Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Banner billboard Saldos 2019
10
Nov18

Convites Duplos | Faz-te Homem | 15.11.2018

| O Informador

Dois amigos de longa data decidem debater a sempre polémica temática do papel do homem na nossa sociedade e as suas ramificações com tudo o que o rodeia, com tudo o que se mexe… mulheres incluídas. A melhor forma que encontraram para abordar o abominável mundo do homem foi organizar uma “Conferência de e para Machos”, denominada Faz-te Homem, onde irão expor as suas indignações, receios, traumas, medos, frustrações, no fundo, o que os apoquenta.

Os espetadores, atentos à conferência sobre Futebol, Carros, Gajas, Porrada, poderão ser chamados a intervir.

António Machado e João Didelet estrearam no passado dia 07 de Novembro no Teatro Armando Cortez, em Lisboa, a comédia Faz-te Homem, inspirada no livro de Luís Coelho. Com cerca de uma hora de espetáculo, os dois atores debatem com todos os Zés da plateia, numa conferência de e para «machos», temas que intervém no dia-a-dia de todos os homens mas também na convivência com a ala feminina da sociedade. Sexo, filhos, futebol, rabos, gadgets, copos e compras são apenas alguns dos temas debatidos neste divertido espetáculo que se encontra com sessões às Quartas e Quintas-feiras pelas 21h30 na sala lisboeta. 

Para que todos possam ter a sorte de assistir a Faz-te Homem, sessão de dia 15, tenho convites duplos para vos oferecer. Este passatempo irá estar disponível até às 18h00 de dia 14 de Novembro, Quarta-feira, e nesse mesmo dia serão revelados os nomes dos vencedores nesta mesma publicação, sendo o sorteio feito através do sistema automático random.org. Os premiados serão contactados via email com as recomendações para o levantamento dos bilhetes acontecer nas melhores condições. Para a participação ser válida tens de seguir os passos que se seguem...

09
Nov18

Faz-te Homem | Yellow Star Company

| O Informador

faz-te homem.png

Dois amigos de longa data decidem debater a sempre polémica temática do papel do homem na nossa sociedade e as suas ramificações com tudo o que o rodeia, com tudo o que se mexe… mulheres incluídas. A melhor forma que encontraram para abordar o abominável mundo do homem foi organizar uma “Conferência de e para Machos”, denominada Faz-te Homem, onde irão expor as suas indignações, receios, traumas, medos, frustrações, no fundo, o que os apoquenta.

Os espetadores, atentos à conferência sobre Futebol, Carros, Gajas, Porrada, poderão ser chamados a intervir.

António Machado e João Didelet estrearam no Teatro Armando Cortez, em Lisboa, um novo espetáculo com o selo de qualidade que as produções da Yellow Star Company já habituaram o seu público. Baseado no livro Faz-te Homem, da autoria de Luís Coelho, esta comédia teatral adotou o mesmo nome da obra escrita e foi encenada por Paulo Sousa Costa para ser apresentada ao público. 

Numa verdadeira conferência de homens e para homens, António Machado e João Didelet são dois Zés entre os que se sentam na sua frente para ouvirem o que todos pensam sobre as diferenças entre homens e mulheres, as desigualdades, problemas e injustiças de um casamento, os filhos, o sexo, o futebol, os rabos, a roupa e tudo o que pode gerar qualquer tipo de diferenças entre os pensamentos de ambos os sexos e mesmo os comportamentos aceitáveis do universo masculino e o que começa a fugir da típica tradição máscula. 

 

18
Set16

Filho da Treta

| O Informador

filho da treta.jpg

José Pedro Gomes só deveria voltar ao trabalho lá para o final do ano, no entanto o universo lançado ao lado de António Feio há alguns anos chamou por si através de Filho da Treta, desta vez na companhia de António Machado. 

Numa comédia que vive muito da simplicidade, cumplicidade, improviso e também do momento, em Filho da Treta dá-se a continuação das conversas de sucesso que eram feitas entre Zezé e Toni ao longo de cada sessão. Neste novo espetáculo a Zezé junta-se Júnior, filho de Toni, e a base central da apresentação continua toda lá, no entanto ainda existem várias coisas a ter em conta e a aperfeiçoar ao longo das próximas sessões. 

Num texto critico e atual, Filho da Treta vagueia pelos meandros da sociedade com vários comentários a surgirem ao mesmo tempo que várias situações caricatas vão sendo relatadas através do diz que diz entre as duas personagens que falam como amigos, confidentes e sabechões entre si sem que no entanto consigam estar ao mesmo nível devido aos anos de vida que os distanciam. Zezé, o cavalheiro lisboeta com anos de experiência com as mulheres, principalmente as alemãs, conversa com Júnior, o puto que tem muito para aprender mas também para ensinar ao amigo do seu pai, aquele que mal o conhecia. 

Com um simples cenário onde duas cadeiras se destacam com uma bicicleta ao canto e luzes a revelarem os rostos dos atores, este espetáculo vive muito das expressões faciais, o que pode não jogar a favor junto do público que fique em filas mais distantes do palco. Com um texto simples, um pouco abaixo do que era feito outrora em Conversa da Treta, mas o tempo também mudou e hoje em dia é muito mais complicado agradar a gregos e troianos como antigamente, esta é daquelas peças que se vai ajustando através da aceitação e critica do público.

Ironia e boa disposição distinguem neste momento Filho da Treta da maioria do que é feito atualmente nos palcos nacionais. Com dois atores em palco, um simples cenário e a atualidade como destaque, vários temas chave são debatidos entre Zezé e Júnior, tal como os tuk-tuk nas cidades, a guerra entre taxistas e Uber, as barrigas de aluguer, as famílias homossexuais, emigração, impostos, fraude fiscal através do programa Simplex, as Off Shores, Ricardo Salgado e José Sócrates. As manifestações pelo debate entre o ensino público e privado e a igualdade de género protagonizada por Catarina Martins são temas que também não são esquecidos. 

Neste espetáculo existe também espaço para um rápido momento musical com alusão à queda do Banco Espírito Santo, do Banif e a todas as complicações da Caixa Geral de Depósitos, sem esquecer Isabel dos Santos que tem comprado o nosso país. 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Não que seja a prática a recomendar obviamente o q...

  • Sofia

    A letra de médico no geral é ilegível! As empresas...

  • O Informador

    No campo profissional acho que sempre consegui man...

  • Sofia

    A nível pessoal tens o.pode de decisão de deixar a...

  • O Informador

    Quando não tenho empatia inicial na vida não tento...

Mensagens

Pesquisar