Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Informador

03
Out20

O Olhar que me Persegue | Helene Flood

D. Quixote

C028F326-978E-46C4-AF41-FD22A4BA3345-CECD485D-3F06

 

Título: O Olhar que me Persegue

Título original: Terapeuten

Autor: Helene Flood

Editora: D. Quixote

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Agosto de 2020

Páginas: 368

ISBN: 978-972-20-7058-4

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: O Olhar que me Persegue combina um ambiente francamente contemporâneo e realista com um suspense assustador e uma visão perturbadora sobre as nossas mais recônditas facetas, tanto na vida familiar como nos relacionamentos. Um thriller arrepiante que disseca a relação de um jovem casal, em que as emoções têm o papel principal.

Nomeado para o Norwegian Bookseller’s Prize em 2019, O Olhar que me Persegue é o primeiro de três thrillers psicológicos de Helene Flood, todos com protagonistas femininas, e tendo por cenário a cidade de Oslo. Numa abordagem totalmente diferente da dos seus congéneres nórdicos, mas igualmente brilhante, a jovem autora demonstra grande talento para gerir tanto o enredo como a qualidade da escrita.

 

Opinião: Uma obra nomeada, bem comentada internacionalmente como uma maravilha entre os melhores thrillers do ano perante uma estreia impressionante da sua autora e quando vou a meio da leitura percebo que todo o entusiasmo e boas expetativas que foram sendo criadas acabam simplesmente por revelar mais do mesmo.

Logo conhecemos Sara, uma jovem psicóloga casada com Sigurd, num casamento sem filhos, com alguns problemas conjugais pelo caminho mas numa luta para se definirem, estabelecerem e ganharem condições para formarem uma verdadeira família a pensarem no futuro. Trabalhando e recebendo os seus clientes num espaço anexo em casa, Sara tem os seus pacientes fixos, cada qual com os seus problemas e desabafos, enquanto que Sigurd estuda e mais tarde cria o seu próprio projeto ligado à arquitectura. Tudo decorre dentro do quase normal quando o desaparecimento de Sigurd acontece. Numa manhã sai para se encontrar com os amigos mais próximos para uns dias entre amigos e não mais aparece. Desaparecido e sem deixar rasto, Sara dá o alerta pelo seu desaparecimento e a partir desse momento a investigação acontece.

Investigação no terreno, fingidas amizades por perto para um possível apoio enquanto se tenta perceber o que aconteceu, sócios a saberem partes do processo mas a fingirem ignorância, uma esposa preocupada mas a manter dentro do possível as suas rotinas profissionais, e todo o processo a ser descodificado por parte de um investigador pouco acessível e bastante desconfiado. Controlo, entrevistas, conversas paralelas e paragens no tempo são vários dos pontos que este thriller demonstra entre uma esposa meio ausente em todo o processo para um marido desaparecido em que a única preocupação parece ser a sua própria segurança, mostrando um individualismo como parte de um casal algo arrogante e disciplinado, provando a falta de união entre dois jovens casados que o são somente por habituação. 

Um caso investigado, levando o leitor a identificar vários suspeitos ao longo de cada capítulo quando no final tudo muda e a real verdade fica perceptível mas sem ser revelada para que o 《quem matou》 seja devidamente incriminado e julgado. Posso dizer que fiquei surpreso por não sentir ao longo da leitura qualquer ponto que pudesse unir o assassino com todo um crime que levou à morte de um homem por motivos amorosos. 

Numa história que se pode apelidar por mais do mesmo mas com um final diferente, O Olhar que me Persegue é contado de forma rápida e bem explicativa sem cansar o leitor que fica assim perante uma leitura rápida e fácil de apanhar para se iniciar a caça ao culpado sobre o desaparecimento de Sigurd e a sua consequente morte. Este não é daqueles livros descritivos que vamos criando mentalmente cada ponto dos espaços físicos que vão aparecendo, nada disso, sendo tudo muito vago mas com a capacidade de prender para se seguir em frente e descobrir como tudo aconteceu e a razão que está por detrás da consequência. 

Uma leitura onde ficam misturados o poder do distanciamento psicológico com a frieza de quem tudo está prestes a perder e ver a sua vida mudar com a desigualdade de sentimentos e forma de pensar e agir perante os mesmos factos. Quem pode e quem deve, quem teme e quem procura, quem se sente culpado e inocente. O Olhar que me Persegue tem tudo de forma tão rápida que com um melhor embrulho já o podia ver como um forte candidato ao Norwegian Bookseller`s Prize, assim ficou só pela nomeação, o que não é mau também. 

 

 

Se ficaste curioso, encomenda já o teu exemplar de O Olhar que me Persegue

1540-1.jpg

2 Comentários

Comentar post