Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

23
Nov20

Pra Cima de Puta | Cristina Ferreira

Contraponto

427EB830-B7F6-4BF7-9560-4000B2EEFCEE-C9E4C77A-B44E

 

Título: Pra Cima de Puta

Autor: Cristina Ferreira

Editora: Contraponto

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Novembro de 2020

Páginas: 152

ISBN: 978-989-666-276-9

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Na Internet e nas redes sociais, a maldade grassa, o fel destila. Assusta-me perceber que há gente que se alimenta disso, que julga e agride os outros com facilidade e sem pudor.

Este livro é sobre a violência e sobre a necessidade urgente de mudar. Com ele, pretendo confrontar-nos com a impunidade das agressões que, nas redes sociais, se dirigem não interessa a quem ou com que consequências.

Muitos considerarão que este título e o que aqui mostro constituem mais uma provocação. É verdade, este livro é uma provocação, uma chamada de atenção. Mas é também um testemunho que acredito que posso deixar. É uma parte da História e da história das pessoas que, impunemente, optam por agredir. Esta maledicência, esta imensa maldade, num mundo que precisa tanto do oposto, surge porquê? O que leva o ser humano a escrever este tipo de comentários? Um dia, daqui a muito tempo, alguém pegará neste livro e conseguirá entender como eram as redes sociais nesta década do século XXI. Talvez encontre algumas pistas.

O que aqui mostro pretende ser uma abertura de caminho para uma análise sociológica que é preciso fazer. Não é para terem pena de mim ou da minha família. É para percebermos que mulheres e homens atacam ferozmente. Na maioria das vezes, sem conhecimento de causa, por inveja pura e simples ou por qualquer outro sentimento que os especialistas saberão identificar melhor do que eu.

Quero que este debate se faça. Sou uma profissional da área da comunicação e chego a muita gente. Quero usar essa influência para tentar criar reflexão e discussão em torno de algo que não me afeta só a mim, de algo que me parece que faz de nós, enquanto sociedade, gente menor do que poderíamos ser.

 

Opinião: Cristina Ferreira tem sido nos últimos anos um dos rostos com maior influência em Portugal, tendo consigo o muito trabalho e dedicação que lhe têm dado força e gerando sucesso em tudo o que idealiza e realiza a solo e com a sua cada vez maior equipa profissional. Dentro de um esquema que vive muito da sua imagem pela imprensa, redes sociais e claro, da televisão, Cristina cresceu junto do público e hoje é a figura que mais vende através da sua imagem e da própria marca. Estarão os sucessos pessoais ligados com tanta critica gratuita que lhe é feita por pura inveja e incapacidade de perceção de que as mulheres merecem tanto os lugares cimeiros como os homens? Estarão os famosos sujeitos a tantos julgamentos gratuitos perante a mesquinhez de uma sociedade que não sabe perceber que as conquistas só acontecem com batalhas travadas, mesmo quando se deixa muito para trás na procura de objetivos que são realizações pessoais? Qual a razão de não se aceitar o sucesso do vizinho quando este idealizou, lutou e triunfou?

16
Nov20

Desespero no Big Brother

bb revolução.jpg

 

A meio de Novembro, já com o espírito de Natal em estúdio e numa noite sem público, Teresa Guilherme e Ana Garcia Martins abriram mais uma gala do Big Brother sem qualquer apoio dos aplausos que tanta falta fazem nos programas em direto. Nesta noite em que todos somos convidados a ficar em casa o resumo da gala é só um, desespero por parte da produção para alimentar mês e meio de programa com polémicas. 

Para começar logo uma má notícia dada por uma decisão da produção que não caiu de bom grado junto do público, onde me incluo. Ex-concorrentes, expulsos por decisão do público, vão poder entrar na casa, como jogadores candidatos ao prémio final. Já na edição anterior quando dois ex-concorrentes voltaram para a casa para fazerem de espantalhos a coisa não correu bem, e agora optam pela mesma estratégia mas em modo repescagem e como concorrentes? Carina, Diana, Jéssica Antunes, Liliana, Michel, Rúben e Sandra estão agora a votação junto do público para regressarem ao jogo, de forma bem injusta, e caso sejam vencedores na noite da passagem de ano não ganham o prémio final mas sim a percentagem perante os dias entre este regresso e a grande final. Entraram e o público decidiu tirar, e agora que já obtém informações do exterior vão voltar a entrar para transmitirem informações, seguirem ideias de jogo contra quem já perceberam ser mais forte junto do público, etc, etc, etc. Não existia necessidade alguma disto acontecer, mas como se pode ver a dupla Endemol e TVI parece estar mesmo sem capacidades de fazer diferente, voltando a enterrar um bom formato com estas ideias absurdas e que parecem surgir de alguma mente com pouca ambição.

Rui Pedro convidado na gala para se desculpar do que fez dentro da casa. Tanto falou que ia contar tudo e mais alguma coisa contra a produção e os colegas e afinal já fora do jogo virou um cordeiro com medo do lobo mau que sentiu contra si quando chegou à vida real e percebeu tudo o que fez de mal no jogo. Este Rui Pedro bem manso afinal tinha tanta garganta para dizer tudo e mais alguma coisa e agora parece um menino do coro quase a levar quem supostamente o tinha atacado ao colo. No momento tem uma cara e quando percebe a realidade fica com o rabo entre as pernas e vira cachorro abandonado a ponto de justificar tudo o que disse e quase a pedir para que os que foram atacados afirmem que nada aconteceu de mal. Poupem-se a tais figuras e a TVI que perceba que este estilo de concorrentes que erram bastante no jogo para com todos que não merecem muito mais tempo de antena para se limparem junto da opinião pública.

Meia gala passou com a questão Rui Pedro a prolongar-se noite dentro até que surgiu um frente-a-frente meio impercetível e desnecessário entre Andreia e Pedro sobre o diz que disse ao longo da semana com alguns mal entendidos e picardias entre os dois a acontecerem numa defesa pessoal do Pedro e dos restantes por parte de Andreia. Sendo isto mais do mesmo, no final os concorrentes tiveram de ficar de um dos lados da barricada e mostraram que Andreia tinha razão na não questão levantada. No final, antes da expulsão e nomeações, a liderança da Zena foi colocada em causa por mostrar que todos acharam esta semana negativa por a concorrente, segundo os colegas, preocupou-se mais com a prova do que com os companheiros de jogo, preocupando-se muito por ficar bem e não pelo bem de todos. 

14
Nov20

Cristina lança Pra Cima de Puta

IMG_8503.jpg

 

Cristina Ferreira sabe criar mistério, alimentando o suspense durante dias e no momento de desvendar o que tanto prometeu, eis que coloca meio país a falar de si. Desta vez, em plena Sexta-feira, 13, a apresentadora e diretora da TVI prometeu surpreender e para já o que se sabe é que tem novo livro, com um título bem impactante, Pra Lá de Puta.

Lançado pela editora Contraponto, esta quarta obra publicada de Cristina, após Deliciosa Cristina, Sentir e Falar (Inglês) é Fácil, trás consigo muito do que se tem passado pelos últimos meses após o anuncio da estrela televisiva aquando do seu anúncio de regresso à TVI, após um rápida passagem de ano e meio pelas manhãs da SIC.

Falando sobre o bullying que sentiu ao longo do tempo com todos os ataques que lhe foram feitos por parte da imprensa e do público, Cristina revela muito do que foi escrito, do que sentiu e do pretendeu sempre passar com a sua presença no pequeno ecrã e pelas redes sociais onde sabe que o que mostra é a sua verdade e não invenções de outros. 

Anunciado a capa do seu novo livro nas redes sociais com a legenda 《Não julgues o livro pela capa》, Cristina Ferreira tem recebido vários elogios por esta publicação quando ainda pouco se sabe sobre o seu conteúdo, somente pela capa. A empresária revelou antes mesmo deste anúncio que 《Lanço um projeto com um objetivo muito preciso. E sério. Cada vez mais.》, reforçando assim o poder que as figuras públicas têm para serem um exemplo.

23
Out19

Joker, o incómodo cinematográfico

joker.jpg

 

Finalmente fui ver Joker, o filme de que todos falam à semanas e se dividisse a película em duas partes diria que do frio a ponto de quase a adormecer passou para o quente para ficar agarrado e desconfortável pelo incómodo sentido em várias cenas por não esperar um impacto tão grande na demonstração dos factos que de ficção pouco mostram. 

Olhei para grande parte de Joker como aquele filme que abana consciências, levando a pensar em cada pormenor e na capacidade que uma só pessoa tem na influência de uma sociedade. No filme de Todd Phillips o espetador é convidado a ficar sentado e sem pensar realmente no que está a assistir, deixando isso para depois porque o momento de exibição é de pura concentração esperando que o que está para acontecer numa ação em crescendo não seja pior ainda. 

Joker não é uma piada, a personagem central interpretada por Joaquin Phoenix sorri para que os outros sintam a sua dor através dos lábios alargados e ensanguentados. Afinal a intenção é mesmo a de causar dor com os sorrisos para culpar toda a sociedade que o desgastou levando à desistência de sonhos a favor da realização de outros. O bullying tem sido um dos temas em debate pelos últimos anos e em Joker esta realidade acaba por ter grande destaque quando se percebe que o atual presente se deve a todo um passado marcado pelo peso de uma vida de sofrimento e inferioridade. 

Olhando para uma história em que facilmente encontramos o vilão, o que fica após perceber todo o enredo? Afinal Arthur Fleck é assim tão mau que não nos consigamos rever em determinados dos seus comportamentos? Não existe vontade de por vezes atirar tudo para trás, seguir os impulsos e não pensar que o mal é ofensivo? Senti em vários momentos dor pelo que foi feito mas ao mesmo tempo capacidade para desculpar atos violentos por todas as justificações. Quem faz mal deve ou não sofrer da mesma moeda? Os maus devem ser desculpados ou levar a sua emenda? Como uma mente transtornada pelas mais diversas situações consegue apaziguar a sua paz anterior quando todos o enfrentam e ajudam a acalcar ainda mais? Dor, raiva, frustração e transtorno que acabam por levar a um desespero pessoal único dentro de determinados contextos incontroláveis que ajudam a desculpar este Joker. Só, abatido e enfrentando uma vida de mentiras aliada à profunda depressão, o vício e a derrota existem e leva cada espetador a pensar que esta história é sensivelmente uma história real, que foi feita para tocar em pontos fortes, causando desconforto com impacto, sem representar e iludir, sem omitir e suavizar.

18
Mai15

Era escusado!

Por muitos motivos que existissem por parte das autoridades para deter aquele senhor, existem formas e formas para o fazerem, para mais quando um menor, filho do detido, estava presente e ainda andou no meio de toda a confusão!

Eram definitivamente escusadas estas atitudes acontecerem e ainda ficarem gravadas para todos as puderem ver! O miúdo gritou e chorou ao ver o que estava a acontecer, andou meio atrapalhado nos primeiros momentos onde se viu no meio do pai e dos agentes até que foi "abafado" por um outro agente que ainda o tentou proteger quando o mal já estava feito.