso é «quanto mais antigos melhor». Não digo que quem apareceu nos últimos anos não tenha vindo a ganhar o seu cantinho no meu coração, no entanto não existe nada como quem já cá anda há anos e anos e não arreda pé nem nos maus momentos. 

São poucos e também é dificil a lista aumentar de forma rápida, no entanto quando deixo que alguém bata à porta da amizade e continue por lá é porque existe algo especial que tem de ser formado para que daqui a uns anos esta citação de Domingos Amaral se torne também real para quem está há menos tempo comigo. 

03
Jun15

Enquanto Salazar dormia...

O Informador

No centro da guerra e dos conflitos sociais existe amizade e amor onde o apoio familiar e o amor à pátria não são esquecidos! O que foi feito Enquanto Salazar dormia... por um espião que não esquecia os assuntos do coração e as necessidades físicias é relatado anos mais tarde pelo grande Jack Gil Mascarenhas ao seu neto, o jovem Paul que não viveu no centro da intriga e dos boatos da Lisboa de 1941.

Um livro que não tem um grande argumento ficcional, no entanto é daquelas obras que envolvem o leitor que sente-se a ser levado página após página pela vida das personagens que se desenrolam e cruzam nas artimanhas das circunstâncias que lhes vão sendo colocadas. Domingos Amaral sabe como conduzir o seu leitor do início ao fim e manter o interesse na história que relata. No entanto falta ao autor aquele toque de grandisiodade que consegue fazer de uma narrativa um doce no centro de uma mesa de salgados. 

A história da História está presente em Enquanto Salazar dormia... que revela ao mesmo tempo muitos momentos ficcionados e de criação do autor que não gosta de se ficar pelo que aconteceu e pelos relatos que lhe foram chegando. O nosso passado está presente de forma suave sem colocar as personagens centrais e que marcaram uma nação em destaque. No entanto é na escrita nada aprofundada e elaborada que este livro tem o seu grande pecado. Fácil de ler e excelente para quem está a dar os primeiros passos literários ou que não lê com regularidade, Enquanto Salazar dormia... não tem um grau muito elevado a nível gramatical, sendo simples e sem grandes ousadias de escrita. 

26
Mai15

A ler... Enquanto Salazar Dormia...

O Informador

Domingos Amaral já não é uma novidade literária por aqui! Como tal e depois de em 2013 ter lido Verão Quente, Quando Lisboa Tremeu e Já Ninguém Morre de Amor, é chegada a altura de colocar as mãos a uma das primeiras obras do autor, Enquanto Salazar Dormia... 

Foi com este livro que Domingos Amaral teve o seu primeiro destaque nacional na literatura, tendo este romance recebido boa critica na altura. As memórias de um espião que circulava numa cidade cheia de luz e sombras em 1941, época em que Salazar estava nos comandos do país, estão em destaque nesta obra histórica onde vários pontos de romance não deverão faltar!

04
Abr15

Leitura para as férias

O Informador

Livros férias.JPG

Embora ainda esteja a ler O Bicho da Seda de Robert Galbraith, ou melhor, de J. K. Rowling, já começo a pensar qual ou quais os livros que levarei comigo para a semana de férias alentejanas que já está a bater à porta!

Confesso que quando comprei O Pintassilgo pensei que iria passar uns meses em trabalho pela zona algarvia, algo que acabou por não acontecer por motivos internos da empresa que decidiu ainda não arriscar no alargamento para sul. Como não fui e não devo ir pelos próximos meses para longe de casa em trabalho tenho andado a guardar esta obra de Donna Tartt para umas férias mais alargadas, o que não será o caso desta vez. Como tal talvez deixe este livro para trás por mais umas semanas!

Agora a dúvida está entre todos os outros com autores como Haruki Murakami, Daniel Silva e Domingos Amaral bem conhecidos e que dão vontade de voltar a pegar nas suas escritas a combaterem com as novidades pessoais de Pedro Chagas Freitas, Lisa Genova e Henning Mankell. Entre isto existe A misteriosa Mulher da Ópera, um romance escrito a sete mãos nacionais e que também poderá ser uma das opções literárias da próxima semana. 

Não ficou na foto mas existe ainda a hipótese de ler A Chave de Salomão de José Rodrigues dos Santos, A Mansão Thurston de Danielle Stell, Cem Anos de Solidão de Gabriel Garcia Márquez, E Depois do Amor de Ray Kluun e A Minha Vida com George de Judith Summers. 

01
Dez13

Leituras de Novembro

O Informador

Domingos Amaral, José Eduardo Agualusa e Tiago Rebelo formaram a minha tripla de autores lidos ao longo do mês de Novembro através dos livros Já Ninguém Morre de Amor, Barroco Tropical e Uma Noite em Nova Iorque, respectivamente. Três romances, dois mais simples e um mais complexo, que me preencheram várias horas de leitura ao longo de todo o mês!

Já Ninguém Morre de Amor1Já Ninguém Morre de Amor

O amor e as suas formas fatídicas para levar as pessoas até ao poço da morte... Assim poderia ser descrito o livro de Domingos Amaral. Através de quatro gerações de uma família, o autor conta diferentes histórias de amor que levaram os seus protagonistas à rampa que os deixou partir com o coração abalado ou em êxtase. O amor mata se não for correspondido, magoa quando se torna bem forte e atraiçoa os mais preparados! Domingos Amaral escreve a bom ritmo e sem grandes alaridos, fazendo com que os seus romances sejam as minhas opções nas horas para desanuviar de livros bem complexos.

Barroco TropicaBarroco Tropical

Parecendo, em certas partes, uma auto biografia, em Barroco Tropical, José Eduardo Agualusa flutua através de histórias e lendas para contar a sua aventura. Mostrando a sua sabedoria, o autor mostra neste livro a sua escrita absorvente e translúcida que deixa o leitor agarrado e com vontade de chegar ao final, na tentativa de se descobrir como tudo termina, já que a história agarra e procura-se sempre mais. Sendo um autor sem tempo, que ora avança até ao futuro, ora recorre a momentos do passado, Agualusa sabe como ninguém unir o imaginário à realidade para tornar as suas criações em palavras que ajudam qualquer um a viajar pelo seu mundo. Aconselhável!

Uma noite em nova iorqueUma Noite em Nova Iorque

Calmo, preenchido, simples e agradável são características que podem descrever este romance de Tiago Rebelo. Um livro com sentimentos fortes sem grandes complicações na escrita e palavras que conseguem conquistar qualquer leitor que goste de uma história sem grandes artifícios e malabarismos linguísticos. Em Uma Noite em Nova Iorque dois trios amorosos cruzam-se passando a batata quente entre si até que tudo acontece sem nada prever com um final que poderá ser o esperado mas onde se vai acreditando que tal não irá mesmo tornar-se no desfecho de uma história corrida e sempre com altos e baixos na vida das personagens.

07
Nov13

Já Ninguém Morre de Amor

O Informador

Já Ninguém Morre de Amor1Verão QuenteQuando Lisboa Tremeu já me tinham chamado à atenção para a boa escrita de Domingos Amaral. Agora com Já Ninguém Morre de Amor a ideia que tenho do autor volta a ser reforçada.

Embora seja um romance mais simples e que não entra em factos históricos ou que não aprofunda os casos que são contados, em Já Ninguém Morre de Amor são contadas as histórias de amor que levaram quatro gerações da família Palma Lobo à morte. Através da investigação de um amigo de Salvador, o membro mais novo do clã, o enredo é contado, demonstrando assim como os quatro homens morreram por amor. Um livro que revela o lado mais intimo das suas personagens, entrando nos pormenores sexuais de cada um e mostrando formas bem diferentes de sofrer pelo forte sentimento nutrido por mulheres que marcaram.

Amaral tem algo na sua forma de mostrar as palavras aos seus leitores que deixa qualquer um envolvido com as páginas dos seus livros e mais uma vez fiquei satisfeito com este romance que tem uma simplicidade que consegue conquistar quem não se quer envolver em grandes enredos que deixam a mente pensativa.

Sinopse: Dizem que já não há paixões impossíveis e fatais, que isso são coisas do passado… Mas só o dizem porque não conhecem a história dos Palma Lobo…
Os homens têm memória, alimentam-se de histórias, e as que mais nos marcam são aquelas que determinam a vida dos nossos antepassados.Esta é a história de uma família, os Palma Lobo. Bisavô, avô, pai e filho. Roberto, Álvaro, Jorge e Salvador. Nomes diferentes, mas o mesmo sangue e muito em comum: mulherengos, excêntricos, excessivos, todos marcados pela loucura e pela tortura da paixão. Foram todos homens invulgares, todos dominados por paixões privadas, amores e loucuras, e era nesse círculo íntimo do coração e do sexo que a sua vida se destina a viver e a terminar. Passando por Moçambique, Angola, Lisboa, Alentejo e Brasil, a sua vida é uma epopeia à espera de ser revelada.Já Ninguém Morre de Amor é a odisseia dos Plama Lobo. Um enterro fictício, um homem enforcado com cães e gatos na mesma árvore, um homem que morre a fornicar e um fogo posto para fazer arder o local do pecado… esta não é uma história de amor, é uma história sobre amor.
07
Nov13

O que ler agora?

O Informador

O que ler agoraAinda estou a ler Já Ninguém Morre de Amor, da autoria de Domingos Amaral, no entanto o meu pensamento sobre o que adoptar a seguir como meu companheiro para as horas de leitura já anda a ser pensado e é esta a lista de opções para as próximas semanas!

Quando o Cuco Chama - Robert Galbraith, pseudónimo de J. K. Rowling

Se Isto é Um Homem - Primo Levi

O Símbolo Perdido - Dan Brown

Os Pequenos Mundos do Edifício Yacoubian - Alaa El Aswany

Barroco Tropical - José Eduardo Agualusa

Em Busca do Carneiro Selvagem - Haruki Murakami

A Mansão Thurston - Danielle Steel

Sagal, Um Herói Feito em África - António Brito

A decisão irá recair entre estas oito opções... Se por um lado estou inclinado para um novo autor para mim, como é o caso de Primo Levi, por outro apetece-me mesmo muito ler o Quando o Cuco Chama e o Barroco Tropical. A ver vamos o que irei escolher no momento do adeus ao livro de Domingos Amaral e de dar as boas-vindas ao meu novo companheiro de mesa de cabeceira!

Oferta de Livro - MREC

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Comentários recentes

  • Cláudia C Silva

    Sinceramente nem estive atenta a isso, o que é que...

  • O Informador

    O alarido foi feito de início, mas depois foi visí...

  • Cláudia C Silva

    Por acaso pensei mesmo que com tanto alarido ele i...

  • O Informador

    Sim, cada um ficará com a sua ideia sobre todos es...

  • Sarin

    Como lhe disse antes, observei tal dispositivo dua...

Pesquisar

Atual Leitura
Top mais vendidos Wook