Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

29
Ago20

Pégaso | Danielle Steel

Bertrand Editora

pégaso.jpg

 

Título: Pégaso

Título original: Pegasus

Autor: Danielle Steel

Editora: Bertrand Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Agosto de 2020

Páginas: 360

ISBN: 978-972-25-3590-8

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: No auge da Segunda Guerra Mundial, na Europa, Nicolas e Alex são dois homens viúvos que criam os filhos sozinhos. Levam uma vida pacata e feliz, até que um segredo há muito enterrado sobre os antepassados de Nicolas ameaça a segurança da sua família...

Para sobreviver, têm de fugir para a América. Os únicos bens que Nicolas e os filhos podem levar são oito cavalos de raça pura, dois deles deslumbrantes Lipizanos oferecidos por Alex. Essas criaturas magníficas permitem o acesso a uma nova vida, garantindo a Nicolas um emprego no famoso circo Ringling Brothers. Ele e o seu famoso cavalo branco, Pégaso, tornam-se a peça central do espetáculo e não tarda a que uma jovem e graciosa trapezista lhe roube o coração.

Com o passar dos anos de guerra, Nicolas esforça-se por se adaptar à sua nova vida, ao passo que Alex e a filha enfrentam um perigo crescente na Europa. Enquanto a tragédia se alastra, o que acontecerá a cada família quando a sua felicidade estiver nas mãos do destino?

Uma belíssima história sobre o destino de duas famílias que nunca deviam ter-se separado e cujo poderoso vínculo as manterá unidas para sempre.

 

Opinião: Iniciado pela época de 1930 num seio aristocrático na Alemanha, o leitor de Pégaso é convidado a conhecer os amigos Alex e Nick, que vivem em duas belas propriedades vizinhas e onde a criação e ensino de cavalos é um dos fortes de Alex, principalmente de lipizzan, a raça de cavalos que nasce preta e se torna magnificamente branca como flocos de neve. 

Tudo corre bem quando Nick descobre que em plena época em que Hitler começa a liderar a Alemanha, a sua mãe, que não conheceu e que pensou ter falecido no parto, tem origem judia, o que faz com que este jovem com dois pequenos filhos, órfãos, tenha de deixar o seu pai e amigos e as suas terras para não correr o risco de ser enviado pelos nazis para um campo de concentração. Sem futuro certo e sem capacidade de reação por também não saber fazer nada, é Alex que ajuda o seu amigo de vida a definir o futuro e fuga do país. Com a excelente e bem vistosa raça de cavalos lipizzan com bons exemplares na sua propriedade, Alex decide encaminhar e organizar a partida de Nick, dos seus dois filhos e de dois dos seus lipizzan para um circo nos EUA. 

29
Jul19

A Escuridão | Ragnar Jónasson

a escuridão.jpg

 

Título: A Escuridão

Título Original: Dimma

Autor: Ragnar Jónasson

Editora: Topseller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Maio de 2019

Páginas: 288

ISBN: 978-989-8917-90-4

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Abrangendo as ruas geladas de Reiquiavique, os fiordes isolados e as Terras Altas da Islândia, A Escuridão é o novo romance de um dos nomes mais entusiasmantes do policial nórdico atual.

Aos 64 anos, a inspetora Hulda Hermannsdóttir, da Polícia de Reiquiavique, está prestes a ser forçada a reformar-se, mas antes quer levar a cabo uma última investigação: Elena, uma jovem refugiada proveniente da Rússia, foi encontrada sem vida numa enseada rochosa em Vatnsleysuströnd, na Islândia.

Assim que começa a fazer perguntas, Hulda não demora muito a perceber que não pode confiar em ninguém. Elena não foi a única mulher a desaparecer naquela altura, e ninguém parece estar a contar a história toda. Quando os próprios colegas tentam pôr um travão na investigação, Hulda tem muito pouco tempo para desvendar a verdade, mas está determinada a descobrir quem é o assassino. Ainda que isso signifique colocar a própria vida em risco.

 

Opinião: Tendo a Islândia como pano de fundo e Hulga como protagonista, é tempo de começar a entrar no mundo obscuro e sombrio de A Escuridão, o primeiro volume de uma nova série de Ragnar Jónasson que apresenta este seu livro através de um enredo bastante elaborado e de forma a prender o leitor de página a página. 

Primeiramente é apresentada Hulga, que aos sessenta e quatro anos percebe que está a dias de se aposentar, mesmo contra a sua vontade, e ver o seu lugar a ser rapidamente ocupado por um novo membro de energia renovada. Sem vontade de ficar no vazio de forma solitária, sem o dia-a-dia a que se habituou ao longo dos seus anos de trabalho esta mulher é o exemplo bem retratado por parte do autor de que nunca é tarde para arregaçar as mangas e continuar com o espírito de confiança e capacidade de fazer mais e melhor. Recusando o convite para se aposentar sem nada fazer, Hulga é convidada de forma ilusória pelo seu diretor a pegar num caso já arrumado de processos judiciais antigos que não foram resolvidos. O que resulta daqui é que este convite é mesmo levado a sério e esta mulher que não quer parar pega num processo que não viu o seu fim anunciado da melhor maneira e recomeça a investigar o que os seus colegas deixaram em tempos para trás. A partir daqui o desenrolar da ação ganha vários contornos bem promissores para um policial recheado de suspense e mistério em torno da morte de uma jovem russa que pedia asilo à Islândia. 

04
Jun18

Uma Pequena Sorte | Claudia Piñeiro

uma pequena sorte, claudia piñeiro.jpg

Autor: Claudia Piñeiro

Título original: Una Suerte Pequeña

Editora: D. Quixote

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Maio de 2018

Páginas: 256

ISBN: 978-972-20-6449-1

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Uma mulher regressa à Argentina vinte anos depois de a ter deixado para fugir de uma tragédia. Mas aquela que regressa é outra: já não tem a mesma aparência e a sua voz é diferente. Nem tem sequer o mesmo nome. Será que aqueles que a conheceram em tempos a vão reconhecer? Será que ele a vai reconhecer?

Mary Lohan, Marilé Lauría ou María Elena Pujol – a mulher que ela é, a mulher que foi e a mulher que terá sido –, volta aos arredores de Buenos Aires, ao subúrbio onde formou uma família e viveu, e onde irá enfrentar os atores do drama que a fez fugir. Ainda não compreende porque aceitou regressar ao passado que se havia proposto esquecer para sempre. Mas à medida que o vai compreendendo, entre encontros esperados e revelações inesperadas, perceberá também que às vezes a vida não é nem destino nem acaso: talvez o seu regresso mais não seja do que um pequeno golpe de sorte… uma pequena sorte.

Claudia Piñeiro surpreende e cativa com este romance incisivo e comovente, onde a realidade e a intimidade se cruzam numa densa teia urdida para prender o leitor.

 

Opinião: Pegar em Uma Pequena Sorte sem conhecer nada sobre a escrita de Claudia Piñeiro pode ser um risco, tal como percebi pelos primeiros capítulos desta obra que me assustou por me deixar perdido sem perceber onde me tinha realmente metido quando decidi iniciar a leitura desta narrativa. Senti-me desnorteado, sem encontrar o ponto onde me poder cruzar com a protagonista desta história, até que a descoberta acontece e o que parecia meio turbulento e sem rumo ganha uma linha condutora que me prendeu. 

Não percebi de forma imediata o que estava a ser contado e fiquei mesmo com a ideia que iria ser assim até ao final, só que não. A mudança acontece e a partir desse momento, que parecia tardar mas apareceu, tudo mudou e de um momento para o outro o que estava a ser maçador passou a ter conteúdo e um interesse que me levou a percorrer página a página num ápice até ao final que não me surpreendeu pelo que vai sendo contado mas que acabou por ir ao encontro do desejado. 

Contando um presente recheado de receios, angústias e ao mesmo tempo com ambições e dúvidas e regressando ao passado em determinados momentos, os alicerces estão todos bem vincados em Uma Pequena Sorte com a finalidade de aliciar o leitor que encontra a vida de uma mulher com um passado omitido e acaba por descobrir que por vezes a luta pelo parecer bem perante a sociedade acaba por desfazer uma felicidade plena. 

Alterar uma vida de forma total, deixar uma família para trás, mudar de nome e esquecer tudo o que ficou num outro país, esquecendo a felicidade do passado e apostando num presente e futuro longínquo, tão diferente quanto o inesperado porque as surpresas nem sempre estão do lado de quem opta por correr o risco de partir sem objetivos definidos pelo que está para chegar, só sabendo o que não quer levar consigo. 

Senti-me atraído pela história desta misteriosa mulher que receia regressar ao local onde já foi feliz mas que ao mesmo tempo procura nomes conhecidos, ruas por onde circulava, casas que frequentou e acima de tudo uma pessoa que sempre amou, mesmo sem nada saber sobre o que se terá passado a partir do momento em que decidiu partir após um acontecimento que gerou uma consequência bem dura não só para si. 

Valerá afinal de contas deixar tudo por resolver durante anos, décadas mesmo, sem saber o que está do outro lado? Fiquei preso, pensativo e a criar o que iria ser o desenrolar de cada situação que ia sendo contada, querendo sempre saber mais e mais porque cada página alterava o que estava a ser contado e o futuro parecia estar mesmo ali a acontecer ao lado.