Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

13
Dez19

Árvore de Natal: conheces a tradição e história deste símbolo?

 

Consegues imaginar o Natal sem uma bela árvore de natal, totalmente enfeitada, e, claro, sem todos os outros efeitos associados a esta altura do ano? Acredito que não, mas alguma vez paraste para pensar de onde surgiu a tradição da árvore?

Quero que tenhas este conhecimento, portanto vou dar-te todas as informações que precisas saber sobre a história e tradição deste símbolo natalício que é regra não só em Portugal, mas em todo o mundo.

 

História da árvore de Natal e a sua tradição

Há muitos séculos atrás já era tradição decorar plantas verdes como sendo um símbolo de fertilidade e vitalidade. Em outros locais os pinheiros eram usados para afastar os maus espíritos para que estes não entrassem e para nutrir a esperança pela chegada da primavera.

Já a verdadeira tradição de enfeitar a árvore no Natal pensa-se que venha da Alemanha, no ano de 1419, onde um padeiro decorou a sua árvore, ano após ano, com frutos de uma forma geral, os mais tradicionais e os frutos secos.

No dia de Ano Novo, as crianças podiam “sacudir” a árvore e comer o que caía da mesma. Ano após ano essa versão foi evoluindo, chegando ao ponto em que nos encontramos hoje, em que uma árvore de natal tem fitas, bolas e luzes.

A árvore de Natal tornou-se um símbolo tão conhecido que no parque temático do passeio marítimo de Algés, numa recriação da aldeia do Pai Natal, os efeitos estão incluídos (1), assim como acontece na maioria das cidades portuguesas nesta altura do ano.

 

Quando a árvore de Natal é enfeitada?

A decisão do momento certo para enfeitar a árvore é de cada um. Uns decidem enfeitar dia 1 de Dezembro, sem exceção, outros no mês de Novembro. Os mais fanáticos têm os efeitos durante todo o ano e, em Dezembro, apenas ligam as luzes.

11
Dez17

Mesa de Natal

No Natal existem produtos que não faltam nas mesas portuguesas! Do tradicional bacalhau com batatas e coves cozidas, ao peru no forno para refeição central, surgem logo depois os doces, onde o bolo rei ainda é o senhor da mesa da consoada, mas por quanto tempo?

Os doces são cada vez mais a grande tentação da época, dos antigos sonhos às novas receitas de bolo rei onde o chocolate brilha, o doce de maça toma lugar e o recheio com doce de ovos é a verdadeira tentação. Neste momento existem tantas receitas de bolo rei como a imaginação de cada um permite, sendo a tradição da fava e do brinde uma antiguidade já não praticada por motivos de precaução e aos poucos também o fofo bolo com frutas secas e recheadas de açúcar tem vindo a perder o seu estatuto. Agora a mesa de Natal tem doces para todos os gostos e nem o bacalhau já se apresenta cozinho, sendo apresentado em muitos casos através das mais diversas receitas onde o marismo ganha também cada vez mais destaque para se tornar o anfitrião da ceia.