Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

14
Fev20

A Peça que Dá para o Torto é para rir e chorar por mais...

UAU

a peça que dá para o torto.jpeg

 

Estreou A Peça que Dá para o Torto no Auditório dos Oceanos do Casino Lisboa e só vos consigo dizer que para já esta é a comédia do ano. Ao longo de quase duas horas de espetáculo, com direito a intervalo, ri, ri e ri a ponto de quase chorar e ficar com uma certa dor nos maxilares de tanto gargalhar.

Numa peça que dá mesmo para o torto e cuja momento de estreia parece correr tão mal que pior é completamente impossível, nesta produção da UAU tudo está tão perfeito que nada consegue seguir a linha prevista sobre a necessidade de desvendar um crime que dá o mote para o desenrolar da suposta história que vai ser contada. Desta vez não vos posso contar muito sobre o que acontece em palco para não tirar o efeito surpresa, só revelando que logo quando entram na sala percebem que algum alarido já está a acontecer. A partir daí e até ao final as surpresas não terminam e o mais inusitado acontece a todo o momento. Será que a história de um crime é relatada como está destinada, com tudo no lugar, as personagens certas e sem imprevistos? Só vendo podem perceber a verdadeira realidade que o nome do espetáculo logo indica, A Peça que Dá para o Torto. 

Numa adaptação de Nuno Markl de um sucesso internacional com mais de cinco anos e que já esteve presente em trinta países, nesta peça dentro da peça até o elenco conta para o sucesso e nada parece falhar entre tanto entra e sai, texto bastante corrido, atrapalhações e inesperados. Com Alexandre Carvalho, Cristóvão Campos, Igor Regalla, Inês Castel-Branco, Joana Pais de Brito, Miguel Thiré, Telmo Mendes e Telmo Ramalho em palco, este espetáculo conta com tanto obstáculo que os atores estão de parabéns pela desenvoltura como tudo acontece sem aparentemente nada falhar, mas mesmo que falhe nem é notado, porque tanto que dá para o torto que nem se dá por isso se existirem novos pontos soltos e que escapem. 

Cenário caricato, um guarda-roupa chamativo e diversificado pela década de 1920, um bom trabalho de encenação por parte de Frederico Corado e um elenco bem composto, onde destaco a prestação de Joana Pais de Brito e Telmo Ramalho, nesta investigação em busca do real assassino o público só se tem de preparar para desfrutar, ser surpreendido, podendo reagir e deixando contagiar por todos os momentos inusitados que vão acontecendo em palco. 

30
Out18

Zé Manel Taxista - Uma Comédia com Brilhantina | UAU

zé manel taxista.jpg

Zé Manel, taxista, pai de família e adepto ferrenho do Benfica, anda arreliado com o sucesso de Lisboa, que transformou tudo em alojamento local e restaurantes gourmet. O próprio filho, Eusébio Jr., ganha a vida como condutor de tuk-tuk, e Vickie, o mais à frente lá do bairro, safa-se a arrendar partes de casa. Só Luna, a estudante italiana do Erasmus, está encantada com a enchente de estrangeiros e a borrifar-se para a “gentrificação”. Zé Manel tenta defender o prédio onde todos vivem da voracidade turística, até que chega Chico, um esperto entrepreneur, que já foi daquela rua e agora regressa com promessas de fama e dinheiro fácil. A tentação é grande e Zé Manel despista-se… naturalmente.

Maria Rueff celebrizou o seu Zé Manel Taxista há mais de 20 anos e agora, pela primeira vez, a famosa personagem de vários formatos televisivos com Herman José e também da rádio ganha uma nova vida nos palcos nacionais através do espetáculo musical Zé Manel Taxista - Uma Comédia com Brilhantina. 

Através de uma personagem bem conhecida do público e com uma história criada propositadamente para os palcos, Rueff junta-se a jovens atores com provas dadas para receber o público nesta nova jornada do seu Zé Manel, o benfiquista mais ferrenho dos taxistas portugueses. FF, Sissi Martins, Ruben Madureira, Rafael Barreto, Filipe Rico, Marta Mota, Sara Martins e Tiago Coelho compõem o elenco que se divide entre a representação, o canto e a dança do início ao fim. Com texto de Maria João Cruz, Mário Botequilha, Rui Cardoso Martins e Filipe Homem Fonseca, numa ideia de Maria Rueff e com encenação de António Pires, Zé Manel Taxista - Uma Comédia Brilhante conta com banda ao vivo composta por André Galvão no baixo e guitarra, Artur Guimarães nas teclas e Tom Neiva na bateria e percussão. 

Neste espetáculo o público é convidado a acompanhar este pai de família e bom vizinho numa fase em que as alterações provocadas pelo turismo na capital não são aceites. Em poucos anos Lisboa foi invadida pelos famosos TukTuk e por empresas como a Uber, isto ao mesmo tempo que as polémicas em torno do futebol se adensaram, as tascas deram lugar a restaurantes virados para os turistas e o alojamento local virou moda em bairros onde a história e tradição desaparecem. Zé Manel, o taxista que gosta de pratos cheios, um palito na mesa, uma boa bifana e defende o bairrismo e o seu clube como ninguém não aceita tanta alteração e este musical mostra isso mesmo.

O filho Eusébio de Zé Manel vira adepto do Sporting e condutor de um veículo Uber. O prédio onde habitam se prepara para ser transformado em quartos para alugar a quem visita Portugal, despejando os condóminos. Os contratos fraudulentos, os enganos e o caos da mudança que acabam por unir quem se gosta a favor do amor, da amizade, carinho e cuidados de uns para com outros numa sociedade cada vez mais individualista. 

23
Jul18

Rabo de Saia | UAU

rabo de saia.jpg

Manel tomou uma decisão radical: mudou de sexo. Ser homem já não era nenhum mistério para o Manel: os 40 revelaram-se mais de crise do que ternura; os 50 trouxeram-lhe ainda mais loucura e agora, questionado sobre o que fazer com uma choruda herança, percebeu já ter vivenciado tudo o que os cromossomas XY lhe podiam oferecer.

A grande frustração foi durante toda a sua máscula existência não ter sido capaz de decifrar o maior enigma de todos os tempos: ser mulher. Para a missão ser bem-sucedida conta com os amigos de sempre, que entre o choque, a ganância e a atracão, esforçam-se por lembrar que aquele belo rabo de saia ainda ontem só usava calças, confrontando-se hilariantemente com os seus próprios preconceitos, desejos, traumas e identidade.

Quim (António Melo), António (Fernando Ferrão) e Xavier (Joaquim Nicolau) recebem uma mensagem escrita de Manel (Almeno Gonçalves), o amigo de sempre, para que em hora marcada se encontrem na Sala de Espera de um Hospital porque existe algo para ser contado. À vez, todos chegam ao local combinado e a dúvida surge. O que Manel tem para lhes contar? Estará doente? Será algo grave que o possa levar à morte? Ao mesmo tempo que as questões se levantam enquanto esperam, verdades sobre o passado e o presente de cada um vão sendo reveladas a três sobre os quatro. Porém pouco falta para surgir Manel na Sala de Espera, ou será a nova Manela, a Tânia ou a Rute? A mudança de sexo surge de forma inesperada e as questões sobre as razões aparecem na mente de cada um. 

Numa divertida comédia, que do meu ponto de vista tem no momento da revelação algo forçado pelo facto dos três amigos de Manel não o reconhecerem logo como mulher, o quarteto regressa assim aos palcos para continuar o que foi feito em Crise dos 40 e Loucura dos 50. As amizades de longa data revelam-se cheias de altos e baixos, com passagens menos boas intercaladas com a felicidade de cada um. Os casamentos que viraram divórcios, as traições transformadas em conversas engraçadas, os embaraços com a justiça e os problemas financeiros. Em Rabo de Saia existe espaço para comentar a amizade enquanto são revelados os pontos fortes que unem estes quatro homens, agora três e uma mulher.

18
Jul18

Convites Duplos | Rabo de Saia | 21-07-2018

rabo de saia.jpg

Manel tomou uma decisão radical: mudou de sexo. Ser homem já não era nenhum mistério para o Manel: os 40 revelaram-se mais de crise do que ternura; os 50 trouxeram-lhe ainda mais loucura e agora, questionado sobre o que fazer com uma choruda herança, percebeu já ter vivenciado tudo o que os cromossomas XY lhe podiam oferecer.

A grande frustração foi durante toda a sua máscula existência não ter sido capaz de decifrar o maior enigma de todos os tempos: ser mulher. Para a missão ser bem-sucedida conta com os amigos de sempre, que entre o choque, a ganância e a atracão, esforçam-se por lembrar que aquele belo rabo de saia ainda ontem só usava calças, confrontando-se hilariantemente com os seus próprios preconceitos, desejos, traumas e identidade.

Horários:

6ª a sábado às 21h30

Preços: 1ª plateia 19€ / 2ª plateia 16€

O Verão trouxe consigo até ao Auditório dos Oceanos do Casino Lisboa uma nova comédia. Rabo de Saia estreou no início de Julho e promete muita gargalhada. 

Contando a história de quatro amigos, Quim (António Melo), António (Fernando Ferrão), Xavier (Joaquim Nicolau) e Manel (Almeno Gonçalves), percebemos que iremos encontrar também Manela, ou será antes a Rute ou a Tânia? O nome não está escolhido, mas o certo é que Manel já não o é.

Rabo de Saia pode ser visto até ao final de Julho, de Sexta-feira a Domingo, onde o quarteto de atores bem conhecidos do público conquista como já havia acontecido com trabalhos teatrais como a Crise dos 40 e Loucura dos 50. Agora eles têm um belo Rabo de Saia pelo meio e o humor está garantido ao mesmo tempo que questões como a amizade, o amor, a família e o trabalho são colocadas quando de um momento para o outro ele passa a ser ela. Este é um verdadeiro cocktail de emoções em palco servido entre amigos. 

Para vos presentear tenho dois convites duplos para vos oferecer destinados à sessão de 21 de Julho, Sábado, pelas 21h30. Este passatempo irá estar disponível até às 12h00 de dia 20 de Julho, Sexta-feira, e nesse mesmo dia serão revelados os nomes dos vencedores nesta mesma publicação, sendo o sorteio feito através do sistema automático random.org. Os premiados serão contactados via email com as recomendações para o levantamento dos convites duplos acontecer nas melhores condições. Para a participação ser válida tens de seguir os passos que se seguem...

13
Abr18

Suite 647 | UAU

suite 647.jpg

Suite 647, Uma Viagem no Tempo Num Quarto de Hotel

Suite 647, peça encenada por Fernando Gomes, sobe ao palco do Auditório dos Oceanos do Casino Lisboa, a 11 de abril. O guião, escrito originalmente em 1994 pelo escritor e dramaturgo inglês Alan Ayckbourn, foi traduzido e adaptado por Fernando Villas-Boas. Em cena, os atores Gabriela Barros, Jorge Corrula, Manuela Couto, Ruben Madureira, Sérgio Praia e Sissi Martins cruzam-se, entre portas, em três épocas distintas. Se a premonição nos permite mexer no destino e mudar a sina, sim. Pelo menos é isso que esta trama, tão atual quanto assertiva e intricadamente inteligente, nos revela. Suite 647 é uma história que se passa num quarto de hotel em 2038, mas também em 2018 e em 1998. De visita a um cliente num hotel, Poupée teme pela própria vida e foge pela primeira porta que se atravessa no seu caminho. Olhando ao seu redor, descobre-se no mesmo quarto de hotel... 20 anos antes. À sua frente, Renata, uma mulher que morreu há precisamente 20 anos, ou seja, nesse mesmo dia. Parece confuso? H. G. Wells diria que não e que o tempo se encarrega de reescrever a história de todas as personagens envolvidas na trama. Eis uma comédia com muito suspense, obscura, tal como no jogo de tabuleiro Cluedo: todo o elenco é, na sua essência, um agente de mudança.

Suite 647 apresenta-se ao público como uma comédia negra onde um quarto de hotel dividido em três épocas distintas forma todo um cenário onde momentos peculiares entre as várias personagens vão surgindo, numa mistura de passageiros do tempo com a ideia de tirem-me deste filme. 

Poupée, a personagem central excelentemente interpretada por Gabriel Barros, torna-se o centro de todas as atenções logo quando entra em palco, desinibida, apresentando-se como uma prostituta sem pudores. Chegada ao quarto do seu cliente, o serviço que esperava ter pela frente revela-se bem diferente, mais calmo e sem ser necessário usar os seus melhores trunfos. Só que nem tudo é assim tão fácil e sem esperar Poupée, em pleno 2038, vê-se perante uma confissão que a deixa em pânico. É que o seu cliente, Ricardo, interpretado por Sérgio Praia, matou, ou melhor, mandou o seu melhor amigo, o Julião de Rúben Madureira, matar as suas duas esposas. A fuga é o seu instinto, mas entrando num armário que se virá a descrever como um portal do tempo, acaba por entrar no mesmo quarto, mas recuando até 2018, encontrando um passado rocambolesco.

Chegada a 2018 encontra justamente a segunda mulher de Ricardo, Renata, com Manuela Couto a brilhar sem hesitações. Poupée encara esta mulher sozinha no quarto, no exato dia em que anteriormente ficou a saber que seria o da sua morte. Confuso? Ainda há mais para se saber, já que falta a primeira mulher de Ricardo, a Jéssica de Sissi Martins, saber que também tem um assassino dentro de casa e para isso acontecer é necessário alguém recuar ao mesmo local mas por outra época, chegando a 1988.

Quem vai acompanhando toda a história da Suite 647, mas sem perceber o que se está a passar, existindo somente uma vontade de fazer o bem em troca de alguma recompensa mais generosa é o segurança do hotel, Arnaldo, interpretado por Jorge Corrula.