Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

wook-natal-billboard

Era uma vez um Clube de LeYtura

29
Nov19

clube de leitura 6 meses.jpg

 

O grupo Leya criou o Clube de LeYtura onde a subscrição de livros infantis e juvenis é possível para oferecer a todas as crianças e jovens nova literatura de forma mensal para que ganhem hábitos e se tornem bons e regulares leitores. Grandes obras nacionais e internacionais têm sido enviadas para quem já aderiu a esta iniciativa com a finalidade de reforçar os hábitos literários dos mais novos e a intenção é continuar a fazer com que toda esta iniciativa cresça.

No Clube de LeYtura, que já conta com mais de mil subscritores, todos os meses são enviadas duas novas obras lançadas pelo grupo Leya e/outras editoras, destinadas à sua faixa etária (0 aos 13 anos), sendo que as caixas dos envios não contam somente com os livros, mas sim com várias surpresas ligadas aos livros, aos temas e também às épocas do ano, fazendo com que a experiência se torne ainda mais tentadora para os mais novos que aguardam receber os seus novos livros e também as ofertas que se lhes juntam. Neste momento existem dois modelos de subscrição, uma de meio ano, por 54€, onde em seis meses são enviados doze livros, e a versão alargada onde por 108€ são enviados vinte e quatro livros ao longo de todo o ano. Toda esta iniciativa conta com entregas totalmente gratuitas e com descontos bem promissores, já que ao ser subscritor o preço de mercado dos livros reduz cerca de 40%.

Todos os meses as obras são enviadas, com pré conhecimento dos subscritores que podem trocar uma das obras seleccionados por editores, escritores, ilustradores, professores e outros especialistas, que formam o coletivo de curadores do Clube de LeYtura onde os livros do grupo editorial LeYa e de outras editoras ganham destaque e chegam de forma diferente e diversificada a casa de todos para que hábitos de leitura se tornem em momentos familiares. 

Literatura em pausa

23
Jun19

book read.jpg

 

Eu, Ricardo Trindade, conhecido na blogosfera como O Informador, venho publicamente assumir que sensivelmente entre o início da segunda quinzena de Maio e o final da quinzena inicial de Junho me portei um pouco mal como leitor assíduo. 

Reconheço aqui que férias além fronteiras - Paris -, trabalho, séries, afazeres diários e a preparação para o Clube de Leitura na Feira do Livro de Lisboa no espaço do grupo Porto Editora sobre a obra de Danielle Steel, deixei um pouco de lado os meus novos amigos literários de lado. Agora que tudo parece estar mais calmo prometo retomar o fio condutor como um bem comportado leitor que muito respeita os momentos dedicados às histórias de ficção e não ficção que são escritas por todo o mundo.

Eu, O Informador, reconhecido somente por quem aqui passa, prometo que a partir de hoje a história irá continuar a ser contada como estava a acontecer até meio de Maio. O objetivo está lançado, como tal vou começar desde já a cumprir com a palavra dada. 

Clube de Leitura | A Obra de Danielle Steel

19
Jun19

a obra de danielle steel.jpg

 

No passado dia 15 de Junho estreei-me na Feira do Livro de Lisboa como orador num encontro entre leitores de Danielle Steel que pelas 21h00 se juntaram no espaço do grupo Porto Editora para se falar, questionar e comentar a obra da reconhecida autora. Com a editora de Ficção da Bertrand Editora como moderadora e como colega a Maria João Diogo, do blog A Biblioteca da João, lá me a perder os meus receios e vergonhas de falar em público sobre um tema de que gosto, a literatura.

Começando perante o mote do último livro publicado em Portugal de Danielle Steel, À Primeira Vista, a conversa começou e rapidamente os nervos ficaram para trás das costas. Os microfones foram ligados, a câmara ficou a filmar e estava dado o arranque de uma hora de conversa onde a partilha foi e é sempre fundamental. O livro foi comentado, a obra em geral falada e os temas em destaque tocados perante as diferentes perspetivas que cada um de nós tem sobre a leitura dos romances de Steel. 

Recebi o convite, sabia que o tinha de aceitar, segui com receio e no momento só percebi que não existiram motivos para ter hesitado porque acredito que tenha corrido bem, perdi a vergonha e agora estou pronto para mais. Gostei mesmo desta primeira experiência pública a falar de livros que já quero repetir. 

Curiosidades de uma imagem

17
Jul13

A Vida no CéuExistem imagens e imagens, não é verdade? Esta, que foi tirada e depois preparada por mim sobre o livro A Vida no Céu de José Eduardo Agualusa fez-me perceber que existem coisas que não acontecem por acaso e que se unem por si só.

Passo a explicar, e aqui não falo da história do livro, mas sim só do que pode ser visto na capa e através do seu título. As palavras Vida e Céu aparecem nesta capa e assim do nada decidi colocar o livro encostado a este boneco de louça que me foi oferecido pelos meus avós maternos e que tenho no quarto. Eles já não estão entre nós com Vida, estando ambos juntos no Céu a olhar por quem mais amaram ao longo das suas passagens por aqui. Encostei este livro a uma peça que me foi oferecida por quem sei que me amou por ser seu neto. Não o fiz de todo com intenção e só percebi este acaso quando estava a trabalhar esta imagem e a passá-la para o computador.

Depois e já mais tarde ao olhar para a capa do livro lembrei-me... Há dias lancei os meus primeiros balões de São João e qual a imagem que aparece por aqui? Um rapaz a olhar para o céu para balões de ar, não são os dos Santos Populares, mas são balões que andam por aí!

Não, ainda não contei tudo! Este livro foi escolhido para ser lido ao longo deste mês porque decidi integrar um Clube de Leitura e sabem quantos somos neste primeiro encontro? Três pessoas! Quantos balões aparecem na imagem? Isso mesmo!

Tanta coincidência numa só imagem que até parece que não existem mesmo coincidências!

Clube de Leitura começa com A Vida no Céu

05
Jul13

A Vida no CéuA Vida no Céu, da autoria de José Eduardo Agualusa será o livro que me fará entrar pela primeira vez num Clube de Leitura. Até agora a vontade de experimentar Agualusa não tinha passado disso mesmo, mas a sugestão para a leitura deste primeiro mês do clube recaiu sobre o seu mais recente romance e será por aqui que irei entrar num mundo que é centrado na vida pelos ares.

Com edição da Quetzal e pelo que já li sobre esta obra, o fim do mundo acontece e com isso os sobreviventes começam a viver em balões, só que mesmo aí existirão sempre as diferenças culturais e de poder. O desaparecimento de um pai da vida do filho dará o mote para se contar uma história que decerto me irá conquistar, isto a julgar pelo que tenho ouvido e lido sobre este autor.

Sinopse
A Vida no Céu é um romance distópico, num futuro que se segue ao Grande Desastre, e em que o Mundo deixou de ser onde e como o conhecemos. Encontrando-se o globo terrestre inteiramente coberto por água, e a temperatura, à superfície, intolerável, restou ao Homem subir aos céus. Mas essa ascensão é literal (não é alusiva ou simbólica): a Humanidade, reduzida agora a um par de milhões de pessoas, habita aldeias suspensas e cidades flutuantes - dirigíveis gigantescos denominados Tóquio, Xangai ou São Paulo -, e os mais pobres navegam o ar em pequenas balsas rudimentares. Carlos Benjamim Moco é o narrador da história. Tem 16 anos e nasceu numa aldeia, Luanda, que junta mais de cem balsas. O desaparecimento do pai fará com que Benjamim decida partir à sua procura.