Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

wook-natal-billboard

Travão do avanço

01
Dez19

 

Pensamos de que é necessário alterar algum ponto da nossa vida, mas algo nos deixa ficar estáticos sem que o primeiro passo para mudar seja dado. Um travão, como se entrássemos no encantado reino do gelo da famosa animação da Disney. Estáticos, congelados e sem a capacidade para verter uma situação que queremos ver alterada mas perante a qual nada fazemos de contrário.

A vontade é de virar num cruzamento e seguir num caminho diferente do que está aparentemente estabelecido, no entanto depois paramos e resolvemos seguir mais uns tempos na estrada por onde já andamos sem conseguir fazer a manobra de inversão e voltar ao cruzamento para virar por outro sentido. Por vezes a sensação com que ficamos é a de que o travão surge e as vontades fluem, no entanto continuamos a arrancar sempre na mesma direção mesmo quando as coisas deixam de fazer sentido como anteriormente. 

O que nos faz ficar em espera que as coisas venham ao nosso encontro? Nada nos cai do céu e é complicado as oportunidades surgirem assim do nada, embora aconteça. Quando isso se dá e não existe a coragem de mudar, alterar o rumo porque o avançar nem sempre é sinónimo de vontade de agarrar as transformações por falta de poder e com medo que o futuro não corra tão bem, dentro dos vários prismas, como o presente, a frustração acaba por aparecer. 

A Rainha da Neve | Teatro Politeama

26
Nov19

A RAINHA DA NEVE CARTAZ.jpg

 

O novo espetáculo infantil de Filipe La Féria para a temporada  2019/2020 traz A Rainha da Neve ao palco do Teatro Politeama. Num original do produtor, inspirado no conto de Hans Christian Andersen, que também inspirou o célebre filme da Disney, Frozen, este novo musical de La Féria traz consigo ainda mais magia que os sucessos dos anos anteriores pela sala de espetáculos. Em A Rainha da Neve, o reino gelado de uma família é encenado num momento em que a temível rainha da neve surge para sacrificar a união e conforto de uma família, onde um pai faz de tudo para proteger as suas jovens filhas e princesas. 

Numa metáfora entre o calor e o frio, em A Rainha da Neve o poder da magia e o encantamento marcam presença ao lado de uma história onde vida, amor, família, amizade, magia, diferenças, sonhos e coragem ganham destaque numa partilha entre as personagens. Num confronto entre o verdadeiro amor e o egoísmo, neste território gelado a história faz com várias mensagens sejam transmitidas e fiquem a pairar pela sala do Teatro Politeama onde miúdos e graúdos aplaudem, questionam e emocionam-se perante o que cada ser deste mundo encantado e gelado tem para dar e receber, passando de forma fácil a mensagem de que juntos somos mais fortes para seguir em frente. 

Numa união entre a representação, o canto e a dança, esta nova produção de Filipe La Féria segue a qualidade que o produtor e encenador habituaram o seu público. Com cenários, guarda-roupa e musicalidade sem falhas e um elenco de atores, cantores e bailarinos com rostos já conhecidos da "casa", A Rainha da Neve segue todos os parâmetros necessários para encher a sala de espetáculos sessão após sessão e com algumas surpresas pelo meio. A história base é, com alguns ajustes, conhecida de outros campeonatos do audiovisual, a magia acontece, o elenco cumpre e os momentos musicais estão desta vez em grande destaque pelas vozes escolhidas. 

 

Rei Leão, cativa mas não conquista

30
Jul19

rei leão.jpg

 

remake de Rei Leão estreou e as salas de cinema começaram a encher para assistir à nova versão do filme da Disney que em 1994 conquistou o mundo. Se esperava ficar tão encantado como quando era miúdo? Não, mas ainda bem que assim pensei antes de ver o filme!

Posso dizer que a qualidade desta nova versão está presente, que a história continua praticamente intacta e que contínua intemporal por não terem alterado o texto. Contudo, embora esta nova versão de Rei Leão tenha cativado, não me conseguiu conquistar como a primeira, faltando aquela emoção da novidade e surpresa, dando espaço para as grandes imagens realistas da película e quebrando em certos momentos o encanto original pela falta da vivacidade que as imagens originais continham.

Sendo agradável de ver e com um ritmo alucinante e sem quebras, os detalhes presentes nesta versão são únicos e a cor com que a película é apresentada são um ponto positivo da equipa criativa que torna este filme especial por ser o novo Rei Leão que já nos tinha conquistado na década de 90 e que agora regressou para relembrar e apaixonar novos públicos que conhecem assim umas das mais bonitas histórias que a Disney já nos contou.

Aplausos merecidos para Toy Story 4

05
Jul19

toy story 4.jpg

 

Há muito que se esperava pelo quarto capítulo de Toy Story e agora que estreou posso dizer que a espera compensou pela qualidade com que esta película foi feita, fazendo inveja a muitos grandes filmes mundiais. Toy Story 4 é o melhor do universo que tem dado a conhecer a vida de Woody e do início ao fim nada falha nesta animação que une comédia à tristeza onde a verdadeira emoção é debatida através da amizade, partilha e angústia num ambiente que junta humor e drama.

Com Woody no centro da ação e com a apresentação de Garfy, o garfo que do lixo é transformado em brinquedo através de momentos bem engraçados, o elenco de Toy Story ganha nesta sequela novas personagens, como é o caso da primeiramente irritante Gabby Gabby que acaba por conquistar mesmo no final, e desenvolvimentos inesperados que cativam, preenchem e agarram até ao último minuto onde o desfecho volta a surpreender por deixar umas lágrimas nos olhos de todos nós. 

Elaborado por Andrew Stanton, os contornos deste quarto episódio de Toy Story são de uma qualidade tão incrível que da narrativa bem arrumada com uma boa história emocional, recheada de mensagens sobre a partilha, amizade, afetos e medos perante a ideia de nos sentirmos a mais e completamente dispensáveis, debatendo os sentimentos no limite com bons toques de união entre drama e humor. Em Toy Story 4 a reflexão sobre o que damos aos outros, mesmo que não sejamos correspondidos é demonstrada de forma tão especial que tudo faz sentido numa demonstração de que sempre vale a pena fazer o bem. A capacidade desta película de mostrar como todos podemos mudar e perceber quando é necessário avançar para novas fases é incrível. Com temas intemporais e universais, estes bonecos que parecem personagens de carne e osso convencem, mostram-nos em vários momentos pessoas que conhecemos e refletem realidades.

Este filme reflete a humanidade, num estado positivo e mensageiro, começando por demonstrar a incapacidade de Woody em aceitar que já não é o brinquedo preferido de Bonnie, mas ao mesmo tempo por ajudar a que a sua criança seja feliz com o seu novo Garfy e todos os brinquedos que têm estado do seu lado nos últimos tempos. Deixando o seu lugar reconquistado pelo novo membro dos brinquedos, Woody volta a viver após lutar e liderar e percebe que nem sempre é necessário estar do lado de uma criança para se ser feliz. O final deste quarto episódio é um misto bom de emoções e deixa tudo em aberto para o que poderá surgir no futuro, com personagens que parecem despedir-se e que poderão voltar mais tarde, como aconteceu desta vez com Bo Peep, a pastora que se ausentou no episódio 3 para agora voltar como co-protagonista cheia de força, vontade e confiança para ajudar a alterar o final pré-concebido mentalmente por quem está a ver este novo episódio, fazendo com que Woody olhe para a sua vida e perceba que é necessário mudar para voltar a ser feliz, num momento final comovente. 

Paris, já fui e voltei!

27
Mai19

avião.jpg

 

Estou de volta ao dia-a-dia normal!

Conheci um pouco de Paris ao longo de cinco dias, apresentei-me e desfrutei de uma cultura semelhante mas com diferenças notórias da nossa em Portugal. Foram dias de visitas, diversão e muito cansaço, tendo chegado ao fim com a ideia que muito vi e descobri mas que ficou tanto por percorrer.

Visitei o Museu do Louvre, fui até Montmartre, onde encontrei a rua dos pintores e Sacré-Coeur, passei pela Torre Eiffel, fui surpreendido por Sainte Chapelle, fiquei desiludido ao visitar o Palácio de Versalhes e já estava cansado quando entrei nos vários museus em torno do Palácio dos Inválidos. A diversão aconteceu na Disneylândia e o regresso aconteceu com a ideia de desejo cumprido, viagem positiva e desejo de voltar daqui a uns tempos para ver, com mais calma, o que ficou para trás por falta de tempo. 

Pelos próximos dias irei contar um pouco mais sobre este passeio e o que fui sentindo ao longo desta visita por França, mas por agora me fico por aqui porque é necessário descansar das férias antes mesmo de regressar ao trabalho. 

Dumbo estreia em 2019

02
Set18

dumbo.jpeg

O novo remake do filme de animação Dumbo só chega em Março de 2019 às salas de cinema, mas as minhas expetativas sobre esta história mágica que me acompanhou durante anos são muitas.

Primeiramente porque, tal como A Bela e o Monstro, este é daqueles filmes que tinha em casa, com a cassete de vídeo perto da televisão para ver e rever até cansar, sendo uma história que encanta e transmite aos mais novos, o público alvo, boas dicas sobre amizade, persistência e proteção para com os animais. Dumbo é um dos clássicos da minha infância e agora irá voltar às salas de cinema numa nova e extraordinária aventura de imagem real e computorizada através da perspetiva do realizador Tim Burton.

Só em 2019 poderemos ver o novo Dumbo voar nas salas portuguesas, mas só pelo trailer, já dá vontade de comprar o bilhete para não perder o lugar logo pelas primeiras sessões desta aventura com o selo de qualidade Disney. 

Ainda sou do Tempo | Cassete de vídeo

13
Mar18

filmes.jpg

Trinta é o número de anos que usufruem da minha pessoa! E agora posso sempre dizer que «ainda sou do tempo» das cassetes de vídeo que tantas horas me entreteram pelas tardes de fim-de-semana e nas férias escolares. 

Algumas eram compradas, poucas e em datas especiais porque nunca fui criança de ter tudo o que pedia para «não estar mal habituado» e assim é que deve ser. Mas a maioria eram alugadas por um prazo de uma semana, se a memória não me falha, no clube de vídeo da vila mais próxima da aldeia. Lembro-me como se tivesse agora a entrar naquela loja, geralmente aos Sábados à noite, com a cassete da semana anterior para entregar e escolher o filme, em semanas com períodos prolongados em casa eram os filmes, que me acompanharia pelos dias seguintes. Por vezes via o mesmo filme duas e três vezes na mesma semana para o aproveitar bem e quando eram as películas Disney então era uma maravilha. 

Existia magia em assistir a um novo filme todas as semanas e aquele momento de ir com a cassete entrega-la no balcão e saber que logo de seguida poderia escolher outra criava, enquanto criança, uma sensação mágica porque dentro da rotina sabia sempre que acontecia e eu gostava de andar em torno da estante a ver as capas, a ler os títulos e as apresentações dos filmes. As novidades que iam surgindo geralmente desapareciam rapidamente da estante e era quase um milagre, não o de Fátima, apanha-los logo pelas primeiras semanas, mas quando conseguia perceber que existiam películas que ainda não tinha visto ficava feliz, talvez arregalasse os olhos e os óculos tremessem até de alegria.