Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Banner billboard da campanha 50% desconto desenvolvimento pessoal
22
Jan18

O Escultor da Morte | Chris Carter

| O Informador

o escultor da morte.jpg

 

Autor: Chris Carter

Editora: Topseller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Novembro de 2017

Páginas: 416

ISBN: 978-989-8869-57-9

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Até a obra de arte estar completa, a morte vai ter de esperar.

Quando a enfermeira Melinda Wallis entra no quarto de um paciente a seu cuidado, mal pode imaginar aquilo que vai encontrar.

Derek Nicholson, um importante advogado de Los Angeles, foi brutalmente assassinado. O homicida mutilou os seus membros e construiu com eles uma escultura.

Chamado de emergência ao local do crime, o inspetor Robert Hunter não percebe as motivações por detrás de um crime tão hediondo. Especialmente porque Nicholson, que sofria de cancro em fase terminal, já não tinha muitas semanas de vida.

Quando um segundo corpo aparece num barco ancorado na marina de Los Angeles, o mistério adensa-se. Trata-se, agora, de um agente da polícia. E o macabro da cena repete-se, com o corpo decepado a criar uma escultura estranha.

Qual será a ligação entre as duas vítimas? Que significado terá a disposição dos seus corpos? O que estará o assassino a querer dizer?

Um thriller vibrante e misterioso, com surpresas e revelações inesperadas ao virar de cada página.

 

Opinião: Já havia tomado conhecimento com Chris Carter como sendo um dos melhores autores a criar policiais onde a psicologia forense tem grande envolvimento com cada caso retratado, ficando na memória após a primeira leitura de uma obra sua, O Escultor da Morte, como um dos melhores do género, diferenciando-se de todos os autores que li até agora. 

Primeiramente e analisando o título o leitor toma conhecimento que toda a ação que se irá desenrolar ao longo das 416 páginas apresentadas estará centrada num assassino que não se deixa ficar pela morte das suas vítimas, mostrando uma originalidade macabra para com a arte. Tenho a revelar que este foi o livro que mais me impressionou na apresentação do primeiro crime a ser desvendado pela equipa do inspetor Hunter. Com uma descrição exemplar, limpa e real, Chris Carter apresenta o local de cada crime como um centro de terror, não se poupando a palavras para mostrar ao leitor como tudo se encontra com a chegada da equipa forense. Mesmo sem que se tenha acesso ao ato praticado pelo vilão e somente com o que é relatado quando os corpos são encontrados, consegue o autor criar arrepios ao leitor que fica a imaginar como tudo acontece, mas agora imaginem que em certas ocasiões, somos também convidados a entrar nos locais do crime enquanto o assassino por lá permanece a fazer o seu trabalho. Se só de perceber como se encontra cada cadáver quando é encontrado já se torna complicado de imaginar a cena macabra sobre como tudo aconteceu, agora imagine-se perceber como o trabalho foi feito, sendo quase possível ouvir os ossos a quebrarem com a tortura que é feita ao longo de horas, noturnas, em que o criminoso faz o seu trabalho e deixa a sua escultura bem visível e de modo a representar uma mensagem para quem a venha a descobrir. 

Hunter é o nosso inspetor responsável por desvendar cada assassinato cometido por este escultor da morte e é com este homem solitário, competente e concentrado no seu trabalho que somos levados pelos meandros do crime, por salas onde a tortura aconteceu e onde cada imagem criada torna-se complicada de assimilar pela complexidade e minuciosidade envolventes em cada cenário onde os sucessivos crimes acontecem.

Após o primeiro crime pensei que a partir daí iria acompanhar a investigação até que se descobrisse quem está por detrás de tão macabro incidente, mas não, Carter consegue colocar a par da investigação novos crimes cometidos com o mesmo método e cria assim um maior envolvimento com a história. A certa altura e após perceber que as mortes que deram origem depois a esculturas com a utilização dos corpos das vítimas, comecei a querer identificar alguém como o assassino em série, conseguindo no final ser surpreendido pela descoberta sobre uma personagem que nem me passou entre as soluções possíveis entre os nomes que mais apontei como sendo o possível homicida de todos os casos retratados. 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • O Informador

    Imagino sim porque estive um ano agarrado aos emai...

  • O Informador

    Mensagens ilustradas também dispenso, prefiro o fa...

  • O Informador

    Vi os seis episódios num só dia! Achei boa, com al...

  • Cláudia C Silva

    Tal e qual! Detesto!Imagina uma consultora imobili...

  • P. P.

    Também não gosto de falar ao telefone, telemóvel,....

Mensagens

Pesquisar

Posts destacados

Error running style: Style code didn't finish running in a timely fashion. Possible causes: