Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

apoio-pnl-billboard
27
Jul20

Final do Big Brother a caminho...

big brother cláudio ramos.jpg

 

Na semana em que Cláudio Ramos visitou e jantou com os concorrentes do Big Brother, a penúltima gala do Big Brother começou como era esperado e por um motivo inesperado. A morte do pai de Ana Catharina marcou o final desta semana no jogo. A concorrente ficou a saber da notícia através de duas amigas que foram a uma sala privada da mansão da Ericeira, longe das câmaras e com todas as condições de segurança, e rapidamente a concorrente decidiu permanecer em jogo por estar longe da família que reside no Brasil. No Sábado as emoções foram fortes na casa e o serão de Domingo tinha mesmo de começar por este incidente que aconteceu fora do jogo mas que acabou por afetar a concorrente e os seus companheiros mais próximos. 

Com a devida homenagem, Cláudio Ramos discursou, mostrou todo o apoio do canal, produtora e público à concorrente brasileira, tendo sido mostrado como tudo foi explicado a Ana Catharina. A presença do Diogo nos momentos após a notícia ser dada, mostrando ter sido incansável com a sua companheira de jogo e com quem tem mantido uma ligação diferente e os desabafos para com o Big Brother da própria Ana sobre a sua história de vida para com o pai. O momento da curva da vida desta semana coube também a Ana Catharina, revelando os seus altos e baixos, mesmo perante a família que não aceitou a sua vontade de liberdade, partindo e acreditando nos seus objetivos e lutando pelos mesmos. A força para com a luta da igualdade das mulheres, o veganismo, a natureza, a proteção dos animais como se fossem pessoas. Todo o percurso que defendeu na casa é exatamente o reflexo da sua vida, lutando pelo coração e sem hesitar na hora de defender as suas vontades e crenças. A concorrente recebeu ainda mensagem em vídeo da mãe, que diz ser diferente de si, mas mostrando esta mensagem a quem a concorrente foi retirar a sua boa vontade para com a partilha e a vida. No final, Cláudio Ramos chamou Noélia ao confessionário para dar aquela força de quem perdeu o pai umas semanas antes de entrar na grande aventura da entrada no reality show. Um dos momentos mais fortes que este programa viveu ao longo da sua edição foi tudo o que a produção conseguiu criar em torno da Ana Catharina, sem cair no exagero e mostrando a simplicidade e a beleza que a própria concorrente sempre transmitiu com a sua estadia na casa, até num dos momentos mais pesados da sua vida.

Na sala os concorrentes escolherem os que poderiam ver os seus familiares, amigos e namorados através de um plástico onde deu para abraçar e conversar por breves instantes. Sandrina ganhou a escolha, tendo encontrado, ao final de três meses a sua mãe, chorando assim que bateu com os olhos na progenitora, recebendo assim força para a semana final do jogo. Ana Catharina também foi eleita, encontrando em noite de emoções fortes a amiga Débora com a qual praticamente não falou, abrançando e chorando, e gesticulando com a força do poder corporal a que nos tem habituado ao longo da sua estadia na casa. Iury também teve o seu momento com a mãe, mostrando mais uma crise de infantilidade com que nos tem habituado ao longo do jogo. Pedindo desculpas à mãe por algo que tenha feito dentro da casa, Iury sempre a pensar na opinião dos outros sem viver a experiência como devia. Na casa sempre pressionada por Daniel Monteiro quando este estava e após o seu regresso à casa da Ericeira, cá fora, sabendo que a família não aceitava os seus comportamentos amorosos, por isso tendo travado a sua naturalidade e vontade para ser uma concorrente real e não um boneco com a mente sempre a pensar no que poderia ser ou não aceite pelos pais. Soraia viu também a sua mãe, mostrando que mãe e filha têm a mesma forma bondosa de estarem na vida, mostrando ao público naquele momento a generosidade que as duas têm para com os outros e o amor que as une pela proteção e dedicação familiar numa luta pela igualdade e objetivos concretos de vida. No final, mesmo sem terem sido escolhidos, também Noélia, Pedro Alves e Diogo receberam as suas visitas. Pedro Alves recebeu a sua amiga de sempre, Marisa, num encontro em tons de brincadeira. Noélia voltou a ver pessoalmente o seu Felipe e no encontro vimos Noélia a ser Noélia, super preocupada com as lojas, com as viagens até à Venda do Pinheiro do marido, preocupando-se com tudo e mostrando que dentro e fora da casa esta concorrente algarvia é puramente igual. Diogo recebeu o seu amigo e colega profissional Gonçalo que lhe mostrou estar tudo bem, dando a dica para que o concorrente siga o jogo tal como o fez até aqui.

Comentários partilhados pelos espetadores nas redes sociais sobre a última semana dos concorrentes a serem mostrados para a casa e com direito a divagações dos concorrentes sobre os mesmos. Noélia e Hélder no confessionário para comentarem as picardias entre ambos na última semana, desde que o ex-concorrente regressou à casa com a missão de ser ainda pior do que já era antes de ser expulso do programa pelo público. Hélder regressou e devia tentar limpar a sua má imagem junto dos espetadores, mas tem feito exatamente o contrário do que o pretendido, enterrando-se ainda mais com metade do que deixa sair da sua boca neste seu regresso aos ecrãs. Posteriormente, Hélder trocou com Pedro Alves e com Noélia foram debatidos também os últimos dias de ambos e as suas quezílias numa convivência que se queria saudável. É sabido que não gosto do Hélder e acho o Pedro insuportável, estando a Noélia no meu top três dos favoritos, mas também percebo que seja bem complicado lidar com uma Noélia durante meses com o seu feitio controlador. 

Nos salvamentos da noite, Ana Catharina foi a primeira a ficar eleita como finalista, juntando-se assim ao seu Diogo, a Sandrina e também a Soraia. Mais tarde o público salvou a Noélia, a concorrente que mais vezes foi a votação ao longo de toda a edição e que sempre foi sobrevivendo no jogo e mesmo no final do direto Pedro Alves foi positivimanete expulso por decisão do público, passando assim Iury a fechar o lote de finalistas na edição de regresso do Big Brother à televisão portuguesa. Fez-se justiça mesmo junto do grande dia em que as portas da casa se fecham para renovação por umas semanas e o grupo base dos kamikaze deixou de existir como concorrentes ao prémio final, sobrando uma Iury e Sandrina que andaram durante bastante tempo na incerteza sobre o lado a que pertenciam.

20
Jul20

Finalistas e regressos no Big Brother

bigbrother2020.jpg

 

Ante-penúltima gala e o erro anunciado acontece a duas semanas do final no Big Brother com a entrada de dois ex-concorrentes para jogar um contra um outro por uma viagem de uma semana com tudo pago à ilha da Madeira. Necessidade disto não era nenhuma mas a produção acha que a dias do final existe necessidade de criar polémica e provocar os jogadores que ainda estão em competição pelos cinquenta mil euros do prémio final. Numa edição com regras que foram constantemente esquecidas por concorrentes e produção este ato de chamar expulsos a jogo é somente o deixar cair a ideia de que esta versão em 2020 do formato seria diferente. Foi diferente realmente, mas quebraram tanto o jogo possível que acabaram por provar que um reality show da TVI produzido pela Endemol acaba por ser sempre mais do mesmo, com erros atrás de erros, falhas, incumprimentos e desaires que só são possíveis por existir uma constante benevolência por parte de uma produção que não impõe limites aos concorrentes e os deixa esticar demasiado a corda. Neste caso todos os concorrentes que saíram por vontade do público foram colocados a votação, os quatro mais votados para voltarem fizeram teste ao Covid19 e a escolha para entrarem recaiu no Daniel Monteiro e no Hélder. 

Com estas entradas Diogo teve uma das suas excelentes saídas e tocou logo no tema do vírus, ao que o Big Brother e o Cláudio Ramos tiveram que explicar que estes concorrentes que regressaram fizeram os testes e que estão seguros. Em estúdio o público aplaudiu o comentário muito bem dado pelo Diogo, mostrando de certa forma que estas duas entradas seriam totalmente desnecessárias por respeito ao tempo que todos tiveram de ficar em quarenta por duas semanas antes do início da edição e que agora de um dia para o outro os testes foram feitos e as entradas aconteceram. Não concordo, o Diogo colocou a questão que todos nós fizemos quando foi anunciada esta decisão por parte da produção e o assunto devia ter sido estudado junto do público, já que se preocupam nesta edição do programa com tudo o que nós em casa pensamos e publicamos pelas redes sociais. A grande maioria não concorda com estas entradas, fosse de quem fosse, por serem totalmente desnecessárias, mas mais uma vez tudo é feito como produtora e canal decidem sem respeitar o previsto a favor das audiências. 

Momento Curva da Vida com a concorrente mais nova da casa, a divertida mas nem sempre verdadeira Sandrina. Discriminação, bullying, tentativa de suicídio, violência doméstica entre os pais, fome e necessidades. Sandrina aos 22 anos tem uma história de vida complicada, com bastantes altos e baixos familiares, tendo isso sido transportado para a jovem que é hoje, divertida, quem sabe para esconder os problemas que sofreu, com problemas com a sua imagem, o que acredito que seja resolvido quando sair da casa. Um momento comovente entre o confessionário e o estúdio com a concorrente a receber no final uma mensagem do jogador de futebol Quaresma, do qual é fã. 

E eis que o momento BBPlay recaiu sobre vários momentos da prova semanal onde o cumprimento da mesma e por iniciativa do Diogo com a concordância de todos a superação da prova iria reverter o seu valor para o Banco Alimentar, uma vez que têm comida suficiente na casa para os próximos dias. Com isto apostaram 100% do valor na prova mas a maioria desrespeitou as regras onde dois concorrentes tinham de estar sempre na pista de dança. Uns mais que outros foram saindo do local sem serem substituídos, mas existiu mesmo quem tramasse os colegas alterando as horas do relógio, como aconteceu com o Pedro Alves. Cláudio Ramos chamou o concorrente à atenção por poder levar a prova a não ser cumprida e a não ajudarem o Banco Alimentar, num ato solidário, ao que o concorrente respondeu de um modo em que mostrou que o seu pensamento é o de que o dinheiro compra tudo, que sabe como dar a volta quando chegar cá fora se perderem a prova, dando a ideia de que faz depois um donativo em nome próprio para a instituição pelos seus erros, ou seja, compra os seus erros com dinheiro, achando que pode fazer o que quer porque depois paga para remediar a situação. Mais mimado que isto não existe por ser de famílias ricas que até lhe ofereceram um carro para não entrar no Big Brother. A produção deu a prova como perdida, no entanto decidiu doar o dinheiro à instituição como um ato solidário. A Pipoca Mais Doce em estúdio, implacável como sempre, referiu e comentou as imagens que não passaram na noite de Domingo onde Pedro Alves decidiu colocar álcool no chão e deitar fogo para se aquecer, num mau exemplo numa época de incêndios, mostrando uma vez mais uma atitude de jovem mimado e incapacitado de raciocínio sobre o que deve e não deve ser feito, para mais num programa de televisão visto por milhões. Pedro Alves a ser incorreto ao longo de toda a semana, com sucessivos avisos por parte da produção mas com muito a passar ao lado do público que só assiste aos diários e extras do canal principal. Será esta uma tentativa de proteção para depois queimarem tudo na Gala? Não percebi esta balança da produção do querer esconder por um lado e depois mostrar quase tudo para o colocar mesmo na linha limite de saída. 

13
Jul20

Cláudio Ramos espalha chá no Big Brother

bigbrother2020.jpg

 

A duas semanas do final da edição que assinala o regresso do Big Brother à televisão portuguesa, Endemol e TVI decidiram demoninar a noite do passado Domingo com a gala das Verdades e Mentiras. 

Alexandre Monteiro, um suposto especialista de interpretação de sinais e comportamentos esteve em estúdio, e nestas coisas não sou um grande apreciador e de todo um convicto nato, sendo mesmo bastante reticente com tudo o que estes especialistas revelam de momentos como se todos reagissemos da mesma forma. Alguns concorrentes foram sendo convidados a entrarem na sala da expulsão para responderem a questões colocados por Cláudio Ramos enquanto em estúdio o dito especialista analisava cada movimento dos concorrentes que iam sendo questionados. Daniel Guerreiro foi o primeiro a entrar na suposta máquina da verdade humana e o que é certo é que este especialista não disse nada demais para além do que a maioria tem comentado. Um aproveitamento por parte do Guerreiro com o facto da Soraia estar apaixonada, um contraste grande de uma semana para a outra por perceber que a concorrente é sempre salva pelo público antes de si e neste momento em que está nomeado, com a final bem próxima, é necessário dar tudo para permanecer e chegar ao patamar a que a maioria dos concorrentes que entram num reality show querem alcançar. 

Diogo confrontado por não respeitar as regras do jogo e não embarcar nas provas e vontades da produção foi chamado para se justificar em direto pelos seus comportamentos que acabam por demonstrar uma certa oposição com as ideias do próprio Big Brother. Optou por não fazer a Curva da Vida como os colegas têm feito e com os quais até se tem acabado por emocionar. Foi convidado a olhar para o espelho e refletir sobre a sua presença no jogo, tendo também recusado. Na prova semanal criticou e optou por se isolar, criando justificações para não acompanhar os colegas nas propostas dadas pela produção. Diogo rejeita várias provas atribuídas pela produção, mostrando querer controlar o conteúdo do programa, tal como Cláudio Ramos sugeriu quando o confrontou com esta falta de aptidão do concorrente para aceitar o jogo que lhe é imposto e que tem contornado, muito a meu ver, tal como já referi através de outros concorrentes, por a produção estar muito sujeita ao que os protagonistas querem devido à falta de capacidade de poderem entrar novas pessoas na casa de um dia para o outro como acontecia com outras edições do formato, em que a liberdade de entrada era praticamente rápida. Brilhantemente o apresentador questionou, atacou o Diogo, defendendo que o concorrente não foi para a casa passar férias, existindo um jogo em que outros concorrentes podem não apreciar esta desigualdade de uns para com outros. Gosto do Diogo como concorrente e tem estado há muito como um dos meus preferidos, mas a verdade é que estes pontos de não seguir as ideias da produção de forma sucessiva também não caem bem e acho bastante aceitável a produção ter mostrado o outro lado do concorrente perante a sua forma de estar na casa.

Esta semana foi a Soraia a mostrar a sua curva da vida, muito com base na relação com o irmão que sempre protegeu. Um momento que já não é surpresa porque a história de vida da Soraia foi contada desde cedo pela concorrente dentro da casa, no entanto acabou por ser um dos pontos chave da noite, mesmo sem existir aquele impacto da surpresa. Soraia chorou no confessionário, a mãe emocionada no estúdio, o Cláudio lacrimejou e até em casa soltei umas lágrimas, mesmo já conhecendo toda a história emocional dos altos e baixos da vida da Soraia. 

A Revelação anunciada ao longo da semana foi feita e eis que os nove concorrentes que já saíram da casa vão poder voltar a jogo, não para ganharem o prémio final, mas para mexerem com a casa com as ordens do Big Brother. Que ideia absurda foi esta a duas semanas do final? E onde está o tempo de quarentena para poderem entrar no jogo assim de forma tão rápida a favor das audiências num autêntico vale tudo por parte da produção. Não concordo com este regresso de dois concorrentes que já estiveram em jogo, sejam eles quem forem. Se saíram e estão cá fora que assim se deixem ficar, não fazem falta alguma na casa da Ericeira, muito menos nesta reta final onde os sobreviventes se mantém por mérito e não precisam de companheiros de casa que já foram retirados por vontade do público, já que os desistentes e expulsos, Sónia e Pedro Soá, não podem regressar. Não consigo concordar com esta decisão e acho um enorme erro dentro das regras do jogo que são alteradas, a favor das audiências, quando assim o entendem. 

01
Jul20

Pandemia trava produção do Big Brother

big brother 2020.jpg

 

Muito se tem falado sobre a fracassada forma como a produção do Big Brother tem lidado com os concorrentes nesta edição comemorativa dos 20 anos do reality show em Portugal mas o facto é que em 2020 todos vivemos numa fase complexa, desconhecida e onde as estacas da feira não são tão fáceis de alterar como em tempos normais. 

Ao longo dos outros formatos e edições do género expulsão e desistência de um ou mais concorrentes de um qualquer reality show era alvo de travagem por parte da produção que não queria em muitos casos que os concorrentes saíssem antes de tempo do programa para não terem de recorrer a rostos suplentes ou em alguns casos alterarem as datas de término da edição. Tentavam arrastar mas não desciam a um nível tão incómodo como agora por uma simples questão, sem pandemia e quase de um dia para o outro um ou mais concorrentes podiam entrar na casa e reforçar o elenco, o que não pode acontecer de todo desta vez. 

Se os concorrentes estão contados, já com entradas iniciais a mais do que o teoricamente necessário, e se existem expulsões e desistências a mais que a conta há então que tentar barrar a todo o custo mais saídas gratuitas e inesperadas para que não se tenha de ficar com um número reduzido de personagens dentro do jogo antes do previsto, uma vez que nesta altura das nossas vidas recorrer a substituições não é de todo uma situação válida. Seria necessário dias de quarenta, passando metade de um mês que neste tipo de jogo conta muito. 

A atual produção da Endemol em parceria com a TVI muito tem aguentado para com este lote de concorrentes que ao perceber que podem provocar, desrespeitar regras e insultar esticam bastante a corda com ameaças e faltas de respeito dia sim, dia sim. Percebo que queiram manter os concorrentes dentro da casa o maior tempo possível para não terem de diminuir o tempo de duração do formato, mas existem determinados comportamentos que chegam a cair no ridículo de tão desculpados que estão a ser por estes serem os meninos que fizeram quarentena para estarem a protagonizar um reality show. Quando deram início à atual edição deviam ter pensado que iriam ter concorrentes para todos os gostos e que esta situação de birras e vontades de desistência ia acontecer com algumas figurinhas a pressionar a produção para fazerem o que querem e bem entendem dentro daquela casa. 

29
Jun20

Big Brother: desistência, birras e amor

bigbrother2020.jpg

 

Noite de Domingo, noite de Gala do Big Brother e momento para colocar os dedos a trabalhar com novo comentário semanal para ser publicado. 

O momento da noite foi sem dúvida a desistência da Sónia, após semanas a ameaçar e com comportamentos menos próprios ao longo dos últimos dias, com frases que não devem ser ditas e discussões acessas com outros concorrentes. A feirante do Porto finalmente deixou a casa, percebendo que já não fazia nada no jogo por ter perdido o que tinha no início junto do público. A Sónia saiu e em estúdio a mãe da ex concorrente deu barraca, como sempre tem acontecido, a revelar a sua falta de educação com o Cláudio, a rebaixar a Noélia e chamando nomes à concorrente algarvia. Percebe-se até ao final da participação de Sónia que o que foi mostrando nas últimas semanas é genético e de família, como tal, quem sai aos seus... Finalmente a Sónia saiu, com o seu lindo penteado de todos os Domingos, e sem qualquer ponto de interesse, só podendo dizer que esta desistência já veio tarde, mas chegou com medo da querida em ir a votos e ser expulsa por vontade do público com larga margem. 

Os salvamentos dos seis nomeados começaram logo no início da noite e decorreram ao longo de praticamente metade do programa. Ana Catharina foi a primeira a livrar-se da saída com a menor votação da semana, seguindo-se a Jéssica e a Sandrina. Já na terceira e última eliminatória a Noélia foi salva, seguindo-se o Pedro Alves, ditando assim a saída do Daniel Monteiro. Durante a semana achei que seria o Pedro a sair, mas na gala ao ver a Jéssica a ser salva bem cedo pensei que os fãs do casal estavam unidos a votarem no Daniel e assim foi, o bombeiro deixou a casa da Ericeira a um mês do final. 

No início da noite os concorrentes tiraram cartões de um caixa surpresa onde só três davam sorte ou azar aos que lhes pegassem. Só que estes prémios não eram para os respetivos concorrentes mas sim para oferecer a outro concorrente. Soraia ofereceu imunidade à Ana Catharina, Teresa presenteou o Daniel Monteiro com um voto duplo, o que com a saída deste a concorrente passou o bónus para a Iury, a que mais demora a nomear, e o Daniel Guerreiro optou por fazer nomeação direta à Noélia, justificando que a Noélia seria nomeada pelos concorrentes e que assim terão de eleger outra pessoa para colocarem a votação do público, jogando de forma certa, mas colocando a jeito para ir a votos. 

Na prova do líder, com um código de cores de bolas a ser revelado pelo Big Brother e para todos os concorrentes terem de decorar e ir a uma piscina de bolas para recolherem uma bola de cada vez e colocarem nos seus púlpitos pela ordem referida pela voz do Big Brother. O primeiro a colocar as bolas por ordem foi o Diogo que se tornou assim o novo líder da casa, ficando automaticamente imune e fora de nomeações. 

Começando a ronda de votações entre concorrentes, com Noélia já nomeada, ficaram também ao critério do público para expulsão no próximo Domingo a Jéssica, Daniel Guerreiro e Soraia. Com estes quatro nomeados aponto as flechas de saída para a Jéssica, primeiro porque quer mesmo sair da casa e depois porque do quarteto é a que está sozinha do outro lado do jogo, sendo mais fácil o público se virar somente para o lado desta concorrente que já não faz nada na casa a não ser encher e irritar o público com a sua má prestação. 

Ao longo da noite existiu espaço para todos verem as últimas semanas da Noélia, sempre a meter a voz onde não deve com as suas opiniões e vontade de mandar em tudo e todos. Eu gosto da concorrente algarvia, mas entendo que se torna cansativo viver com uma pessoa que passa os dias de forma constante a alertar e a querer que tudo seja feito à sua maneira. Jéssica e Pedro Alves a dois no confessionário como se tivessem o seu último momento e a mostrarem algum ressabiamento perante a preferência dos telespetadores para com os outros colegas de casa. Desta vez foi a Teresa que fez a sua curva da vida e a concorrente mais velha da casa revelou partes marcantes da sua história, contando que aos dez anos foi quase morta por um desconhecido quando ia a caminho da escola, num dos momentos mais fortes deste espaço dedicado a revelações do passado dos concorrentes. Teresa relatou os seus maus momentos, onde também pediu desculpas publicamente a Sofia Sousa por ter tido comportamentos e partilhas menos boas para com a mãe da neta na altura da participação do filho Tierry e da Sofia no Secret Story. Com a saída da Sónia e por acreditar piamente que o Pedro Alves iria sair por decisão dos portugueses, a Jéssica lá fez a figurinha da noite em querer desistir, mas em intervalo lá ficou convencida pela produção a ficar por mais uns dias e se quiser sair ao longo da semana da casa, mas estando nomeada espero que aguente a semana para sair normalmente e não como uma derrotada pela pressão. Fantuchada a mais porque se quer sair há três semanas já tinha saído e não andava sempre nisto como a feirante andou. Os últimos confessionários para conversa ficaram entregues a Ana Catharina, que fez do espaço temporal um bom momento, a falar com o Cláudio sobre a relação com o Diogo, a revelar os seus sonhos e o que tem vivido dentro da casa. Gostei mesmo deste momento livre e sem receios da Ana, para mais por ter falado do Diogo sem saber que na sala todos viam o seu assumir de uma certa paixão, uma «nuvem», como diz, entre os dois. Depois Diogo foi ao confessionário para nomear e percebeu-se que a felicidade que a concorrente brasileira passou é a mesma que o concorrente lisboeta. O amor entre os dois anda no ar e tem vindo a ganhar com o tempo, sem pressas e stresses como nos restantes casos.