Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Só Eu Escapei | Teatro Aberto

só eu escapei.jpg

 

Num momento de pandemia a alterar o quotidiano de todos nós, o teatro em Portugal mostra estar bem vivo junto do público, existindo aposta, mesmo com todas as regras implementadas e alteradas de forma constante. No passado dia 07 de Novembro estreou no Teatro Aberto o espetáculo Só Eu Escapei. Com todas as condições implementadas pela DGS, esta nova produção teatral estreou, num horário especial como mandam as regras, pelas 19h00, e trás consigo alertas sociais sobre grandes questões mundiais, o que acaba por ir de encontro ao momento atual pelo qual todos passamos. 

Encontrando quatro mulheres em conversa num jardim de uma casa, Só Eu Escapei reflete sobre o ato de sobrevivência da humanidade, desbravando mudanças pelos mais variados temas que sempre fizeram parte das vivências destas quatro mulheres, nem sempre amigas. A família, as amizades e os empregos são pontos fortes onde todos os desejos e receios se foram abatendo com o tempo. Perante o passado e enfrentando o presente, o desafio destas conversas converge ao mesmo tempo no que está para acontecer no planeta, como se uma série futurista estivesse em exibição pelas palavras de cada uma. O flagelo dos incêndios, a seca, a fome, a perda da essência humana, o desaparecimento da natureza limpa e sã, a camada de ozono e fundamentalmente os descuidos do homem nos tempos correntes que irão afetar gerações vindouras que tarde chegarão para reverter os males que serão de outrora.

Neste texto de Caryl Churchill, autora de Amor e Informação, que foi apresentada em 2014, e interpretação de Catarina Avelar, Lídia Franco, Márcia Breia e Maria Emília Correia, com encenação de João Lourenço, as grandes questões da sociedade estão em debate a quatro vozes como que um alerta sobre os perigos que o presente está a colocar ao futuro perante tanta incapacidade de reação hoje para se pensar no que está para chegar. 

Quatro grandes nomes da representação em Portugal em palco, que confesso que me deixaram meio emocionado de início por pensar que poderei não ter assim tantos anos pela frente para as voltar a ver em palco no que de bom sabem fazer pela arte pela qual deram a sua vida profissional. Boas prestações, um texto algo turbulento e indireto, cenário simples e seguindo o estilo inconfundível das apresentações do Teatro Aberto e uma recomendação a ser feita a quem ainda não viu... Não tenham receio de voltarem ao teatro, passem agora os finais de tarde na companhia destas quatro atrizes que dão vida a mulheres individuais, com poder e personalidades fortes, mesmo com os problemas e dramas pessoais de cada uma. Só Eu Escapei representa por si só o grito de socorro perante o qual vivemos atualmente!

 

Só Eu Escapei_ensaio_3.jpg

 

Só Eu Escapei_ensaio_1.jpg

 

Só Eu Escapei_ensaio_2.jpg