Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

17
Out18

Vencedor do Prémio Leya 2018

prémio leya.jpg

O vencedor do Prémio Leya 2018 foi conhecido hoje na sede do grupo editorial, em Alfragide, após decisão do grupo de jurados, que pela voz do presidente do júri, Manuel Alegre, deu a conhecer que Itamar Vieira Junior foi o eleito com o seu romance Torto Arado. 

Com o lote de jurados composto por Manuel Alegre, presidente do júri, pelo antigo reitor da Universidade Politécnica de Maputo, Lourenço do Rosário, o professor de Literatura Portuguesa da Universidade de Coimbra, José Carlos Seabra Pereira, o escritor Nuno Júdice, a escritora angolana Ana Paula Tavares, a jornalista e critica literária Isabel Lucas e o editor, jornalista e tradutor brasileiro Paulo Werneck, a decisão foi tomada entre 348 participações que surgiram de 13 países distintos, destacando-se Portugal e Brasil, mas de onde constam também a Alemanha, China, Espanha, Estados Unidos da América e França.

17
Mar15

Debaixo de Algum Céu

Uma história simples onde o narrador entra num prédio que podia albergar qualquer um serve de cenário para Debaixo de Algum Céu, o livro de Nuno Camarneiro que foi vencedor do Prémio Leya 2012.

Com palavras e diálogos simples mas sem grande enredo, este semi romance não me conquistou com nenhuma das suas áreas divididas em vários apartamentos ou pelo vão das escadas. Os normalíssimos habitantes daquele prédio vivem a última semana do ano em quase comunhão e apego entre si. Com vidas distintas mas cruzadas, cada morador tem as suas peculariedades o que resulta em bons contrastes sociais, onde comportamentos psicológicos e rotineiros traçam perfis bem peculiares. 

Nesta narrativa não vejo uma grande magia, parecendo que ao longo das suas quase duzentas páginas as coisas vão sendo contadas sem um grande encadeamento entre si, nem mesmo existindo vontade para tal existir. Com um narrador presente e personagens narrantes, Debaixo de Algum Céu é daqueles livros que parecem ser compostos por vários contos que têm uma ou outra ligação mas nada de relevante. 

Todos parecem viver no centro de uma depressão onde o mundo pode terminar a qualquer momento para alguns e estar a descambar para os outros. Serão os dilemas egocêntricos capazes de prolongar vidas perdidas e em descomunhão total?

Em suma, gostei da escrita de Camarneiro, não gostei da história, embora veja nesta obra uma boa companhia para quem quer uma coisa boa e que não tem muito em que pensar. No geral não gostei, no entanto não é mau de todo!

Debaixo de Algum Céu.jpg

25
Fev15

O que ando a ler... Debaixo de Algum Céu

Debaixo de Algum Céu.jpg

Uns meses depois de ter chegado via correio o Prémio Leya 2012, eis que chegou o momento de começar a sua leitura. Os próximos dias literários serão dedicados a Debaixo de Algum Céu, da autoria de Nuno Camarneiro, autor com o qual já tinha tomado contacto em 2013 através de No Meu Peito Não Cabem Pássaros. Vamos lá ver como irá correr este segundo encontro...

20
Out14

Jovem Prémio Leya

O Prémio Leya é talvez a distinção literária nacional com mais peso nos dias que correm, descobrindo novos autores. Este ano o prémio foi atribuído a Afonso Reis Cabral, o jovem de 24 anos, trineto de Eça de Queiroz através do livro O Meu Irmão.

O vencedor do galardão foi escolhido entre 361 obras originais, recebidas de 14 países mas sempre com a língua portuguesa como base, tendo sido seleccionado pelo júri presidido por Manuel Alegre que se juntou aos escritores Nuno Júdice, Pepetela e José Castello, ao professor José Carlos Seabra Pereira, ao reitor Lourenço do Rosário e à professora Rita Chaves.

Afonso Reis Cabral é o mais jovem vencedor do galardão, recebendo 100 mil euros e vendo o seu livro vencedor publicado pelos próximos meses.

A história do Prémio Leya começou em 2008 com a selecção de O Rastro do Jaguar, do jornalista brasileiro Murilo Carvalho, tendo o prémio sido atribuído pelos anos seguintes a João Paulo Borges Coelho (O Olho de Herzog), João Ricardo Pedro (O Teu Rosto Será o Último), Nuno Camarneiro (Debaixo de Algum Céu) e Gabriela Ruivo Trindade (Uma Outra Voz).

01
Jul13

Leituras de Junho

Adeus Junho, até para o ano!

Não sabia como começar este texto sobre as minhas leituras de Junho e escolhi a despedida do mês que acabou por terminar para o fazer. Ao longo do sexto mês do ano só me deixei levar por dois livros, As raparigas que sonhavam ursos e No Meu Peito não Cabem Pássaros. Vamos lá ver, de forma reduzida, o que achei destas duas obras!

as raparigasAs raparigas que sonhavam ursos

Margo Lanagan é a autora desta obra editada em Portugal pela Guerra & Paz e a história que foi idealizada por esta senhora não me conquistou em nada. Vivendo as principais personagens entre dois mundos criados para esta história, o que vai sendo contado parece não fazer sentido e não ter conjugação entre as várias peripécias que são narradas. Duas crianças que vivem com a sua mãe, depois de terem sido fruto de violações, percebem desde cedo que gosta de conviver com ursos, animais que têm por trás de si jovens homens que se transformam e que convivem com bruxas e personagens de contos fantásticos. Entre o risco, a imaginação e a impaciência dos leitores para com esta história inimaginável, As raparigas que sonhavam ursos não passa de um livro que me fez companhia durante uns dias mas que não me deixou saudades nenhumas! Arrumado na estante e de lá não sairá para voltar a ser lido!

Ver mais em... http://oinformador.com/as-raparigas-que-sonhavam-ursos/

No Meu Peito Não Cabem PássarosNo Meu Peito não Cabem Pássaros

Nuno Camarneiro é o vencedor do Prémio Leya 2012 com o livro Debaixo de Algum Céu, mas foi com No Meu Peito não Cabem Pássaros que comecei a perceber que este autor português terá um logo caminho de sucesso na literatura à sua espera. Com este seu primeiro romance fiquei completamente conquistado através do trio de personagens bem reais que Nuno escolheu para relatar um pouco das suas vidas. Fernando (Pessoa), Franz (Kafka) e Jorge (Luís Borges) são a tripla maravilha que não se cruza mas que viveu na mesmo época, em locais diferentes e com estilos e caminhos diferentes entre si. Camarneiro escreve como ninguém, deixando o leitor agarrado à sua história e com vontade de mais porque tudo parece ser tão pouco numa narrativa contada de forma soberba e com todas as palavras a serem escolhidas por quem sabe brincar com as letras. Um livro que não será esquecido porque o que é bom marca e o que marca fica na nossa vida!

Ver mais em... http://oinformador.com/no-meu-peito-nao-cabem-passaros/