Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Informador

O Vento Conhece o Meu Nome | Isabel Allende

Porto Editora

o vento conhece omeunomecapa.jpg

Título: O Vento Conhece o Meu Nome

Título Original: El Viento Conoce Mi Nombre

Autor: Isabel Allende

Editora: Porto Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Junho de 2023

Páginas: 272

ISBN: 978-972-0-03693-3

Classificação: 2 em 5

 

Sinopse: Viena, 1938. Samuel Adler tem apenas 5 anos quando o pai desaparece, na infame Noite de Cristal – a noite em que a sua família perde tudo. Procurando garantir a segurança do filho, a mãe consegue-lhe lugar num comboio que transporta crianças judias para fora do país, agora ocupado pelo regime nazi. Samuel embarca sozinho, deixando a família para trás, tendo o seu violino como única companhia.

Arizona, 2019. Anita Díaz e a mãe tentam entrar nos EUA, fugindo à violência que reina no seu país, El Salvador. No entanto, são separadas na fronteira, ao abrigo de uma nova lei que regulamenta a imigração, forçando à separação das famílias. A mãe desaparece sem deixar rasto, e Anita é colocada em sombrias instituições de acolhimento. O caso desperta a atenção de Selena Durán, uma californiana de ascendência latina, e de Frank Angileri, um promissor advogado, que tudo farão para reunir de novo mãe e filha. Juntos, vão conhecer de perto a violência que muitas mulheres sofrem em silêncio, sem que dela consigam escapar.

Entrelaçando passado e presente, O Vento Conhece o Meu Nome conta-nos a história destas duas personagens inesquecíveis, ambas em busca da família e de um lar. É uma sentida homenagem aos sacrifícios que fazemos em nome dos filhos e uma carta de amor às crianças que sobrevivem a perigos inimagináveis – sem nunca deixarem de sonhar.

 

Opinião: A imigração forçada de crianças é o ponto de embarque deste romance que retrata duas épocas distintas mas onde a história se volta a repetir, de outro modo, mas perante a mesma premissa, a ingenuidade dos mais novos que são envolvidos nos problemas mundiais sem terem culpa alguma e que acabam por pagar bem caro o preço da guerra.

Primeiramente conheci Samuel Adler em 1938. Uma criança judia que após ver o seu pai ser retirado para um campo de concentração nazi, segue com a sua mãe que o embarca para Inglaterra somente com o seu violino. Perdendo a sua família e ganhando uma família de acolhimento em terras distantes, Samuel nunca mais será a mesma criança.

Já em 2019 cheguei até Anita Diaz que foge ao lado da mãe da violência sentida em El Salvador. Separadas na fronteira, a jovem fica sem saber do paradeiro da sua mãe e é encaminhada para instituições que se preocupam maioritariamente com as finanças, deixando o bem estar dos menores de lado. A partir daqui entram em cena Selena Durán e o advogado Frank Angileri que de tudo fazem para dar um futuro melhor a esta jovem, ao mesmo tempo que procuram a sua mãe.

O Vento Conhece o Meu Nome é um grito sobre o sofrimento em silêncio de tantos menores e seus familiares perante o transtorno que o flagelo da guerra causa. É este romance a representação da procura de um lar para a estabilidade e proteção de menores que tantas vezes são colocadas em causa perante as falhas dos adultos.

Mais uma vez voltei a ler Isabel Allende e não consegui ficar rendido. A premissa central é boa e forte, no entanto e talvez um pouco pelo lado espiritual que a escritora continua a implementar nos seus romances e que não me consegue de todo agradar, voltei a não conseguir simpatizar com a criação da senhora. Ainda existirá espaço para nova oportunidade? Começo a achar que não!

 

Se ficaste curioso, encomenda já o teu exemplar de O Vento Conhece o Meu Nome, de Isabel Allende

o vento conhece o meu nome.jpg