Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

09
Set20

Inspirações repentinas

 

Motivos desconhecidos que nos trazem pessoas do nada para se cruzarem num curto espaço de tempo connosco e que do nada nos conseguem inspirar através de pequenas conversas rápidas e que nos mostram que sempre é possível acreditar nos nossos sonhos para se mudar, lutar e alcançar cada objetivo a que nos propomos. 

Há uns dias isso mesmo aconteceu com uma pessoa que esteve presente no meu local de trabalho durante uns dias a fazer as suas funções sem interferir com as da equipa. As conversas fluíam quando dava tempo e acabei por encontrar um ser lutador e bastante sonhador que mesmo fora da sua área acredita que com o esforço que nos explicou que sempre fez ao longo dos anos para atingir várias metas que agora, numa nova etapa de vida conseguirá voltar a conquistar todos os sonhos que tem em si. Começou cedo a trabalhar, viajou bastante e conheceu mundo antes de assentar arraiais e organizar família. Hoje com maiores responsabilidades e mudanças volta a sonhar em voltar a organizar o que já teve no passado por outras paragens e tem tudo tão bem definido que somente com as explicações que me foi fazendo acreditei no seu sucesso a médio prazo.

07
Set20

Eh pah, respeitem e não chateiem!

 

As pessoas ou são somente incompetentes e egoístas ou então comem gelados com a testa enquanto se acham as rainhas do baile dos incompreendidos e mal pagos. 

Mais de seis meses após os cuidados para com a higiene serem reforçados com a chegada do Covid19 a Portugal existe ainda muito ser ignóbil a viajar pela maionese perante este tema. O que me incomoda por não se tentarem precaver a si próprios é o facto de colocarem também os outros em risco e mesmos os seus familiares e amigos mais próximos por adorarem desrespeitar as regras.

Será que custa assim tanto aos seres inúteis que andam por ai colocarem álcool gel na entrada dos estabelecimentos? É assim tão difícil compreender que se todos seguirmos as regras o risco de contágio acaba por ser menor, quer seja com a utilização de máscaras, quer seja por tocarmos nos locais onde todos podem tocar, na presença em locais bastante movimentados por mais tempo que o necessário, etc, etc, etc...

Vamos tentar respeitar e precaver o nosso próprio bem e o dos outros e aliar a esses cuidados um ligeiro toque de educação quando vos pedirem precaução e cuidados para não responderem mal e terem de levar respostas que vão de encontro ao que proferem com mau tom primeiramente. A solução de quem se quer proteger destes seres é ouvir e nada dizer, correndo o risco ou colocar parede pela frente e dizer que sem se cuidar não poderá seguir o seu percurso tão desejado onde colocará os outros com uma maior probabilidade de perigo?

18
Ago20

Anonimato negativo

21563818_74fhF.jpeg.jpg

 

Vamos lá ver se os anónimos desta vida deixam de chatear com um chamamento mais alargado e exposto sobre um dos comentários que surgiram por estes dias e que passo a citar. 

"Se diz "gostava de voltar a viajar", é um assunto privado seu. O que faz na sua vida privada, é um assunto seu e assim não percebo porque devemos saber isto. Parece que agora devemos saber "tudo" o que não tem interesse, preocupante!", isto como comentário ao texto Gostava de voltar a viajar, que publiquei por estes dias. Respondi claro, e como podem ver, mas de facto fiquei sem perceber a razão deste anónimo sem rosto se querer manifestar com picardias deste estilo quando nem consegue dar a cara pelas suas palavras. 

Perante este comentário que me foi deixado no texto tenho a dizer e quero perceber até que ponto concordam comigo. O Informador é um blog pessoal, certo? Num espaço online que é meu e onde sempre mostrei partilhar o que quero e bem entendo tenho o direito de escrever e publicar o que bem me passa pela cabeça e acho razoável e aceitável, quando e como quero, certo? Posto isto, qual o motivo deste e de outros anónimos da vida aparecerem para criticarem quando somente podem não ler, deixar de seguir e desaparecerem das redondezas se não gostam do que lhes aparece pela frente?

Não entendo o quanto estes seres negativos tanto abundam pelas nossas páginas, nisto de blogs e redes sociais, somente para tentarem espalhar alguma da sua azia na vida com quem se sente bem com a sua. Os anos passam e os que têm problemas em assumir as suas palavras e pensamentos continuam a deambular por estes meios. 

17
Ago20

Viver um dia de cada vez

mensagens_encontro_jovens_com_cristo_f_o.jpg

 

Pensar, refletir, sentir, acreditar, tudo muito bonito desde sempre mas na prática podemos viver o presente e o futuro sem os sucessivos pontos de interrogação que se impõem perante os outros?

Podemos no atual presente agir e revelar sem pensar em que ponto isso poderá afetar o próximo numa sociedade cada vez mais sensível em que uma simples palavra mal colocada pode gerar confrontos de ideias desnecessários porque faixas da população andam sedentas para danificarem a solicitação social, arranjando protestos contra tudo e mais alguma coisa por se sentirem melindrados porque por vezes optam por entender os desabafos de outros como lhes interessa e não com a verdade com que é dita?

Nesta nossa sociedade andamos em constante movimentação de aprendizagem e desenvolvimento para conseguirmos lidar com cada pessoa que nos aparece pela frente, medindo os vários pontos da balança para saber levar a nossa ideia em diante sem quebrar o sentido pretendido e que mentes conflituosas e prontas a criar protestos se manifestem de viva voz por se sentirem afetados com tudo e mais alguma coisa que aconteça ao seu redor. 

09
Ago20

Ironia com a boa disposição

sarcasmo ironia.jpg

 

Pessoalmente não tenho esta noção de mim próprio, mas várias pessoas me dizem que a minha boa disposição no trabalho e dia-a-dia com quem estou com maior à-vontade acontece muito também com momentos de ironia e sarcasmo onde nas brincadeiras consigo provocar, dizer e sem deixar a marca da mágoa, facilitando o que tenho a dizer através da boa disposição com os momentos em que em modo de brincadeira vou arrumando os pensamentos para com os outros, ao mesmo tempo que espalho alegria e motivos para se rirem.

Serei mesmo um alegre irónico sem me dar conta? Quem o diz reflete que é no bom sentido e sinto que essa é a verdade porque acabo por divertir os outros quando estou nos meus dias positivos, mas será que por vezes não intervenho demais e não digo mais do que devo, acabando por magoar quem se ri somente para não mostrar que estou a desiludir por revelar o que penso através de piadas e brincadeiras?