Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

15
Jan19

O arraso de Rita Pereira

O Informador

rita pereira.jpg

Só quem viu a última gala do Dança com as Estrelas, no passado Domingo, 15 de Janeiro, consegue perceber quando digo que Rita Pereira conseguiu no espaço de pouco mais de duas horas arrasar e olhem que não falo somente da sua indumentária. 

Se quando estreou esta nova temporada do programa de dança a dupla Rita Pereira e Pedro Teixeira apareceu formatada e com a lição estudada sobre o que tinham de fazer quando começaram a perder, aos poucos a dupla tem vindo a melhorar e a ganhar bastante confiança perante as câmaras no campo da apresentação. Se de semana para semana o formato subiu e tornou-se de novo líder, no passado Domingo as coisas ainda melhoraram mais e além de continuarem a conquistar o top das audiências, a dupla conseguiu transmitir a ideia, principalmente a Rita, que é na apresentação que tem de continuar a ser aposta.

A atriz e agora apresentadora enfrenta tudo a que se propõe com ambição de conseguir fazer mais e melhor e por estes dias foi isso mesmo que acabou por demonstrar. Com garra, os passos certos, as dicas e tiradas certeiras e diretas para a imprensa e não só, um decote bem generoso e um à-vontade incrível onde até deu para improvisar em vários momentos e muito bem. Nesta última gala Rita foi a verdadeira estrela que brilhou, deixou brilhar e fez com que todos à sua volta sentissem a sua boa vibração e capacidade para ser a estrela que fez todo um programa de dança arrasar com a ajuda de concorrentes, jurados e Pedro Teixeira, mas onde a atriz deu tudo e conseguiu o que queria.

27
Fev18

Apresentação de Doida Não e Não!

O Informador

doida não e não.jpg

A paixão pelos livros reside e por vezes existe um chamamento que nos leva a querer saber um pouco mais sobre a história que nos faz companhia ao longo de dias. Foi isso que aconteceu com Doida Não e Não!, obra que foi relançada para uma quinta edição, com nova capa e novos apontamentos, nove anos após os primeiros exemplares terem sido publicados pela Bertrand Editora que acreditou no trabalho de Manuela Gonzaga sobre a vida de Maria Adelaide Coelho da Cunha, a herdeira do império do Diário de Notícias. 

Comecei a ler e recebi o convite para marcar presença numa das sessões de apresentação da obra, onde além da autora e do representante editorial estariam também presentes Carlos Poiares, vice-reitor da Universidade Lusófona, Júlia Pinheiro, Diretora Executiva de Conteúdos da SIC e Apresentadora, Luís Filipe Sarmento, Escritor, e Monique Rutler, Cineasta. Reti o local onde a dita apresentação iria acontecer e vi que o horário estava compatível com os meus afazeres profissionais. E assim ficou marcado na agenda mental que no passado dia 23 de Fevereiro, pelas 18h00, iria estar no Auditório Armando Gebuza da Universidade Lusófona, para assistir à apresentação de um livro que me está a dizer tanto e sobre o qual quero saber um pouco mais. 

Fui, cheguei mesmo na hora marcada, o início da sessão atrasou-se, como é costume nestes eventos, e acabei por presenciar hora e meia de uma apresentação fantástica, onde amigos, conhecidos e contadores de histórias se juntaram à mesa para presentearem os convidados com factos sobre o grande exemplo que Maria Adelaide Coelho da Cunha deu na sua época a muitas mulheres que viviam enclausuradas por relações doentias, procurando a verdadeira relação amorosa onde os sentimentos falam mais alto, mesmo que para isso tenha tido que abandonar tudo e sofrido com a opressão social que a levou até a locais onde nunca devia estar presente porque esta Maria, entre tantas outras, de doida pouco tinha, o que sabia é que queria amar a pessoa certa e não viver num casamento milionário mas de fachada. 

13
Ago16

As Árvores Morrem de Pé

O Informador

IMG_6720.JPG

Filipe La Féria, Eunice Muñoz e Ruy de Carvalho sonharam levar a palco uma versão do espetáculo de Alejandro Casanova e o dia 11 de Agosto de 2016 simbolizou o arranque junto do público de um desejo de dois grandes atores e um encenador de excelência no panorama nacional. As Árvores Morrem de Pé é o novo espetáculo de Filipe La Féria para o Teatro Politeama e a estreia não poderia ter corrido melhor!

Com Manuela Maria, que divide a sua personagem com Eunice Muñoz, e Ruy de Carvalho nos comandos de um elenco bem conhecido dos espetáculos de La Féria, esta produção assinala o regresso aos grandes textos teatrais, quebrando o fio que vinha a ser feito através das várias revistas à portuguesa que subiram ao palco pelos últimos anos no Politeama. As Árvores Morrem de Pé é por si só um espetáculo que fala por si mas se lhe colocarmos os grandes da nossa representação a encabeçar o elenco acaba por ser perfeito. 

Plateia esgotada sem existir espaço para mais. Público bastante atento ao que ia ser feito. Encenador confiante. Equipa técnica alegre. O pano sobe e o palco mostra-nos que uma vez mais as Produções Filipe La Féria não falham no cenário e na caracterização dos personagens. O elenco começa a desfilar, uns com maior destaque que outros, como sempre, e rapidamente entra em palco Ruy de Carvalho que recebe os aplausos de um público que sabe perfeitamente a razão de estar naquela sala. A história começa a desenrolar-se e vamos sendo levados por atores que interpretam clandestinos atores até ao grande centro da ação, a casa onde está no momento a avó que poderia ser de todos nós.

Manuela Maria dispensa qualquer tipo de apresentações e confesso que é a grande surpresa desta estreia. Gosto e sempre gostei desta atriz que ao longo da sua vida tem feito história na representação, mas não pensei que estivesse tão bem e me conseguisse levar rapidamente do riso ao choro de forma perfeita e sem que tenha tido tempo para pensar nas alterações repentinas de uma personagem que lhe encaixa na perfeição. Seriedade, serenidade, calma, humana, profissional... Tanta coisa que tinha agora para contar sobre o que senti com a prestação de Manuela Maria pelas tábuas do Politeama. Emoção é acima de tudo o que esta grande atriz, tal como Ruy de Carvalho, conseguem passar para quem assiste a este grande espetáculo que irá ficar certamente em cena durante uma grande temporada. 

O talento em As Árvores Morrem de Pé não se coloca em questão porque dos jovens aos seniores, todos têm e revelam grande experiência. O texto está lá, tendo um grande contraste entre o bem e o mal que se atropela de forma positiva entre si. O cenário perfeito, o guarda-roupa perfeito, a iluminação perfeita. Enfim, tudo perfeito num sucesso que ainda agora começou!

02
Jul15

Roupa de baú

O Informador

Quando os eventos aparecem as pessoas continuam com os pensamentos de que têm de ir todas emproadas e com as suas melhores indumentárias para conseguirem estar bem apresentáveis e ainda serem o centro das atenções. O pior desses momentos é que muitos se esquecessem que o traje escolhido para o dito evento não vê a luz do sol há algum tempo e o cheiro a naftalina que tantas teimam em usar é insuportável.

A roupa saída do baú onde o cheiro é insuportável é desagradável e ponto! Primeiro porque geralmente esse tipo de vestuário já é antigo e não usado nos dias que correm! Em segundo porque os cheiros que tanto adoram colocar dentro dos móveis para proteger de traças e seus primos não ajudam à festa! Em terceiro, será que o ser que se sente bem vestido não percebe o desagrado que o seu lindo conjunto espalha para si e perante os outros?

09
Jan15

Próxima leitura... Amores e Saudades de um Português Arreliado

O Informador

Amores e Saudades de um Português ArreliadoA única coisa é a vida, recheada de felicidade, cheia de alegria e com muita sabedoria. Poderia estar para aqui a tentar encontrar o ritmo de Miguel Esteves Cardoso na apresentação do seu livro Amores e Saudades de um Português Arreliado, no entanto não me parece ter as capacidades para lá chegar. Poderia tentar e tentar, mas para isso não poderia dedicar-me à leitura desta obra do autor, a primeira que leio e que acredito que valerá a pena!

A única coisa é a vida. A única coisa é a vida de cada um. Sem vida, nada feito. Viver não é a melhor coisa que há: é a única coisa. Cada momento da vida não é único. Mas há momentos únicos. A nossa felicidade não é passá-los como quisermos. É dar por ela a aproveitá-los. (…) A única coisa é saber que um dia virá em que nos será tirada a vida. Para sempre. Mas, por sabermos isso, não podemos perder tempo a pensar nisso. (…) A única coisa é estar aqui, agora, a escrever isto. Enquanto posso. Enchendo-me de alegria.

03
Jan15

A Virgem

O Informador

A VirgemA Virgem é daqueles livros que consegue ser lido de rajada através das suas personagens tão bem criadas que acompanham o leitor pelos caminhos e casebres por onde Catarina vai passando. Há alguns meses que tinha esta obra lançada pela Guerra e Paz pela fila de espera para ser lida, agora pelos últimos dias de 2014 atirei-me à sua leitura e só tenho coisas boas a revelar ao mundo sobre a criação de Tempestade Celestino.

Um romance suave que retrata na perfeição e de forma pormenorizada o povo de Lobito, os lugares e conversas ocorridos em plena avenida e pelas casas da cidade. Personagens com sotaque descrito ao longo da obra, frases bem especiais e um grande pormenor com que todos os capítulos contam e que faz uma boa diferença na minha perspectiva. As citações mundiais, de mestres e do povo, que dão o mote para as páginas seguintes deixando antever o que poderá acontecer numa história que está sempre viva, com grandes mudanças e onde o que parece não é.

Tempestade Celestino é um autor completamente desconhecido entre nós portugueses mas capaz de vir a agarrar o público que aos poucos ganhar contacto com o seu trabalho. Fiquei agradado com esta suave leitura, não sendo um romance para chorar até que as pedras da calçada estejam lavadas, A Virgem é daqueles livros que se adapta a qualquer circunstância onde se queira ler para relaxar, sem que se tenha que sofrer e viver em grande a história que vai sendo contada. 

Um autor que vale a pena quando se quer descansar na literatura e acompanhar um bom romance, com momentos de humor e realidade!

Catarina é muito bonita, religiosa, educada,obediente, bondosa e não con­segue terminar uma frase sem sorrir. Não há em todaa cidade do Lobito nenhuma moça que cante como ela. E é virgem. Talvezdemasiado virgem.

Catarina é a mulher que todo o homem querter. Pretendente à mão de Catarina, o maestro Martins da Silva Caquarta é ohomem que nenhum ho­mem quer ser. Porquê?

Esta é a história que o povoconta: a bela corista Catarina, o grande maes­tro Caquarta. Será que tocam amesma música?

Agora um aviso,muadié leitor. Para leres A Virgem prepara-te:

Vais viajar de azulinho, pagas 500 kz e tens sorte se ninguémsenta no teu colo.

Tens de pagar assoria a Rei Panda e Bolo Fofo, malandros quecontrolam a mal-afamada discoteca Estraga Família.

Queres casamento? Paga alembamento na tia Bolinha: quatro pa­resde sapato cabedal de marca Luísa vaiumtone três garrafas de Minet Espumante Grão Couve.

Capricha a ouvir o coro Maná Celestial. Até os flamingos lheaplaudem.

Não se meta com a tia Nonjamba. No tempo colonial, ela humi­lhouuma karateca, negra bonita, seios provocantes, ancas vo­lumosas, conhecida comoMaria Bunda.

Se na casa do pastor Romano falta então a electricidade, grita sócom os candengues: Uóóóóóó! Luz foi.

Poças, pá, lês e não vais contar no Fecibuki.

02
Jan15

Hoje é dia de...

O Informador

Amor e InformaçãoO ano por aqui começa também com a presença pela Sala Azul do Teatro Aberto onde irei assistir ao mais recente espetáculo Amor e Informação, da autoria de Caryl Churchill. Será hoje, pelas 21h30, e depois revelarei a opinião sobre o mesmo pelos próximos dias!

O ano cultural tem assim início na minha vida! Desejem-me bom espetáculo e façam o mesmo sempre que possível porque a arte é um bem social tão desvalorizado nacionalmente!

Amor e Informação, de Caryl Churchill

Sinopse: Ama-se e deixa-se de amar, perde-se a memória de quem se amou, recorda-se os tempos do amor, faz-se o luto, vai-se à procura da intensidade do sentir longe da civilização, tem-se uma paixão virtual difícil de explicar, idolatra-se uma estrela até à loucura. Quer-se saber mais, esconder o que se sabe, revelar segredos, não esquecer nada, conhecer o futuro, perceber a dor, o medo, o significado das palavras, o sentido da vida. Como num caleidoscópio ou num zapping de imagens, surgem mais de 100 personagens em mais de 50 peças curtas e outros tantos intermezzos, criados por esta encenação, numa proposta teatral invulgar que investiga sempre de novos pontos de vista os múltiplos aspectos da nossa infinita necessidade de amor e de conhecimento.

Encenação: João Lourenço

Com: Ana Guiomar | Carlos Malvarez | Cristóvão Campos | Francisco Pestana | Irene Cruz | João Vicente | Marta Dias | Marta Ribeiro | Melim Teixeira | Patrícia André | Paulo Oom | Rui Neto | Teresa Sobral

banner mrec exames nacionais e provas de aferição

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Comentários recentes

Pesquisar

Atual Leitura
Top mais vendidos Wook