Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

sveva-casati-billboard

Mentiras das redes sociais

28
Ago19

máscaras redes sociais.jpg

 

Eu partilho, tu partilhas, ele partilha, nós partilhamos, vós partilhais e eles partilham! Aqui está o verbo partilhar no presente do indicativo a iniciar um pensamento sobre o que vai sendo mostrado pelas redes sociais. A questão que levanto é, a realidade que é partilhada é assim tão verdadeira?

Será que todas as partilhas são assim tão reais sobre o dia-a-dia de cada um? Não, ninguém mostra a verdade, no entanto se uns são livres e partilham o que querem e bem entendem e se aproximam com ou sem filtros, à primeira ou com sucessivas tentativas, outros elaboram tanto que só acabam por mostrar que a vida que querem anunciar ao mundo não passa de um rascunho mal elaborado que com o tempo acaba por não funcionar. 

Aquelas selfies que não o são com todos os cuidados do mundo, com a roupa emprestada, a paisagem onde estiveram de passagem é vista sim, mas com o tempo alguém acredita que aquilo é assim tão real e que a vida daquelas pessoas acontece somente entre hotéis de luxo, praias e festas? Será que quem está a partilhar vidas de fachada tem noção que é notório que as vidas não são assim tão belas como as querem fazer pintar para passar aos outros? Vocês trabalham, acordam sem maquilhagem, cozinham, depilam-se, dizem asneiras quando se aleijam e até podem ter uma unha encravada, no entanto tudo é tão belo que até parece que não precisam do emprego onde ganham pouco mais que o ordenado mínimo nacional, visitam lojas da moda mais baratas e dividem o menu do almoço com a cara metade porque não têm fome para mais. Isso é a realidade de quem só mostra o novo fato de banho ao longe para não se ver a marca porque foi comprado numa loja online diretamente da China mas que parece igualzinho ao da Calzedonia, os ténis da Primark que são uma boa imitação de lado mas de forma disfarçada dos da Nike, o chinelo da Lefties que parece os da Havaianas. Tudo mostrado ao longe, de forma a não mostrar diretamente o local das marcas, num estudo de mercado bem conseguido para se mostrar o que não se é. Meus caros, quem vos conhece depois percebe que não têm nada a não ser demonstrações de grandeza quando na realidade se percebe que de grande nada têm à vista, só se for a imaginação para se fazerem passar pelo que não são. 

Blogger ativista silenciado

07
Jul16

Michael Anti.jpg

Já lá vai o ano de 2005 quando Michael Anti virou assunto internacional por ver a Microsoft a desligar o seu blog para que não existissem atritos entre a empresa e o governo de Pequim. Mais tarde a rede social Facebook acabou por apagar a conta ao ativista, tentando silenciar assim este jornalista que partilhava as suas ideias com o Mundo. 

Hoje Michael Anti é um blogger influente e conta com milhares de seguidores, tendo estado na Fundação Gulbenkian, em Lisboa, onde deu uma conferência sobre a China, mostrando como é controversa a ligação entre a sociedade e as grandes empresas internacionais de tecnologia que não querem atrair utilizadores mas sim capital. 

Na China tudo é levado com base nas regras impostas pelos líderes ocidentais, estando o Baidu a substituir o Google, o Weibo a fazer de Twitter, o Facebook poderá ser apelidado por Renren e o Youtube é na verdade o Youku, seguindo estas plataformas as regras para se poder viver em comunidade entre as novas tecnologias da comunicação e a realidade da nação. 

Mais de uma década passada desde que atingiu o sucesso universal devido à tentativa de ser silenciado, Michael Anti deu uma entrevista à revista Visão que poderá ser vista AQUI

Atual leitura... As Flores de Lótus

01
Jun16

Primeiramente deixem-me-vos dizer que estou de férias e que foi por isso que ainda não fiz o comentário final sobre Pai Nosso, de Clara Ferreira Alves. 

Agora sim falo da minha atual leitura... As Flores de Lótus, de José Rodrigues dos Santos, o livro que foi lançado em Outubro, que me foi oferecido pelo Natal e que só agora viu a luz do dia por estas paragens para que a sua leitura seja feita em poucos dias e não arrastar ao longo de dias ou mesmo semanas, é a escolha do momento. Encontro-me neste momento a meio da obra e até agora, talvez por Tomás Noronha ter ficado de fora desta vez, a narrativa parece-me no ponto. A política é uma questão central desta obra, a critica social mostra-se capaz de superar as diferentes décadas e a escrita não é maçadora. Espero seguir em frente com esta leitura com o entusiasmo que tenho tido até aqui para não desiludir, percorrendo ao mesmo tempo os vários continentes do nosso planeta através de guerras, conquistas, amores e sonhos.

GearBest, as compras online!

06
Mai16

Gearbest

Fã de compras à distância, agora descobri um novo site com conteúdos e produtos iguais e semelhantes a outros que andam por aí mas também com muitíssimos artigos com originalidade onde o desenho, o formato e o estilo fazem a diferença do que se vê pelo mercado online!

As lojas online estão a dar cada vez mais cartas entre nós com os preços cada vez mais competitivos entre si, lançando promoções diárias, semanais e mensais, como é o caso da GearBest, o tal novo site que descobri e que me deixou bem satisfeito onde nem o smartphone e o tablet escapam! Além disso na GearBest ainda existe uma página de Facebook onde vários cupões de desconto estão disponíveis, existindo ao mesmo tempo sorteios com vários brindes a serem atribuídos regularmente. 

Além de tudo isto e para que não existam os tradicionais empates justificativos para com a alfandega, a GearBest tem um tipo de envio da mercadoria encomendada diretamente da China que não necessita de passar pelos postos de verificação, fazendo com que tempo e trabalho para justificar a compra sejam diminuídos.

A moda chinesa do A4

21
Mar16

china 1.jpg

Volta, não volta, lá surge uma nova moda vinda da China! Agora o alvo, pelo menos para já, são as mulheres!

O desafio que o mulherio chinês está a lançar pelas redes sociais e que aos poucos se propaga ao resto do mundo é ter a cintura da largura de uma folha de papel A4. Depois de vários desafios, cada um mais parvo que o outro, eis que agora a moda é mostrarem cinturas finas como as folhas A4 de papel. Escondem a barriga com a folha (ao alto), tiram uma fotografia, publicam pelas suas contas sociais e já está.

Milhões de chinesas com cinturas com menos de 21 centímetros já partilharam a sua imagem, incentivando quem as segue a fazê-lo também. 

Compras da China

17
Dez15

Encomendei uns ténis que vêm do outro lado do mundo e até agora todas as compras que fiz desta forma chegaram sãs e salvas, com ou sem selo alfandegário. Só que desta vez foi diferente!

Mais de quarenta dias depois do pagamento ter sido feito e da expedição do material comecei a ficar preocupado e enviei um pedido para verificarem a situação. Só que não foi necessário nada disso, visto que umas horas depois chegou o aviso para desalfandegamento de objetos pessoais através dos correios. Tive de enviar contribuinte e outros dados pessoais, apresentar os motivos da compra e comprovativo de pagamento. 

Agora estou em espera para saber se os ténis aparecem ou não na morada correta ou se ficam «presos» por algum motivo num local indeterminado e com um destino que todos nós, meros clientes nestas situações, sempre desconfiamos qual seja. 

Casa construída em três horas

27
Jul15

A China não pára e desta vez foi a empresa ZhuoDa que acabou de deixar o mundo de boca aberta e com perspectivas habitacionais bem interessantes. 

A empresa demonstrou como através de impressoras 3D é possível a construção de casas em apenas três horas. Com a promessa de serem duradouras, estas casas podem ter até dois pisos e durar até 150 anos com um uso normal como todas as outras. Ainda não se conhecendo os materiais usados para o feito, o que é sabido é que os mesmos provêm de resíduos agrícolas e industriais. 

Da criação dos modelos até à construção das casas estão poucos passos que podem ser percorridos em apenas dez dias, segundo os responsáveis da ZhuoDa. Além de ser rápido está ainda a promessa da diminuição dos custos de construção, estando os preços por agora a rondar os 400€ por metro quadrado.