Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Casamentos: ficar bem na fotografia é obrigatório

08
Jul19

fotografia casamento.jpg

 

Suspeito que nenhum de nós vai passar por este verão sem ir pelo menos a um casamento. O dia de Sto. António abriu a temporada alta dos casamentos e agora é aproveitar a ocasião para rever os amigos, os primos que já não víamos há séculos e juntar toda a família. Sem dúvida, um dia para recordar.

Ainda assim, ninguém vai querer recordar mais o dia do casamento do que os noivos. Nessas coisas, confesso que sou um romântico. Olhar para as fotografias de casamento e ver que todos os nossos amigos e familiares se reuniram num determinado dia para celebrar o amor não pode deixar de ser gratificante e emocionante. Por outro lado, olhar para as fotografias, ver-nos mais novos, sem qualquer preocupação, e perceber que seguem ao lado da mesma pessoa é digno de um arrepio na espinha.

É por isso que acho que, de todas as coisas em que se pode poupar (ou mesmo prescindir) num casamento, o fotógrafo não é uma delas. Se tiramos centenas de fotos só num fim de semana ali em Espanha, como é que é possível deixar a fotografia de casamento, o derradeiro postal da cerimónia tão especial e preciosa, nas mãos de um perfeito amador?

As fotografias de casamento são uma das maiores recordações que levamos do grande dia - os únicos obstáculos aos truques da nossa memória, os partisanos que resistem à passagem do tempo. Não é por acaso que todos nós adoramos ver as fotos de casamento dos nossos pais, avós e bisavós. Às vezes, dão-nos a conhecer olhares apaixonados que não tivemos oportunidade de testemunhar ao vivo - mas sem os quais nem sequer estaríamos aqui.

Tudo o que sei sobre o Amor | Dolly Alderton

21
Jun19

tudo o que sei sobre o amor.jpg

 

Título: Tudo o que sei sobre o Amor

Autor: Dolly Alderton

Editora: Cultura Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Abril de 2019

Páginas: 300

ISBN: 978-989-54374-7-4

Classificação: 2 em 5

 

Sinopse: Quando se trata das provações e triunfos da jornada até à idade adulta, a jornalista e ex-colunista do SundayTimes, Dolly Alderton, já viu e experimentou de tudo. Ela descreve-nos vividamente o processo por que passamos quando nos apaixonamos, a luta contra a autossabotagem, a procura de um emprego, o que é dar uma festa desastrosa cuja temática é o RodStewart, apanhar uma bebedeira, levar com os pés, perceber que o Ivan da loja da esquina é o único homem com o qual sempre pudemos contar, e descobrir que as nossas amigas estão sempre lá, no fim de cada noite de desgraça. Este é um livro sobre encontros para esquecer, boas amigas e – acima de tudo – sobre sabermos reconhecer que somos suficientes.

Dolly Alderton sobreviveu (à tangente) aos seus Vintes e, em Tudo o Que Sei Sobre o Amor, apresenta-nos uma descrição impávida dos encontros catastróficos e dos apartamentos miseráveis, dos desgostos de amor e das humilhações e, o mais importante, das inquebráveis amizades femininas que a ajudaram a aguentar-se. Cheio de humor, coração e perspicácia, este é um livro para dar a todas as mulheres que já passaram por lá ou que estão prestes a dar o primeiro passo rumo ao resto da sua vida.

 

Opinião: Numa fase inicial da leitura de Tudo o que sei sobre o Amor somos convidados a entrar na vida da própria autora e suas companheiras de juventude que se estenderam pelos primeiros anos de adulta e a nostalgia com diversas situações com que me fui identificando aconteceram. Só que e como nem tudo consegue fluir de forma a conquistar na sua totalidade, esta leve biografia acabou por cansar pela forma repetitiva com que os temas são retratados. 

Os amores, as visitas aos pais, as conversas via telemóvel, festas regadas a álcool, drogas e sexo, a primeira vez, os encontros descomprometidos e os vários temas que invadem a vida dos jovens são comentados e partilhados nesta recriação de Dolly Alderton que dá aos seus leitores um pouco do que foi a sua vivência. Sim, todos conseguimos encontrar pontos em comum com estas vidas, como é o caso das memórias e amor que vamos criando para com os nossos amigos mais próximos ao longo da vida, partilhando, conquistando e tornando quem nos está próximo numa verdadeira família do coração.

SIC e TVI com encontros amorosos

09
Jan19

first date.png

Começaram a ser anunciados ainda em 2018 e estrearam logo no segundo dia de 2019! Falo das duas mais recentes apostas dos finais de tarde da televisão portuguesa, O Carro do Amor, na SIC, e o First Date, na TVI. Aparentemente o amor parecia estar a invadir o pequeno ecrã com formatos de encontros que podiam ser de amor à primeira vista. Mas quem acredita mesmo nisso?

Na SIC além da apresentadora ser a mesma de Casados à Primeira Vista, fazendo assim uma tentativa de continuação do programa de Diana Chaves que até correu melhor que a maioria das apostas do canal, a aposta recaiu assim em colocar desconhecidos num carro, a passearem pela cidade enquanto falam e se tentam conhecer. A par disto aproveitaram os especialistas do amor do formato anterior para comentarem cada encontro, num novo formato cuja produção está bem composta, com qualidade de imagem que consegue unir-se a uma produção cuidada e agradável de se ver. 

Amor Ocasional | Série Netlix

23
Dez18

amor ocasional.jpg

A fama das comédias francesas no cinema é das melhores. E se colocarmos a mesma qualidade que é imprensa na grande tela numa série cuja primeira temporada tem oito episódios que são vistos num ápice e com agrado? Cheguei assim até à série Amor Ocasional, uma produção da plataforma Netflix.

Amor Ocasional é assim uma comédia romântica passada em Paris e onde a vida de três amigas é contada com todas as peripécias das suas relações amorosas. Protagonizada por Zita Hanrot, no papel de Elsa, uma jovem mulher que perde a ideia do amor perfeito e desiste de procurar a verdadeira paixão na sua vida. Só que as suas duas amigas, Charlotte, Sabrina Ouazani, e Emilie, Joséphine Drai, não desistem de ver o terceiro elemento do grupo sozinha e com isso e com as melhores intenções do mundo do seu lado, acabam por contratar um acompanhante para se fazer passar por uma forte paixão para Elsa. Só que, tal como é esperando neste estilo de produções, os planos inicialmente previstos não correm como planeado e a contratação acaba por ganhar outros sentimentos por esta jovem que deambula sozinha pela sociedade. 

O Sal da Vida | Helena Sacadura Cabral

21
Dez18

o sal da vida helena sacadura cabral.jpg

Título: O Sal da Vida

Autor: Helena Sacadura Cabral

Editora:  Clube do Autor

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Outubro de 2018

Páginas: 216

ISBN: 978-989-724-452-0

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Ternas, irreverentes e por vezes com final inesperado, as novas histórias de helena Sacadura Cabral revelam os diversos caminhos em busca do amor e da felicidade.

Reais ou ficcionadas, são fragmentos de vidas que mostram a riqueza do quotidiano e a importância dos afetos; são o espelho da nossa sociedade inquieta e refletem a firme convicção de que todos podem ser donos do seu próprio destino.

 

Opinião: Helena Sacadura Cabral reúne em O Sal da Vida histórias reais e inéditas onde se juntam espaços de ficção num romance de crónicas escritas ao longo do tempo e que foram ficando para agora poderem ser lançadas num livro onde o amor, a perda, a saudade e a felicidade ganham destaque. Para Helena Sacadura Cabral estas memórias tinham de ser contadas com o pretexto de que «Viver é muito mais do que existir. É lutar para ser feliz, amar e ser amado.» e é assim que O Sal da Vida surge junto do leitor.

Começando por mostrar os Encontros e Desencontros que a vida nos vai colocando pela frente ao longo do tempo, são vários os relatos próprios e ficcionais dados a conhecer de forma simples, sem criar ilusões e com um significado único. Cada linha deste livro é falada, relatada como se a autora estivesse a divagar para si própria, sem criar desenhos literários para que o texto venha a ficar com uma maior perfeição e um estilo gramatical mais elaborado. Não, em O Sal da Vida existe verdade, existem relatos tal como são pensados e não criando grandezas que só tendem a piorar o que realmente importa para quem está do outro lado, o leitor. Dos Encontros e Desencontros passamos para as Encruzilhadas da Vida onde os inesperados acontecem e há que manter as forças para ultrapassar cada ponto negativo que se nos atravessa pela frente. As perdas e os problemas na vida de Helena e as criações para ajudar a reforçar este capítulo são reais, são possíveis e podem acontecer a qualquer um. Visitamos posteriormente As Datas que nos Marcam e percebemos que como todos nós existem os bons e os maus momentos, onde existem datas que podem ser celebradas mas também as que ano após ano nos deixam mais cabisbaixos porque alguém partiu e aos 84 anos de idade Helena Sacadura Cabral sabe bem o que é a perda de pessoas de quem ama mas que continuam bem presentes na sua vida através de memórias e recordações que permanecem consigo e perante os seus olhos. As peripécias recriadas em Contado, Ninguém Acredita e finalmente Construir um Caminho para a Felicidade são os últimos pontos a serem desfiados por esta magnifica mulher que sempre luta pelo bem-estar interior e também de quem está ao seu redor. 

Este Espaço é Teu! | Incapacidade de Agir

17
Dez18

força.jpg

Como pudemos ajudar alguém que amamos tanto a ultrapassar um problema de saúde, quando não temos na nossa mão a solução para o problema, a não ser ouvir, estar presente e dar apoio, nestas alturas sentimos-nos tão impotentes.

Anónimo,

Mensagem deixada na caixa Este Espaço é Teu!

Acredito que seja um verdadeiro sentimento de incapacidade perante a necessidade de agir, precisando de mostrar força e coragem com o espírito de que tudo vai correr da melhor forma, mesmo quando à partida já se sabe que o futuro não será assim tão risonho como se tem de transmitir a quem mais do que nunca necessita de um apoio que tem de surgir de todos os lados. Por vezes é mesmo quem está doente quem transmite aos que estão ao seu redor o positivismo de que todos necessitam naquele momento em que uma súbita doença tudo muda mais do que uma vida que segue num rumo que fica congelado de forma indefinida.

O sentimento de impotência e verdadeira incapacidade para fazer o que não está nas nossas mãos, meros seres mortais. Agarrar um conflito interior em que é necessário ganhar forças para transmitir a quem necessita mais do que nunca de nós, mas ao mesmo tempo encontrar um refúgio para que nos momentos a solo consigamos recuperar a coragem para que o abatimento pessoal não nos leve por um complicado caminho em que depois nem para nós nem para quem precisa do nosso apoio. 

Este Espaço é Teu! | Amor Homossexual

03
Dez18

amor.jpg

O amor não é para todos.

A homossexualidade não é uma escolha.

Não sei se não nasci para o amor ou se este não é para mim. Como poder dar-lhe a mão, caminhar lado a lado, ver as estrelas, partilhar um chocolate quente… E não falar de sexo durante 12 a 24h do dia? Como encontrar quem goste de mimar e ser mimado, de afetos e não dê prioridade ao sexo anal?

Tal como dizem alguns gays assumidos "Tu não és gay!" Será? Mas é com ele que sonho banhar-me, abraçar, trocar confidências Somente o anal nada me diz, a não se dor ou um órgão cujo encanto não compreendo.

E se abrasasse? A rejeição. Sou mais velho, não obedeço aos critérios anatómicos tidos como cativantes nos nossos dias… Para o amor não nasci.

Anónimo,

Mensagem deixada na caixa Este Espaço é Teu!

 

Orientações! Nada define uma pessoa através dos seus gostos. Amar! Afinal o que é o Amor? Amar uma pessoa do sexo oposto ou do mesmo sexo? O que significa na verdade ter a palavra Amor como definição do que se sente pelo outro? O ser humano gosta de pessoas ou tem necessariamente de se sentir atraído por quem está do outro lado da barricada? Não nos podemos sentir atraídos a nível físico e intelectual por alguém igual a nós? Sexualidade, raça, religião... Diferenças existem mas não estamos aqui para aprendermos em sociedade a lutar e incentivar igualdades para o bem comum de todos?  E uma relação de afeto tem de ter necessariamente sexo? Quem não ama sem ir para a cama?