Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Informador

21
Jul20

O poder de Cristina Ferreira

cristina ferreira sic tvi.jpg

 

Cristina Ferreira tornou-se no principal rosto feminino em Portugal ao longo dos anos ao lado de Manuel Luís Goucha nas manhãs da TVI, tendo assumido posteriormente vários formatos a solo no final de tarde e nos serões do Domingo do canal. Em 2018 a sua transferência para a SIC virou tema do ano em termos televisivos porque nada previa que a estrela maior do canal então liderado por Bruno Santos trocasse de camisola e integrasse a equipa de Daniel Oliveira. Hoje, em pleno Verão de 2020 Cristina Ferreira tem regresso marcado à TVI logo no início de Setembro, não me surpreendendo esta transferência por completo por ter percebido movimentações e entrelinhas em algumas publicações feitas nas redes sociais por parte da apresentadora, mas a grande maioria do público, e não só, voltou a ser apanhado de surpresa. Atualmente percebo a saída na altura da TVI e este regresso à casa onde se lançou para a grande ribalta!

Cristina precisava de sair da TVI para se afirmar num formato a solo e mostrar que conseguia mais do que lhe era dado na casa que a ajudou a ser a melhor. Cristina cresceu, alcançou o grande palco mas a ambição fez com que saísse para assumir novas funções como diretora, já que na estação de Queluz o cargo que lhe deram nunca foi assumido na integra. Na SIC entrou como apresentadora e um cargo de direção, reinou e assumiu de imediato a liderança das manhãs do canal, ajudando logo no dia da sua estreia o canal a recuperar o primeiro lugar das audiências em Portugal, após anos na segunda posição. Agora, e mesmo sendo sempre líder no canal do grupo Impresa, Cristina queria mais, queria ter uma palavra a dizer nas decisões do grupo como acionista, o que não lhe foi facultado por parte do mesmo. Estando o grupo Media Capital em maus lençóis, com a venda de ações, Cristina deixou a SIC, regressando à TVI como apresentadora, diretora de entretenimento e ficção e acionista do grupo que a lançou e do qual agora terá uma palavra a dizer quanto às novas apostas televisivas, na rádio e não só, sendo um dos rostos fortes da Media Capital, estando também no centro das decisões sobre os novos formatos e novos conteúdos do canal e ficando muito provavelmente com o novo programa das manhãs, substituindo assim Manuel Luís Goucha que deverá ver o seu pedido realizado para ganhar um novo formato, mais calmo e de conversa e com menor duração. 

Cristina Ferreira saiu da TVI em 2018 para mostrar que queria ser mais que a líder de audiências e companheira televisiva de Goucha. Chocou na altura e arrasou desde sempre no que tocou com a sua estadia na SIC. Agora regressa a casa já com o poder que sempre quis e para ajudar o canal a renascer das cinzas que a própria gerou ao longo dos dois anos em que permaneceu do outro lado da barricada. Pelo caminho muito aconteceu, a imprensa tudo comentou e as amizades foram mantidas. Agora reencontra o seu eterno companheiro de ecrã, Manuel Luís Goucha, o seu vizinho Cláudio Ramos, que mudou de ares para apresentar o Big Brother, e quem deixou na altura em que saiu para provar que conseguia fazer diferente porque também queria marcar a mudança na televisão em Portugal. O futuro da TVI e de todo o grupo Media Capital conta com Cristina Ferreira e várias alterações, com saídas e entradas de rostos conhecidos, alteração de formatos e mesmo de horários, devem começar a acontecer dentro em breve. Agora Cristina é a diretora de entretenimento e ficção, Nuno Santos o diretor geral e Anselmo Crespo o novo diretor de informação que também a 01 de Setembro inicia funções com a inauguração do novo cenário dos noticiários que já está a ser preparado para que tudo se inicie numa nova era. 

O retomar da liderança da TVI deverá acontecer ainda este ano, basta a nova equipa mexer e fazer circular de forma correta as arestas, recolocar os rostos nos formatos e horários certos que tudo muda, não bastando ter Cristina para a recuperação acontecer, mas tal como aconteceu na SIC, se as manhãs forem bem fortes e com altos valores todo o resto do dia acaba por seguir por arrasto se a coordenação for certeira e a reviravolta das audiências acontecerá de um dia para o outro, tal como aconteceu a 07 de Janeiro de 2018.

2 Comentários

Comentar post