Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

21
Set18

Festa do Cinema com bilhetes a 2,50€

| O Informador

festa do cinema.png

Começou em 2015 e regressou em 20162017 para continuar e bater o sucesso dos anos anteriores. Agora em 2018 e uns meses mais tarde do que o habitual, a Festa do Cinema está de volta às salas nacionais. Ver cinema a 22, 23 e 24 de Outubro vai custar apenas 2,50€.

Em 2017 os dias de Festa do Cinema levaram até às salas de todo o país mais de 217 mil espetadores. Agora e numa transferência de Maio para Outubro, espera-se que o número seja novamente ultrapassado, contando para isso também com a ajuda dos filmes Johnny English Volta a Atacar, Venom, Assim Nasce Uma Estrela, O Primeiro Homem na Lua, Beautiful Boy e Pedro e Inês que estarão por esses dias em destaque. 

Mais uma vez a Festa do Cinema estará presente em todas as salas de cinema e sessões, existindo a exceção de que os filmes exibidos nos formatos IMAX e 4DX serão taxados ao seu preço normal e não terão assim qualquer desconto.

12
Set18

Pronta para a Luta | Estreia a 13 de Setembro

| O Informador

pronta para a luta.jpg

Angela (Michèle Laroque) pensa que tem uma vida ideal. Vive em Nice, num belo apartamento, com um marido atraente e uma charmosa filha adolescente.

Contudo, na noite de Natal, a filha deixa-a para ir ter com o namorado, o marido anuncia que quer a separação e a sua melhor amiga toma soporíferos ao invés de passar a noite com Angela.

Face a tudo isto, Angela não tem outra escolha senão reinventar-se. Isso não é fácil, tendo em conta que tem de lidar com uma mãe tirana, uma melhor amiga histérica e um psiquiatra com métodos muito experimentais.

Uma comédia romântica francesa tem tudo para dar certo e foi isso que pensei com Pronta para a Luta, onde em plena véspera de mais um Natal a filha de Angela, Lea, lhe comunica que não irá passar a noite da consoada em casa e o marido termina o casamento de anos. Abandonada na noite mais familiar do ano, Angela vê-se sozinha quando percebe que nunca passou a noite comemorativa do nascimento de Jesus com a sua própria mãe, restando-lhe a melhor amiga, Charline, que também está nem aí para a época. 

Um jantar a ser preparado para a família e de um momento para o outro a solidão abatesse numa mulher que vive para os outros e deixou muito por fazer ao longo da vida. Uma noite de Natal diferente de tantas outras e um futuro instável adivinham-se. 

02
Set18

Dumbo estreia em 2019

| O Informador

dumbo.jpeg

O novo remake do filme de animação Dumbo só chega em Março de 2019 às salas de cinema, mas as minhas expetativas sobre esta história mágica que me acompanhou durante anos são muitas.

Primeiramente porque, tal como A Bela e o Monstro, este é daqueles filmes que tinha em casa, com a cassete de vídeo perto da televisão para ver e rever até cansar, sendo uma história que encanta e transmite aos mais novos, o público alvo, boas dicas sobre amizade, persistência e proteção para com os animais. Dumbo é um dos clássicos da minha infância e agora irá voltar às salas de cinema numa nova e extraordinária aventura de imagem real e computorizada através da perspetiva do realizador Tim Burton.

Só em 2019 poderemos ver o novo Dumbo voar nas salas portuguesas, mas só pelo trailer, já dá vontade de comprar o bilhete para não perder o lugar logo pelas primeiras sessões desta aventura com o selo de qualidade Disney. 

29
Ago18

Zoe | Estreia a 20 de Setembro

| O Informador

Zoe Poster Web.jpg

Zoe (Léa Seydoux) e Cole (Ewan McGregor) são colegas e amantes secretos nos Relationist Labs, um avançado laboratório de investigação focado no design de poderosas tecnologias capazes de melhorar e aperfeiçoar as relações românticas humanas.

Contudo, a sua relação é ameaçada quando Zoe descobre uma dura verdade sobre o seu relacionamento, levando-a a uma conturbada espiral de confusão, traição e à mais intensa das emoções humanas: o amor.

Zoe é um assombroso conto de amor proibido trazido pelo aclamado realizador Drake Doremus e produzido por Ridley Scott, a força por detrás de lendários épicos de ficção-científica de Hollywood como Perdido em Marte, Prometheus, Alien e Blade Runner.

Zoe integra a equipa do departamento de um laboratório de investigação que analisa e ajuda as relações amorosas a melhorarem o seu dia-a-dia, criando compatibilidade e revelando dados sobre as vontades de cada um para se perceber se existe futuro na relação ou se nada existirá após a aproximação inicial. Ao mesmo tempo que conhecemos Zoe percebemos que esta jovem mulher se encontra envolvida com Cole, o responsável de departamento de uma das áreas da empresa, a da criação de vida sintética, onde através de robots criam novas vidas, iguais e com sentimentos bem semelhantes aos humanos, conseguindo interagir e gerando memórias sobre as relações e é este o mote do filme Zoe. 

Será que através do serviço de compatibilidade Zoe consegue ter boas notícias acerca da sua relação com Cole ou um conhecimento inesperado muda a situação que mantém os dois felizes? Entre comportamentos, compatibilidades nem sempre bem sucedidas e reações entre humanos e sintéticos, Zoe percebe que as relações entre robots e humanos não conseguem correr tão bem como acontece de humano para humano. A par desta situação existem uns comprimidos do próprio laboratório que se podem apelidar por uma autêntica droga do amor que aproxima os dois seres para que ao longo de um certo período se sintam verdadeiramente apaixonados, mas mais uma vez Zoe encontra-se de fora desta possibilidade por um motivo bem particular. A razão é desconhecida para esta mulher que continua a lutar pela felicidade mesmo quando sabe toda a verdade sobre si e após se perder e começar a desistir das suas próprias crenças. A meio da película recolhi uma frase que descreve grande parte da história do filme, «humanos de um lado, máquinas no outro», mas como a esperança é sempre levada até ao limite o final acaba por surpreender. 

26
Jul18

Mamma Mia! Here We Go Again

| O Informador

Mamma Mia! Here We Go Again.jpgDez anos depois de “Mamma Mia!”, um sucesso mundial, somos convidados a regressar à mágica ilha grega de Kalokairi, para um novo musical baseado nas músicas dos ABBA. Com o regresso do elenco original e novos elementos, como Lily James (“Cinderela” e “Baby Driver – Alta Velocidade”), Andy Garcia e Cher (vencedora de um Óscar® de Melhor Atriz). De regresso aos seus papéis de “Mamma Mia!” estão Meryl Streep (vencedora de três Óscares®) como Donna, Julie Walters como Rosie, e Christine Baranski como Tanya. Amanda Seyfried e Dominic Cooper voltam aos papéis de Sophie e Sky, enquanto Pierce Brosnan, Stellan Skarsgård e Colin Firth (vencedor de um Óscar®) regressam como as três possibilidades de pais de Sophie: Sam, Bill e Harry. À medida que o filme avança e recua no tempo para mostrar como os relacionamentos do passado têm influência no presente, Lily James interpreta o papel da jovem Donna. Nos papéis das jovens Rosie e Tanya surgem Alexa Davies (“X+Y”) e Jessica Keenan Wynn (“Beautiful”, peça da Broadway). O jovem Sam vai ser interpretado por Jeremy Irvine (“Cavalo de Guerra”), Josh Dylan (“Aliados”) será o jovem Bill e Hugh Skinner (“Kill Your Friends”) o jovem Harry.

Uma década após o sucesso de Mamma Mia!, eis que a sequela do musical estreou, Mamma Mia! Here We Go Again, e logo a critica reagiu de forma negativa sobre esta nova película. Já vi e não achei assim tão mau como têm deixado passar pelas crónicas cinematográficas espalhadas pela imprensa e blogs. 

Certo que este novo Mamma Mia! não tem o mesmo poder do primeiro, notando-se um desinvestimento em termos de produção, no entanto a história que parecia ter terminado teve uma boa recuperação para tudo recomeçar e ser contando. Unindo lembranças até chegar ao momento presente, este novo lançamento segue a linha do anterior, passando-se a maioria das cenas na ilha grega de Kalokairi. Com os temas mais conhecidos dos ABBA, o elenco original regressou, onde se juntaram novos atores, para que a história pudesse ter continuidade e terminar com o mote para que tudo possa acontecer deste final em diante. 

Produzido por Judy Craymer e Gary Goetzman, que já tinha sido um dos responsáveis pelo sucesso inicial, o novo Mamma Mia! Here We Go Again continua com os elementos musicais, encontrando uma maior aproximação à comédia em determinados momentos, embora a envolvência com cenas mais românticas e de cariz familiar continue a existir ajudando a embalar os espetadores mais românticos. 

26
Mai18

Como Falar com Raparigas em Festas, da literatura ao cinema

| O Informador

como falar com raparigas em festas cartaz.jpg

E se vos disser que já vi a adaptação da banda desenhada de Neil Gaiman, Como Falar com Raparigas em Festas? Acabou de estrear nas salas de todo o país e já vi este filme que seguindo as mesmas bases do conto transformado para banda desenhada, consegue alterar muito do que é transmitido na obra literária. 

Comecemos logo por falar dos dois rapazes, amigos, no livro, onde no filme lhes é acrescentado um terceiro elemento, numa personagem mais cómica e livre. A segunda diferença logo encontrada surge com a entrada na casa onde a festa das raparigas está a acontecer. É que se no livro só raparigas por lá estão numa fase inicial, no cinema, além das cores de grupo que destacam cada elemento, rapazes e raparigas divertem-se consoante a colmeia onde se encontram inseridos. 

Este é um filme para os fãs do autor e da banda desenhada no geral, não sendo uma criação para as grandes massas, embora conte com Nicole Kidman no elenco, onde dá vida a uma matriarca num grupo punk da vila onde tudo acontece. 

Um filme que vi antes de ler o livro de onde foi adaptado e cuja história em banda desenhada veio ajudar a perceber partes do enredo, sendo assim um bom complemento perante a adaptação para a grande tela. Se podia estar mais dentro do que é transmitido em forma de banda desenhada, acho que sim e que seria algo mais verídico e não tão puxado para a ficção cientifica como a película transmite, mas compreendo a necessidade de criar e dar cor e ênfase com a criação de elementos que acabam por ter algum destaque numa história elaborada e com vários apontamentos fortes sobre temas bem na moda da sociedade atual e muito essencialmente entre jovens. 

Um debate simples, com temas puxados, num filme complexo e por vezes irreal onde as razões da criação e da própria acreditação comandam o lema de cada elemento formatado para integrar um grupo que vive para sua própria proteção e bem-estar. 

Afinal de contas, valerá a pena lutar para alterar o rumo pré-definido e praticamente imposto?

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Boa noite."Hábitos de Leitura: Portugal na cauda d...

  • marta-omeucanto

    Eu leio onde calhar, seja em casa, na rua, ou em s...

  • O Informador

    Principalmente quando minutos antes estivemos disp...

  • O Informador

    Acordar um pouco mais cedo, uns minutos apenas, e ...

  • Cláudia C Silva

    EU agora tenho andado ler ao peq almoço, tal como ...

Mensagens

Pesquisar