Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

leituras-verao-billboard
04
Mai20

Livrarias reabertas

bertrand chiado.jpg

 

Pessoal dos livros, hoje, Segunda-feira, 04 de Maio, reabrem as livrarias de rua, mês e meio após terem sido encerradas, como a maioria do comércio. Estivemos ao longo destas semanas com acesso físico limitado em termos literários às estantes dos supermercados, onde geralmente estão presentes as novidades e os mais vendidos, existindo também sempre a possibilidade de compra online em lojas como a Wook e a Bertrand, entre outras, mas agora os serviços das lojas de rua voltam a estar disponíveis. 

Com a abertura das livrarias, vamos prometer que voltaremos, com tempo e calma para não corrermos riscos desnecessários, a frequentar os espaços e efetuar nem que seja uma compra para que estes locais, muitos com história, não corram o risco de fechar portas pelos próximos tempos. O país está a retomar aos poucos, o comércio e empresas a encaminhar colaboradores e serviços com todos os ajustes necessários para que tudo corra bem e nós, enquanto clientes e neste caso leitores, respeitemos o espaço de cada um para também poder exigir dos outros o respeito que merecemos neste caso tão incomum com que teremos de lidar durante algum tempo ainda. 

09
Abr20

O Último Oráculo | James Rollins

Bertrand Editora

916A88C8-8805-4A23-ADDB-7CDC65D62981.JPG

 

Título: O Último Oráculo

Título Original: The Last Oracle

Autor: James Rollins

Editora: Bertrand Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Fevereiro de 2020

Páginas: 496

ISBN: 978-972-25-2978-5

Classificação: 2 em 5

 

Sinopse: Em Washington, D.C., um sem-abrigo morre nos braços do comandante Gray Pierce, atingido pela bala de um assassino. Mas a morte deixa para trás um mistério ainda maior: uma moeda ensanguentada uma relíquia antiga relacionada com o oráculo grego de Delfos. Enquanto perseguidores implacáveis procuram o artefacto roubado, Gray Pierce descobre que a moeda é a chave para desvendar uma conspiração que remonta à Guerra Fria e ameaça os próprios alicerces da Humanidade.

Desde os templos da Grécia Antiga aos mausoléus mais deslumbrantes, dos bairros pobres da Índia às ruínas radioativas da Rússia, dois homens têm de correr contra o tempo para resolver o mistério que remonta ao primeiro grande oráculo da História o oráculo grego de Delfos.

Mas uma questão permanece: Será o passado suficiente para salvar o futuro? Mestre na arte de combinar a intriga histórica e religiosa com as aventuras mais alucinantes, James Rollins traz de volta a Força Sigma para lutar contra um grupo de cientistas sem escrúpulos que lançaram um projeto de bioengenharia capaz de conduzir a Humanidade à sua extinção.

 

Opinião: O Último Oráculo fez-me companhia de forma tão severa que só quando me fui aproximando do final é que consegui entender a maioria dos meandros de tudo o que foi acontecendo ao longo do desenrolar da narrativa, mas já não deu tempo para a mudança de opinião.

Desenrolando-se num ciclo distribuido por vários locais e com personagens ocas, sem importância e bastante desorientadas durante grande parte do que é contado. As pistas surgem para se seguirem objetivos mas todos parecem vaguear numa tentativa nula e destrutiva de encher páginas sem nada conseguir ser acrescentado ao essencial de um thriller que une radiação nuclear e autismo como pontos fortes mas onde não existe um fio condutor plausível e com capacidade para fazer o leitor seguir em frente porque em tudo faltam explicações e apresentações sobre o quem é quem numa história que pretende elaborar demais mas onde o essencial é esquicido. 

16
Dez19

Os meus Livros do Ano

EPCT6749.JPG

 

Antes mesmo dos derradeiros dias que antecedem o Natal, a lembrança surgiu para vos sugerir, perante as minhas leituras do ano, as obras que se destacaram e ganharam a minha preferência pelos últimos meses. Quem sabe se o meu top literário do ano não vos consegue influenciar no momento de escolher o livro ideal para oferecer aos vossos amigos, familiares e conhecidos que adoram ler!

 

O Presidente Desapareceu, de Bill Clinton e James Patterson

 

O Presidente Desapareceu, de Bill Clinton e James Patterson foi o primeiro thriller lido em 2019. De leitura rápida, uma boa história com um desenvolvimento surpreendente e sem paragens. Este livro revela o momento em que o Presidente dos EUA desapareceu e a necessidade primordial é perceber tudo o que se passou e não deixar o país afundar durante os dias de paragem e indefinição presidencial. Podes saber tudo o que achei sobre esta obra que me conquistou e que aconselho a quem goste de suspense, onde se fala de política mas cuja história vai muito para além da suposição, percorrendo corredores e salões que todos ou muitos gostariam de visitar um dia. Uma boa escolha para este Natal dentro do género!

O Presidente Desapareceu (compra aqui)

 

Becoming, a Minha História, de Michelle Obama

 

Impossível fazer a revisão do ano literário sem referir Becoming, A Minha História, de Michelle Obama. O retrato dado na primeira pessoa por Michelle passou para os milhões de leitores que se deixaram conquistar por esta obra que fica para a história. Contando e emocionando com os anos que passou na Casa Branca, a senhora Obama não esconde, relatando de forma real e por vezes cruel e sem necessidade de chegar tão longe a sua vida, partindo de uma infância conturbada até chegar a um namoro primeiramente rejeitado para se tornar num casamento quase perfeito. A conquista do poder, a chegada ao topo, a família, as filhas, e o legado deixado para que tudo terminasse bem e a vida voltasse à sua aparentemente normalidade que jamais voltará a ser o que foi e o pretendido. Uma vez primeira dama, para ser primeira dama! Um testemunho pessoal, real, pessoal, cruel e que cativa, sem maçar, bem pelo contrário, conquistando em cada momento para se querer saber tudo o que foi vivido, sentido e feito antes, durante e após os anos presidenciais dos Obama. Este é o livro perfeito para oferecer a quem goste de histórias reais e auto biografias!

Becoming, a Minha História (compra aqui)

10
Dez19

«Esteja presente» este Natal!

 

A Bertrand Livreiros convidou pequenos leitores a desenharem o retrato das suas famílias para que os mesmos desenhos fossem mostrados aos respetivos pais. Realidade ou ficção, a verdade é que a realidade dos tempos presentes é esta, todos passamos muito tempo agarrados aos telemóveis e computadores, desperdiçando as horas livres que podem ser dedicadas presentemente a quem nos pertence com as novas tecnologias e com variados significados, onde o trabalho, a partilha de informação e a curiosidade ocupam demasiado espaço das nossas vidas ocupadas com momentos que podem ser deixados de lado.

Neste vídeo é visivel que pais e filhos pouco se juntam, passando muito do tempo em espaços separados da casa, com pais ocupados com as tecnologias e filhos a aprenderem a seguir o mesmo exemplo, sem que existam pontos de lazer em comum. É isto o que todos desejamos para o futuro de uma família que pretende seguir o caminho da estabilidade e felicidade?

E o que será o dia perfeito para crianças que percebem que estão a ser ultrapassadas pelos telemóveis? Vidas perfeitas, de comunhão e alegria onde tudo fica de fora e somente a família importa entre atividades que envolvem boa disposição e que acabam por mostrar o real amor que é nutrido mas que acaba por ser ultrapassado pelos tempos corridos dos novos tempos onde o mundo digital acaba por ser um invasor de cada lar.

06
Set19

A Casa de Charles Street | Danielle Steel

a casa de charles street.jpg

 

Título: A Casa de Charles Street

Título Original: 44 Charles Street

Autor: Danielle Steel

Editora: Bertrand Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Junho de 2019

Páginas: 280

ISBN: 978-972-25-3587-8

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: De desconhecidos a amigos, de amigos a família...

Na sequência do seu divórcio e dos problemas financeiros que se seguiram, Francesca sente-se desesperada. Sozinha, teme não ser capaz de suportar a casa encantadora onde vive e, como solução de recurso decide alugar uma parte dela. Pouco a pouco, a casa vai readquirindo vida: primeiro com Eileen, uma jovem professora da Califórnia, depois com Chris, um pai divorciado, e, finalmente, com Marya, uma cozinheira notável que perdeu o marido. Rapidamente, uma feliz cumplicidade instala-se entre os companheiros da casa. Contagiada por esta nova energia, Francesca volta a sentir-se com forças para reabrir o coração e procurar o amor...

Ao longo de um ano assombroso, inesquecível e que, em última análise, vai alterar muitas vidas, a casa do número 44 de Charles Street enche-se de risos, de mágoas e, sempre, de esperança.

 

Opinião: A Casa de Charles Street é mais um romance de Danielle Street entre tantos outros que destacam a perda, a conquista e o amor. Mas como várias das histórias da autora que me foram conquistando ao longo dos anos, esta narrativa não é exceção e em pleno período de férias acabou por se tornar numa boa e rápida companhia literária através da sua veracidade, simplicidade e capacidade de conquistar o leitor ao longo de tudo o que vai sendo relatado.

Primeiramente é apresentada ao leitor Francesca, uma mulher de 35 anos cuja relação de cinco anos terminou de forma amigável e por decisão mútua. No entanto, existe uma grande casa e uma galeria de arte que Francesca quer manter e para isso decisões e mudanças têm de ser tomadas para suportar os custos. Como tal e após o pai se tornar sócio para ajudar a aguentar os custos com a galeria de arte para que o espaço ganhe o seu rumo, esta mulher decide receber em casa um conjunto bem heterogéneo de pessoas que não conhece e que lhe vão alugando quartos. Num ambiente que se vai tornando familiar, Francesca recebe Eileen, uma jovem professora vinda da Califórnia, Chris, um arquiteto com um filho que está ao seu encargo ao fim-de-semana, e Marya, uma prestigiada cozinheira. Após distintos percursos, estas quatro pessoas unem-se num só local, criando laços com o tempo, protegendo-se como amigos que passam a ser praticamente uma família.