Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

sveva-casati-billboard

Simplesmente bem disposto

26
Ago19

dedos smile.jpg

 

Habitualmente e em privado considero-me um ser humano pacato, que passa de forma despercebida e com capacidade para não me meter ao barulho no centro de qualquer confusão, não gostando de grandes ajuntamentos, complicações, multidões e barulhos. No ciclo social e muito com as pessoas com quem estou completamente à vontade tenho um pouco de palhaço em mim com aquelas piadas que por vezes surgem do nada e que ajudam a colocar todos os que me rodeiam bem dispostos sem necessitar de me esforçar grande coisa. 

O que sou eu? Sou o Ricardo, a pessoa que sai para a rua nas primeiras horas do dia de forma calma, com má cara porque não apetecia acordar cedo mas que rapidamente se transforma para animar a malta, deixando que a boa disposição passe, anime e abafe um pouco do que vai na alma e que raramente é passado para quem olha e acredita que está sempre «tudo bem» quando assim não acontece. Sou um pouco aquele camaleão que se vai adaptando ao que é necessário para estar sempre no caminho certo perante quem está do outro lado, escondendo os desafios interiores com que vou andando a matutar dias a fio em busca de respostas que nem sempre chegam e acontecimentos que tardam em acontecer. 

As piadas saem sem pedir, as conversas fluem, os desafios surgem e a vida continua, em privado ou publicamente como se tudo o que é mostrado fosse a verdade, somente a verdade que os outros querem ver porque de problemas todos estão cheios, somente também os deixam na porta quando entram num espaço e é necessário provar que se consegue separar o azeite do vinagre sempre que é necessário para nosso próprio bem. 

Falar pelas costas

05
Abr15

Quando a empregada de um café comenta maldosamente a vida de um cliente, de colegas ou dos patrões, enquanto atende alguém não é bonito, para mais quando tece tais comentários com pessoas a ouvirem, esquecendo-se que não se encontra sozinha, num canto ou numa mesa mais sorrateira do estabelecimento.

Perceber que se comentam vidas de pessoas que acabaram de sair de um lugar e que por vezes podem ser conhecidas de quem ouve porque está no local onde as pessoas deviam estar a trabalhar e deixar a conversa fiada de lado é mau. Os funcionários de milhares de estabelecimentos esquecem-se que quando falam de um cliente à frente de outro correm o risco de logo de seguida a pessoa que as está a ouvir por obrigação pensar que quando deixa o balcão vai sofrer algumas dentadas do género das proferidas sobre os outros anteriormente.

Ser atendido, perceber que são feitos comentários e algumas caretas sobre quem estava à nossa frente e depois sair com o pensamento que seremos os próximos a sofrer na língua daquela pessoa é uma situação que me leva a pensar se voltarei em breve ao local ou se o dispenso e procuro outro sítio para beber café!