Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Regressos

É bom ir e voltar de férias bem, mas sabes um pequeno pormenor que me irrita no regresso? Conduzir durante horas, mesmo com paragens, de regresso a casa e sabendo que novo período de férias só daqui a uns meses. Para lá tudo vai bem, mesmo que o cansaço apareça, o caminho parece fazer-se porque a vontade de chegar ao destino surge e o tempo percorrido acaba por ser compensado por se saber que se irá usufruir de uns dias de pausa, descanso e sossego longe do dia-a-dia. Para cá, (...)

Memória seletiva

Nunca me tinha acontecido, no entanto por estes dias constatei o que os especialistas falam sobre a memória seletiva com o tempo. Em conversa familiar aqui por casa percebi que não tenho memória sobre os acontecimentos que rodearam a morte de uma vizinha que me viu crescer, como se fosse uma avó. Perdi em menos de dez anos qualquer memória daqueles dias e em conversa sobre os que amamos e que partem percebi que nem me lembro de ter sido eu a receber a notícia cá em casa para a (...)

Nem sei...

  A verdade destes tempos é que existem horas do dia tão vagas que a expressão "nem sei" parece fazer todo o sentido para descrever os diversos momentos em que me podem questionar sobre o que estive a fazer e a resposta é tão vaga que simplesmente consigo afirma "não sei", sendo de facto isto que me ocorre. O que sei é que as horas do dia em sistema de lay-off passam e quando dou por isso o dia anoitece e ao refletir sobre o que fiz ao longo do período em que estive acordado (...)

Sinto-me cansado

  Cansado, é assim que me sinto! Acordo e adormeço dentro do mesmo ritmo, abro os olhos e percebo bem cedo que o dia está a nascer lá fora, tento ficar mais um pouco na cama mas rapidamente percebo que ficar na ronha não é para mim. Tenho mais um dia pela frente onde nada acontecerá e quando dou por mim já passaram horas, já vi o sol e a chuva e estou de novo pronto para me deitar sem conseguir aproveitar mais um dia, seja ele o início ou o fim-de-semana. Sinto-me em baixo com (...)

Lá voltou o roupão

  2021 tem sido uma inconstante em termos de temperatura. Ora vem o frio, ora vem ainda mais frio e ainda existe o frio com muito gelo à mistura. Passamos desde o início do ano já pelas três fases e parece tardar em estabilizar para temperaturas um pouco mais agradáveis. Agora que o frio já parecia estar controlado sem vestígios de ventos gelados, que já me faziam sentir confortável só de pijama ao serão antes de me deitar para dormir, eis que o gelo volta a fazer-se sentir (...)

Mais que é menos

  As últimas semanas da minha vida, devido ao estado de confinamento que todos atravessamos, têm-me dado mais tempo livre e muito no sentido do "sem nada para fazer", o que não significa que tenha estado mais entretido com os meus interesses de tempos livres dentro de casa. Sim, ao contrário do pensado, mais tempo livre não significa melhor ocupação desse mesmo tempo, não conseguindo arranjar conteúdo decente para passar a maioria das horas extra que agora estão ao dispor como (...)

Baralhado com os dias

  A verdade é esta, com tanta troca de horários, do podemos sair ou ficar fechados em casa, tenho a confessar que existem dias em que me sinto totalmente trocado com as horas do dia e mesmo se estamos no início da semana ou final. Tenho dado por mim a dar o "bom dia" quando já estamos a meio da tarde ou também a "boa tarde" quando ainda nem são 10h00 da manhã. Existe também o fenómeno de mentalmente acreditar que as Quartas-feiras por vezes são Segundas ou que os Sábados são (...)

Cansaço crescente

  As últimas semanas têm sido para esquecer. Após meses de pandemia com confinamentos e regras apertadas de convivência, corpo e mente parecem começar a sentir o peso de toda a questão e a vontade de reação é cada vez menor.  Ora ando a correr porque de manhã antes de sair para o trabalho a rotina continua dentro do espaço de tempo em que tento dormir ao máximo e a hora em que tenho de sair porque o caminho não se faz num ápice. Depois ao longo do dia, não sei se será de (...)

Solitário

  O vazio que a vida por vezes me trás tem surgido pelos últimos tempos. Posso falar com meio mundo, mostrar estar feliz a quem se cruza pelo caminho, mas na realidade o sentimento que me acompanha interiormente não está de acordo com o que passa para fora.  Neste momento todos andamos um pouco mais ausentes das vidas uns dos outros, distantes e encurralados, e neste estado de maior turbulência social sinto-me como que esquecido por mim próprio de que a vida tem de continuar e (...)