Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

wook-natal-billboard

Cheguei aos 30!

05
Nov16

30_anos.jpg

Hoje, 5 de Novembro de 2016, assinala o dia em que entro na casa dos trinta! Faço anos, não estou triste por atingir os «inta» mas também não estou contente!

Primeiro encontro-me a trabalhar no dia de aniversário, para mais sendo Sábado! Segundo não gosto de celebrar datas festivas! Terceiro, este ano não me sinto inspirado para festejar!

Ao longo do tempo os anos vão passando e a vontade de estar em altas e sempre pronto para dar pulos de alegria e fazer a festa vão desaparecendo e é um pouco assim que me sinto. Este será mais um dia como tantos outros, somente diferente por receber dezenas de chamadas e mensagens a desejarem «Felicidades!» e com as redes sociais também a lembrarem os mais esquecidos acerca do aniversário que se assinala e sobre o qual é necessário, em alguns casos, enviar um comentário. 

A chegar aos 30!

28
Out16

No dia 5 de Novembro chego aos trinta anos e se me perguntarem se isso me causa algum problema só tenho a dizer que nenhum... Nada de nada!

Primeiro não sou de ligar a datas e aniversários, sendo um mero ausente com festejos próprios e tenho a confessar que dos outros também. Depois ano após ano não ligo aos número que vou somando sobre a presença na terra. Vou atingir uma marca! Upa! Upa! Poderia ficar todo feliz ou bastante triste, mas não, será só mais um aniversário que nem pretendo assinalar com festas e jantares porque não gosto, não aprecio e não me sinto inspirado para o fazer. 

Lembro-me da única vez que queria muito fazer anos! Os dezoito, tal como muitos adolescentes vibram por estarem a aproximar-se da marca de atingirem a maioridade! O que mudou nessa altura? Queria tirar a carta e perdi o entusiasmo, só a tendo tirado uns bons meses depois, queria conquistar o mundo e o mundo continua de todos e de igual forma. O que na verdade se alterou? Posso dizer que nada, tendo sido praticamente «uma montanha que pariu um rato». 

Aos trinta não tenho ideias do que deverá mudar para os próximos anos porque vou vivendo sem pensar na idade que poderá começar a pesar ou que fará a diferença no dia de amanhã. Tenho vinte e nove e a partir daquele dia quando me perguntarem a idade terei de dizer que tenho trinta anos sem qualquer problema, para mais quando depois a maioria me diz... «Verdade? Não parece nada!» O ego sobe e a verdade sobre a idade é totalmente colocada de lado nessas situações!