Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

ebooks-billboard

Rotina das noites frias

photo-1450776598040-e0dbb5665213-1130x700.jpeg.jpg

 

Deito para dormir e não consigo adormecer com os pés frios.

Fico deitado com um monte de roupa em cima, todo tapado dos pés à cabeça e começo a sentir a necessidade de respirar. 

Acordo de noite e percebo que já me destapei.

Vou ao WC e volto para o quente da cama.

Torno a adormecer, todo tapado sabendo que irei ficar com o pico de me faltar o ar dentro de momentos.

Acabo por adormecer de novo e sei que me destapo.

Acordo de manhã, quando o sol nasce e o despertador ainda nem tocou e percebo que lá fora está um gelo de arrepiar.

Olho para o ecrã do telemóvel para perceber que faltam uns ligeiros minutos para me ter de levantar.

Já não adormeço após abrir os olhos e perceber que o sol nasceu.

Levanto porque os cuidados e necessidades matinais imperam e logo de seguida fico pronto com a roupa para começar o dia.

Tomo o pequeno-almoço enquanto espreito as primeiras notícias do dia.

Estou pronto a sair de casa para mais um dia frio de Inverno, sabendo que umas horas depois tudo se voltará a repetir.

 

Esta é a minha rotina habitual a partir do ponto em que me deito com a ideia de que logo vou adormecer sossegado e de forma direta até o despertador se atrever a entoar na mesa-de-cabeceira, mas a verdade é que a direta do sono geralmente não acontece de forma tão saudável assim, dando primazia ao que acabei de descrever acima sobre uma noite que não é a desejada mas que se torna quase como uma rotina por ser uma constante em tempos frios e onde a regra por vezes dita que tenha de acordar, contra vontade, a meio da noite.

5 Comentários

Comentar post