Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

sveva-casati-billboard

Na Feira do Livro de Lisboa a falar de Danielle Steel

14
Jun19

danielle steel.jpg

 

Sábado, 15 de Junho, pelas 21h00, no espaço Autores que nos Unem, do grupo Porto Editora a obra de Danielle Steel irá estar em destaque num encontro de leitores que gostam de ter os romances da autora do seu lado. As emoções, o amor e as adversidades que dão vida aos romances da escritora e que inspiram milhões de leitores em todo o mundo irão ser falados e comentados numa hora de conversa sobre uma das minhas autoras de romance preferidas. Com isto e porque as coisas boas são para serem partilhadas, eis que vos convido a também me visitarem porque serei, a par com a Maria João Diogo, do blog A Biblioteca da João, um dos participantes como oradores desta sessão dedicada a Steel. 

Relembro que Danielle Steel é uma das autoras mais populares do mundo com vários dos seus romances a atingir os tops literários ao longo de várias semanas consecutivas. Sendo natural de Nova Iorque mas tendo vivendo em França durante alguns anos, daí algumas das suas obras se passarem entre terras americanas e francesas, Steel tem na sua escrita o dom da palavra, a liberdade e poder de conquistar de forma fácil o leitor que não se vê obrigado a seguir com a leitura de um dos seus livros em diante. Com mais de sessenta romances editados, quinhentas e sessenta milhões de cópias vendidas em mais de quarenta e sete países e em vinte e oito línguas, a autora dispensa mais apresentações. Eu, que adoro ter um romance de Steel por perto quando quero ler algo que me faça viajar e sem cansar, aconselho a todos a sua obra. 

Quem lá vem? Pessoa indesejada!

07
Mar19

pessoas indesejadas.jpg

Há uns dias, num parque de estacionamento do supermercado estava em conversa com uma amiga e de um momento para o outro ambos devemos ter pensado o mesmo quando um carro se aproximou justamente para estacionar num dos lugares bem próximos de nós.

O instinto de ambos surgiu praticamente em simultâneo quando percebemos quem era o condutor daquele veículo, um senhor bem chato, mentiroso e metido que nem um nem outro queria aturar. Conclusão, tivemos a mesma expressão, despedimos-nos e seguimos cada um a sua viagem. Tudo isto para que o Sr. Chato não nos visse para fugirmos dos cumprimentos habituais com histórias que não te deixam quase sair do lugar por ir atrás e quase te agarrar por teres de ouvir o que tem a dizer sobre a sua vida. 

Quem lá vinha ao nosso encontro não era desejado, optando assim por seguirmos antes que nos visse e nos pregasse aquela seca que só algumas pessoas conseguem dar a quem está nem aí para as suas vitórias, mentiras e incongruências. Assim «quem lá vinha» ficou lá porque quando nos podia ter visto já nós «lá íamos» bem no fundo para não sermos apanhados na teia dos prolongados cumprimentos.

Conversas de telemóvel

11
Nov18

messenger.jpg

É um facto que me acompanha e deve ser para manter ao longo dos próximos anos! Não gosto de falar ao telemóvel, preferindo bem mais que me enviem mensagens que logo que possível, geralmente até de forma rápida, respondo. 

Podem enviar mensagens das mil e uma maneiras que encontrarem, uma vez que nos tempos que correm além do padrão base existem inúmeras possibilidades distintas com tanta aplicação a surgir no mercado como cogumelos em terras férteis deste país de costa marítima e cada vez mais propício a intempéries que até nos deixam sem rede móvel.

Vá, se quiseres contactar comigo, além dos sistemas de Messenger de FacebookInstagram e Twitter, tens ainda o Whatsapp, o e-mail e aqui o blog. Podes enviar-me a mensagem que quiseres porque a resposta será feita, nas suas devidas condições assim que possível e dentro dos prazos legais consoante a agenda de uma pessoa muito, mas mesmo muito ocupada... Eu!

Encontros indesejados

09
Jul18

pessoa.jpg

Existem dias em que nem todos estamos para aturar certos cromos que nos aparecem pela frente. Estava num desses dias quando me apareceu pela frente uma antiga colega de trabalho daquelas que tanto fala para não dizer nada, que acaba por cansar só de saber que quando me vê ao longe já vem a pensar no tanto que tem para contar sobre a sua vida.

Foi uma situação deste género com que me deparei há uns dias. Tinha estacionado o carro para seguir a minha vida e eis que ainda no parque de estacionamento vejo de frente, ainda com alguma distância, a pessoa que desejava não ter encontrado naquele dia. Sei que de forma rápida o cérebro tentou que me escapasse para algum lado, mas o olhar foi fulcral e ao mesmo tempo que a vi também fui apanhado na ratoeira e tive de seguir em frente.

Naquele momento pensei que teria de ser simpático, dar um pouco, mas mesmo pouco, de conversa para não transmitir uma de mal educado e colocar a máscara de simpatia própria para o momento. Assim foi, lá segui o meu caminho, cumprimentamos-nos e fiquei uns bons vinte minutos a conversar, ou melhor, a ouvir um quase monólogo daqueles que têm direito a histórias do dia mas também a memórias do tempo de trabalho e de figuras que só ouvimos falar e nem sabemos quem são ao certo. 

Primeira visita à Feira do Livro de Lisboa

01
Jun18

autores que nos unem 2018.jpg

Domingo, 27 de Maio de 2018, visitei pela primeira vez a edição deste ano da Feira do Livro de Lisboa. A intenção não era comprar porque o pensamento sobre adquirir livros está virado para a Hora H que este ano realiza-se de Segunda a Quinta-feira entre as 21h00 e as 22h00, uma hora mais cedo que o habitual nos anos anteriores.

A visita foi feita na tarde de Domingo, o tempo estava agradável e convidativo para que se visitasse o Parque Eduardo VII e se andasse de stand em stand a bisbilhotar as ofertas de cada editora. Percorri o certame, fiz umas paragens mais longas que outras, fui espreitando os livros do dia e as promoções. Não comprei nada, como já havia referido, tudo com a intenção de voltar para fazer as compras a preços mais convidativos dentro dos gostos do que pretendo ler pelos próximos meses. 

O recinto parece-me dentro do que tem sido feito, embora não tenha percebido algumas organizações editoriais. Vi grupos de editoras com as suas chancelas separadas e sem proximidade sequer em todo o espaço. Depois também não percebi o facto de os livros do dia andarem com tão pouco desconto, quando por outros anos esse destaque acabava por ser apelativo pelo valor em que se encontravam. Desta vez poucos são os grupos com verdadeiros descontos diários que valem a pena e a distinção entre os grandes com poder de marketing e os mais pequenos e sem pertencerem aos grupos líderes de mercado é cada vez mais notória.

Cusco de conversa indesejada

03
Set17

Por vezes surgem momentos em que preferes não estar onde estás! É verdade, existem alturas em que era preferível não marcarmos presença em certos locais só para não ter de ouvir coisas que não te dizem respeito mas que são temas onde pessoas que bem conheces são o tema central.

Conversa de café, não sabendo ou não querendo saber que sou mais que um conhecido de alguém, e eis quando na mesa ao lado começas a perceber que comentam sobre a vida de uma pessoa em questão. Primeiramente ficas atento porque começas a conhecer em parte a história mas quando o nome surge tens a certeza que o teu radar está a funcionar corretamente. Ficas calado, ouves tudo, não te consegues concentrar na leitura que estás a fazer porque ficas curioso e a tua faceta de cusco logo aparece. 

Ouves tudo, começas a ficar com vontade de dizer alguma coisa, pensas em ir embora mas continuas até que a grupeta se levanta e segue a sua viagem, talvez continuando com o mesmo tema pelo caminho ou não. Só sei que preferia não ter ouvido falarem de pessoas que conheço nas suas costas, para mais quando de imediato consegui identificar o tema central e interpreto-o de outra forma. Mas cada qual tem sempre a sua visão independente e diferente da do vizinho do lado sobre um determinado tema, e na vida alheia isso não é exceção.