Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Eu Nunca | T2 | A Esperança

Netflix

eu nunca temporada 2.jpg

Eu Nunca... trás para as séries Netflix o universo indiano sem que as personagens estejam estereotipadas com o amigo engraçado dos protagonistas. Nesta série os indianos americanos não são estereotipados como os amigos que vivem do comércio, são sim cidadãos comuns e que fazem uma vida totalmente normal, estando esta produção centrada no dia-a-dia da jovem Devi, nascida no ceio familiar oriental mas mantendo sempre os hábitos ocidentais sem que tenha sido levada a rejeitar os mesmos. Em Eu Nunca... não existe o choque cultural, sendo esta uma série com uma boa base construtiva, onde a sua protagonista vai de encontro a tantas outras de séries de sucesso mundial. Devi é a típica jovem chata, egocêntrica, super mimada e inconsequente que tem na inteligência e na vontade de ser a melhor na escola o contraponto para certas decisões que toma. Caminhando nesta segunda temporada entre dois amores, Ben e Paxton, sem qualquer medo de ser apanhada, e optando assim por não ter de escolher até perceber que afinal as suas decisões de não conseguir escolher e mentir acabam por se transformarem em grandes problemas que surgem em catadupa, mexendo com o amor, a confiança e a amizade. Devi é daquelas jovens estimulantes e ao mesmo tempo uma autêntica dor de cabeça para família e educadores.

Sem esquecer as personagens secundárias que vão ganhando espaço nesta segunda temporada da série, Eu Nunca... tem na mãe de Devi uma boa alteração entre temporadas, dando a esta mulher de tradições um novo alento para procurar um novo rumo para a sua vida, após a morte do marido. Depois existe também a chega da avó de Devi que chega assim a casa para alterar alguns comportamentos e rabujar um pouco com a falta de noção da jovem. A prima Kamala, que mostra o rompimento com a tradição, procurando viver de forma livre e sem querer seguir o que ainda vê como uma obrigação cultural. O núcleo familiar em Eu Nunca... é como uma boa demonstração do poder e da força da mulher indiana numa sociedade ocidental, pautando-a pela rebeldia e pela necessidade de valorização pessoal. 

Eu Nunca...

Netflix

eu nunca.jpg

 

Eu Nunca... atacou o top das séries do momento assim que estreou e ao ver percebe-se de imediato o sucesso desta série centrada num grupo de adolescentes liderado por Devi, que conta com as amigas Fabiola e Eleanor sempre, ou quase sempre, por perto. 

Protagonizada por Maitreyi Ramakrishnan e com Lee Rodriguez e Ramona Young nos papéis de Fabiola e Eleanor e inspirada na vida juvenil da autora, a também atriz Mindy Kaling que protagonizou Kelly Kapoor em The Office, Eu Nunca... tem aquele toque de humor e drama da vida dos adolescentes que estão a conquistar novos patamares nas suas vidas com cada descoberta feita entre família, amizade e amor. 

Eu Nunca... reflete a vida de uma jovem indiano-americana apaixonada pelo grande conquistador da escola. Criando enredo, inventando situações, nada parecia dar certo, até que inesperadamente o rapaz olha para a jovem mas nem tudo corre da melhor maneira, uma vez que Devi não é das pessoas mais organizadas e acaba por bloquear os seus próprios momentos. Tudo isto acontece ao mesmo tempo em que percebemos a guerra escolar que a jovem mantém com outro colega pelas melhores notas e participações em aula, o que com o tempo é notório que as quezílias se alteram ao longo dos dez episódios desta primeira bem sucedida primeira temporada. Também as amigas Devi e Eleanor vivem os seus problemas familiares, debatendo sonhos e sexualidade, dando a esta série uma variedade e abertura para serem debatidos vários temas atuais e que começam a ser demonstrados em demasia nas atuais produções sobre adolescentes. 

Como é comum os dramas estão em grande destaque em Eu Nunca... que entre paixões trocadas, guerras e birras familiares, descobertas sexuais e sentimentais e as questões existenciais, as falhas e qualidades de cada um são colocadas na balança para serem superadas numa união entre cenas divertidas aliadas à tristeza dos dias mais pesados.