Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Informador

infantil-billboard
17
Abr20

O Show do Big Show

IMG_20200411_172811_902.jpg

 

O Show do Big Show, uma sitcom protagonizada pelo próprio The Big Show, a grande estrela da WWE, que abre assim a porta da plataforma Netflix ao universo de lutadores.

Numa produção que parece seguir linhas de amadorismo e a fazer lembrar de forma soft os cenários da série estrelada The Big Bang Theory, esta produção conta com um texto recheado de piadas fáceis e muito em torno da diferença de tamanhos entre The Big Show e o restante elenco, levando a que a maioria das cenas acabem por parecer supérfluas. Recheada de clichés entre a vivência entre um casal e as três filhas, esta primeira temporada de oito episódios é facilmente vista quando não apetece ver um produto pesado e ao ter episódios curtos num início de tarde fica despachada e acredito que mesmo sem a grande produção de outras séries do género, pode ficar a vontade de existir uma continuação, embora a história não o exija por ser tudo tratado como episódios únicos, sem existirem pontos essenciais para a necessidade de uma grande continuação e enredo para prender e querer saber como tudo irá seguir.

O estilo de série de O Show do Big Show vai muito pelo caminho dos formatos infanto juvenis por dar demasiado destaque a três adolescentes com as suas fortes personalidades que parecem viver para contrariar as ideias entre si e dos próprios pais. E é aqui que se percebe que o corpulento lutador em família fica um coração mole que de tudo faz para ver a família bem, mesmo que todas as quatro mulheres lá de casa sejam difíceis de aguentar.

Com um elenco agradável, principalmente a filha mais nova que conquista logo de início o público com uma presença em cena fortíssima e que consegue ajudar a que se queira continuar a ver pelo talento que lhe é desde logo reconhecido, em contraste com o próprio The Big Show que em vários momentos se percebe que ainda anda meio perdido em busca do fio condutor da personagem, onde gestos e movimentações parecem ainda ser muito robóticos até encontrar o ponto certo numa possível continuação.

Uma segunda temporada a existir tem vários pontos a serem limados, no entanto não se pode dizer que esta série mereça ficar por aqui porque existe capacidade de evolução, para mais com personagens que cativam e no geral bem defendidas pelos atores. Será necessário agora melhorar a história e subir a qualidade de produção para não surgir mais do mesmo.