Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

16.02.17

Confissões de Inverno


O Informador

confissões de inverno.jpg

Autor: Brendan Kiely

Lançamento: Janeiro de 2017

Editora: Bertrand Editora

Páginas: 240

Classificação: 5 em 5

 

Sinopse: Quando a vida de Aidan Donovan, de 16 anos, se começa a desmoronar à sua volta, ele procura refúgio no bar do pai e nas atenções do padre Greg, o único adulto que o escuta. Chegado ao Natal, Aidan entra numa crise profunda ao compreender a natureza obscura do afeto do padre. Vira-se então para um novo grupo de amigos: Josie, a rapariga por quem talvez esteja apaixonado, Sophie, a amiga um pouco rebelde, e Mark, o carismático capitão da equipa de natação, cuja sensação de angústia rivaliza com a de Aidan. Um romance ousado e corajoso que olha de forma intensa e sensível para os desafios do crescimento e do amor

 

Opinião: Um tema tabu de que não se fala, mesmo sabendo que existe entre vários núcleos fortes da igreja. A pedofilia existe no seio religioso e isso não é segredo para ninguém. Claro que ninguém pode generalizar tanto com este crime como para com outros, mas que existe e tem de ser debatido, lá disso não existem dúvidas.

Confissões de Inverno retrata a vida de um jovem adolescente que após perceber que o pai é uma figura ausente e a mãe opta por circular por festas e eventos onde pode dar nas vistas, acaba por encontrar refúgio na casa paroquial da vila. Como mentor encontra um homem aceite pelas pessoas por aparentar tranquilidade e paz enquanto padre, sendo um confidente, amigo e ouvinte. Mas será que este padre é afinal o que parece ou terá muito a esconder perante os temas que apresenta aos mais novos na cave da casa onde habita com o sacerdote mais velho?

Um jovem desamparado em termos familiares e que acaba por cair nos braços perigosos de uma pessoa que aparenta a todos ser de confiança pela função que desempenha. O que é o Amor para um rapaz que está à descoberta dos sentimentos e que acaba por perceber mais tarde que a aproximação, os abraços e apertos que enfrenta no escuro, encostado a uma mesa, são afinal uma obrigação para satisfazer os desejos de um adulto que não consegue controlar as suas perversas vontades. O que um adolescente cria na sua mente quando é levado a crer que tais comportamentos são os mais corretos no momento de evoluir como pessoa? Quem poderá estar a par de tudo o que acontece nos sucessivos encontros? O que fazer quando se percebe que não se está sozinho e que aquele segredo que vai prevalecendo enfrenta o complexo e medo ao mesmo tempo que está a um passo de ser descoberto por todos?

Uma família ausente, uma empregada preocupada mas que nada pode fazer, amigos que enfrentam os mesmos problemas. Afinal o que passa na mente de cada ser violado e usado no momento da fuga que dia após dia resiste como um sentimento de culpa, revolta e nojo? O caminho do bem é desorganizado, as drogas e o álcool ganham um maior destaque como tentativa de esquecimento e o que sobrevive no interior de uma pessoa que cresce sem alegria e com uma tensão social que pode fazer com que tudo desmorone num segundo? Um tema bastante delicado para ser debatido várias vezes porque este flagelo existe mas o que também existe é o medo de falar, para mais com a igreja católica que tão bons conselhos tem a obrigação de dar no centro da questão. 

Uma criação sem medo, com um forte poder de contar sem revelar de frente o que se está realmente a passar perante o olhar do leitor. Tudo é contado de forma suave, sem chocalhar, sendo feito uso das suposições para que cada um coloque os atos contados no nível que acredita que possam estar a acontecer. Confissões de Inverno é daqueles livros que retrata a realidade, uma realidade escondida e abafada, não existindo medo de enfrentar o poder e ser abafado por isso. Brendan Kiely está de Parabéns por este excelente trabalho que dá vontade de pegar e logo terminar, para que se perceba como o drama de Aidan termina para com tudo o que vai enfrentando com o que lhe é feito, gerando os seus próprios comportamentos e receios para com os outros. A questão sobre quem é, o que é, o que quer e o que realmente sente pelo próximo são debatidos de forma individual nesta narrativa contada de maneira simples e eficaz.

Uma história surpreendente e que gera um conflito de sentimentos pelos atos e suas repercussões no futuro de cada um. Sem dúvida alguma que este será um dos meus livros do ano.