Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

wook-natal-billboard

A transformação digital na Restauração

15
Ago19

transformação-digital.jpg

 

Das aplicações ao pagamento contactless: o que está a mudar na restauração

O setor da restauração tem sido um dos que tem registado uma evolução interessante nos últimos anos. Não só o número de espaços tem aumentado, como a qualidade dos mesmos tem superado as expetativas dos mais otimistas. Tudo isto tem-se traduzido numa oferta diversa e sofisticada.

A tecnologia tem correspondido ao desenvolvimento do setor facilitando imenso a vida ao consumidor e estimulando também o consumo. Por um lado, através de novas formas de pagamento, como o uso da tecnologia contactless que corresponde por seu turno ao desenvolvimento do cartão contactless e ao uso dos dispositivos móveis para efetuar transações. Por outro, no aparecimento e evolução de aplicações que permitem colocar à disposição dos utilizadores as melhores sugestões de restaurantes em cada cidade, conhecer a ementa disponível para cada dia, fazer reserva da mesa em tempo real e, claro, partilhar depois a experiência através de uma review, um must para qualquer utilizador do espaço virtual e das experiências gastronómicas.

 

Savage, o primeiro Restaurante Cashless

Um bom exemplo da transformação digital da restauração pode ser observado no restaurante Savage, em Lisboa, do famoso Chef Oliver. Neste espaço, o pagamento é 100% cashless – um conceito em forte crescimento - com um assinalável contributo da Redunicre. No Savage os pagamentos são apenas realizados através de cartões de débito ou crédito, ou pelo telemóvel, através das soluções da Redunicre com pagamento contactless. Aliás, segundo o Relatório dos Sistemas de Pagamentos do Banco de Portugal relativo a 2017, não só o recurso a instrumentos de pagamento electrónicos tem aumentado, como 1,6% dos números e 0,6% do valor transacionados corresponderam a compras efectuadas com recurso a tecnologia de leitura por aproximação do cartão contactless de pagamento – usando a tecnologia contactless disponível. Quer isto dizer que este tipo de pagamento contactless é já uma realidade e a tecnologia contactless tem vasto espaço para crescer – inclusive no setor da restauração e mesmo para lá do uso do cartão contactless.

 

As Apps de Restaurantes

Quanto ao desenvolvimento de aplicações vocacionados para o setor da restauração, a The Fork é uma das mais conhecidas. Permite ao utilizador procurar restaurantes, filtrando a procura usando diversos critérios – localização, preço, tipo de cozinha e refeição – podendo ainda ser efectuada uma reserva.

Comer bananas faz bem

06
Ago19

banana.jpg

 

Nas últimas semanas tenho comido bananas ao longo das pausas no trabalho e os colegas começaram em modo de brincadeira a gozar com a situação, por sempre comer após o pão, as bolachas ou a refeição, uma banana. Agora, e através de um texto publicado no Notícias ao Minuto, fiquei a saber que comer duas bananas por dia ao longo de um mês tem os seus benefícios em diversas frentes na saúde. 

Segundo o estudo pela qual o texto se baseia, comer bananas maduras tem os seus benefícios. Além dos nutrientes, minerais e vitaminas que ajudam a restabelecer energias, a banana ajuda a bloquear a propagação das células de um tumor. Combatendo a azia, regulando o intestino, ajudando a evitar cãibras, controlando a pressão sanguínea, o potássio da banana tem também o poder de combater as úlceras. E os estudos vão mais longe e mostram também que o consumo de banana apoia o controlo da temperatura corporal, combatendo a anemia através do ferro. Além disto e em termos depressivos, a banana alivia os sintomas e acalma o sistema nervoso contra o stress. 

Sabores da vida

10
Mai19

sabores.jpg

 

Ao longo da vida vai sendo normal criar uma certa ligação com certos sabores que por vezes chegam, permanecem e ficam somente na memória. Sabores que marcam e que ficam, mesmo que sejam procurados ao longo dos tempos e jamais encontrados. 

Lembro tão bem o sabor de um iogurte de baunilha que comia em criança e que desapareceu do mercado, sendo substituído por outras gamas da mesma marca. Ao longo dos tempos, já décadas, aquele sabor a baunilha sempre permaneceu, já comprei várias iogurtes com o mesmo aroma mas nenhum conseguiu ter aquele sabor que se tornou sempre especial e que parece inexistente nos dias que correm. Sei que baunilha é baunilha mas a composição daqueles iogurtes deveria ter um toque especial que ficou na memória do meu paladar para sempre. Ainda agora, a escrever este texto, me surge aquela ideia que tenho de agrado ao saborear aqueles iogurtes.

A par disto existem também alguns pratos que posso comer em variadíssimos locais mas que em nenhum consigo encontrar a fórmula perfeita como a minha avó os cozinhava. Aquele sabor especial, o toque de midas, e o cheiro eram diferentes e por mais que coma e tente encontrar a aproximação da receita perfeita não consigo lá chegar. Existia uma porção mágica que jamais voltarei a encontrar.

Sempre a Comer

18
Jun18

comer.jpg

Certezas, certezas não tenho, mas quase que aposto que a maioria dos leitores que estão a ler estas palavras se vão identificar com a minha partilha enquanto esfomeado nos períodos em que passo mais horas seguidas em casa. 

Se andar a trabalhar e ocupado mentalmente durante várias das horas em que me encontro acordado as refeições são feitas de duas em duas horas, visto tentar manter sempre períodos mais ou menos exatos para comer alguma coisa, do pequeno-almoço ao segundo pequeno-almoço, o almoço, o lanche, o segundo lanche, passando pelo jantar e pela dita ceia, onde petisco sempre alguma coisa antes de me deitar com a finalidade de adormecer. Isto acontece em dias teoricamente normais, no entanto se estiver em casa mais tempo que o normal é o descalabro total. 

Imaginemos uma tarde inteira sem sair. Almoço, passada talvez uma hora vou ver o que posso tirar da despensa para matar o bicho. Passado mais um pouco abro o frigorífico e tiro uma fatia de fiambre. Um pouco depois lá resolvo lanchar, fazendo umas torradas e chá ou iogurte, mas como se não bastasse, eis que regresso em menos de nada para comer umas bolachas ou mesmo uma taça de flocos.

Sério, eu acredito que não serei caso isolado, mas uma pessoa que esteja mais parada em casa tem assim tanta necessidade de andar sempre com o pensamento em trincar alimentos que nos façam bem mas também gulosices que só servem mesmo para tirar a ideia que vai surgindo enquanto estamos a ver uma série, a ler ou escrever?

Alimentos consumíveis fora de prazo

08
Jun18

alimentos.jpg

Já passaram três anos desde que publiquei a lista de alimentos consumíveis fora de prazo. Agora sou surpreendido com um novo estudo do Conselho de Defesa dos Recursos Naturais que resultou da parceria com a Universidade de Harvard, onde novos alimentos podem ser consumidos após o seu prazo de validade ter terminado.

Em 2015 a lista do que pode ser ingerido já fora da data limite, embora sempre com alguma atenção, continha chocolates, iogurtes, batatas fritas, ketchup, pão, arroz, ovos, frutas e vegetais. Agora, em 2018, vamos mais longe e ficamos a saber novos produtos que passo a citar e a opinar sobre se consumia ou não estes elementos de acrescento. 

O Azeite, geralmente com data de consumo para um ano após a sua produção, pode ser consumido após o prazo, isto dependendo do local onde é guardado para melhor ser conservado. Olhando para uma garrafa de azeite não lhe vejo mal algum se tiver de servir de tempero a uma salada mesmo que o seu prazo tenha terminado. 

As deliciosas Bolachas também têm datas limites, no entanto, os especialistas revelam que se as embalagens não forem abertas, o prazo poderá ser prolongado, uma vez que não existe assim possibilidade de ficarem moles e de ganharem cheiro. Quantas vezes já não terei comido bolachas já mais moles que o habitual e de certo fora de prazo? Comi e estou cá!

Migalhas para todos

18
Mar18

migalhas.jpg

Os comportamentos humanos em certas ocasiões conseguem ser tão dispares que nem um pequeno rasgo de bom senso atinge certas mentes. Se almoças no local de trabalho, num espaço onde todos comem, não acharás por bem limpar o teu lugar após fazeres a refeição? Acho que esta ideia é partilhada pela maioria, mas infelizmente não é praticada por todos. 

Embora exista uma pessoa responsável pela limpeza do espaço, não vejo com bons olhos as pessoas que após fazerem a sua refeição, acabam por se levantar, arrumam tudo no seu saco de transporte para a comida e seguem a sua vida, deixando migalhas e vestígios impróprios de que aquele lugar esteve a ser utilizado por alguém que só pensa em si e que não se importaria nada de voltar ao mesmo local no dia seguinte ou mesmo umas horas depois e conviver com o que deixou em espera para que alguém limpe. Acaba por ser inadmissível alguém chegar, procurar um lugar para se sentar e perceber que um dos espaços disponíveis está ocupado com os restos deixados por quem por lá passou anteriormente, deixando o que foi caindo do prato para que umas horas depois o serviço de limpeza fizesse o seu trabalho. É certo que a mesa vai ser limpa mais tarde, mas é mais tarde, não custando nada pegar num papel e deixar a mesa limpa.

Mesa de Natal

11
Dez17

No Natal existem produtos que não faltam nas mesas portuguesas! Do tradicional bacalhau com batatas e coves cozidas, ao peru no forno para refeição central, surgem logo depois os doces, onde o bolo rei ainda é o senhor da mesa da consoada, mas por quanto tempo?

Os doces são cada vez mais a grande tentação da época, dos antigos sonhos às novas receitas de bolo rei onde o chocolate brilha, o doce de maça toma lugar e o recheio com doce de ovos é a verdadeira tentação. Neste momento existem tantas receitas de bolo rei como a imaginação de cada um permite, sendo a tradição da fava e do brinde uma antiguidade já não praticada por motivos de precaução e aos poucos também o fofo bolo com frutas secas e recheadas de açúcar tem vindo a perder o seu estatuto. Agora a mesa de Natal tem doces para todos os gostos e nem o bacalhau já se apresenta cozinho, sendo apresentado em muitos casos através das mais diversas receitas onde o marismo ganha também cada vez mais destaque para se tornar o anfitrião da ceia.