Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Banner billboard da campanha 50 livros com 50% desconto
14.05.16

Companhia Limitada - Estação Terminal


O Informador

companhia.jpeg

Não existe possibilidade de contornar a questão no início deste texto onde o espetáculo Companhia Limita - Estação Terminal é comentado. Este foi, de todas as produções a que já assisti pelo Teatro Nacional D. Maria II, o mais divertido, o mais enérgico, o mais reconfortante e um dos que me ficará para sempre na memória. 

Com direcção artística de Madalena Victorino e Pedro Salvador, em Companhia Limitada - Estação Terminal somos convidados a percorrer os corredores do Teatro, passando por locais que estão habitualmente vedados ao público. Os recantos da Sala Garrett, as Casas de Banho, o grande Salão Nobre, o Bar, as salas de Costura e Provas e os inúmeros locais com que ao longo de três horas somos convidados a percorrer com a finalidade de conhecer e sentir as emoções do que em casa espaço vai sendo representado ao mesmo tempo que o público é convidado a saborear e a deixar-se levar pelas sensações do momento onde histórias isoladas vão sendo retratadas num ambiente bem disposto e onde a solidão é o tema central. 

Será que no centro de uma festa pode existir solidão? A noite é um bom conforto para os momentos de solidão? O excesso e o travestismo conseguem esconder marcas de solidão? A solidão é retratada através de vários estados sociais onde o isolamento e sofrimento pessoal vão acontecendo de forma sucessiva sem por vezes os outros, sempre os outros, se darem conta do que se passa verdadeiramente pelo estado de espírito de um ser que não é diferente, simplesmente tem opções, por vontade própria ou obrigação, que a maioria não tem. 

Caminhando pelo Teatro para conhecer, absorver e experimentar, em Companhia Limitada - Estação Terminal o serão estende-se ao longo de três horas onde ainda é possível adquirir sementes e alimentos no Mercado que chega de fora ao D. Maria II onde vendedores de rua ganham o seu espaço ao lado de membros da associação Cais e convidados especiais que tornam este espetáculo ainda mais especial. 

No final e de modo inesperado, o palco é o limite e onde seria esperado que tudo terminasse, e assim acontece! Ao longo de quase uma hora todos somos convidados a entrar na festa que esta companhia do espetáculo nos transmite onde a dança, a rivalidade, a demonstração, o preconceito e a boa disposição tomam lugar num verdadeiro momento único que jamais imaginei assistir dentro da sala do Teatro Nacional D. Maria II. 

Companhia Limitada - Estação Terminal é o alerta, a aprendizagem e a boa disposição com diversos recados sociais do início ao fim! Um espetáculo que todos deveriam assistir porque além de fugir dos contornos idealizados do Teatro tem verdade consigo que chega facilmente a quem assiste sessão após sessão!

companhia limitada.jpg

Ficha artística:

direção artística Madalena Victorino, Pedro Salvador

conceito, narrativa e coreografia Madalena Victorino 

dramaturgia Joana Bértholo

interpretação e cocriação André Amálio, Patrick Murys, Pedro Salvador, Ricardo Machado, Susana Madeira, Joana Guerra, convidados especiais vindos da rua, do comboio, da escola, do mundo noturno lisboeta, do mercado de vendedores africanos e de outros países...

figurinos Marta Carreiras

desenho de luz e direção técnica Joaquim Madaíl

imagem Jen Brown, João Tuna

música Pedro Salvador, Joana Guerra

consultoria artística Annie Greig

direção executiva Marta Silva

produção executiva Raquel Fernandes

estagiária Catarina Barros

participação especial Duarte, Giacomo Scalisi, Hugo Correia, Joana Gomes, José Carlos Dias (Giovanni), Luís Godinho, Matias Pinto, Mia Distonia, Nelson Ferreira, Marcos Medeiro, Susana Vilar

guias Clara Antunes, Susana Alves, Carina Martins, Rita Sales, José Luís Costa, Juliana Fernandes, Celine Tschachtli, Ana Rita Dias, Alice Duarte, Marta Jardim, Mariana Pereira, Catarina Barros, Mariana  Portocarrero

grupo da Escola Superior de Dança Alice Duarte,  Ana Cláudia Carvalho, Ana João Coelho, Ana Rita Dias, Andreia Serrada, Beatriz Dias, Beatriz Loro, Bruno Freitas, Carolina Carloto, Catarina Fernandes, Catarina Jacinto, Catarina Marques, Cátia Sousa, Daniela Casimiro, Diana Correia, Diana Raquel Carvalho, Fernanda Pereira, Filipe Rodrigues, Gonçalo Pinela, Joana Domingos, Juliana Fernandes, Liliana Ribeiro, Marco Nobre, Marcos Medeiro, Margarida Garcez, Maria Assis, Maria Elisabel Guerrero, Maria João Albuquerque, Maria Miguel Ramos, Marta Jardim, Marta Ricou, Matilde Tudela, Miguel Nogueira, Miriam Brito, Raquel Baltazar, Raquel Santos, Sara Lopes, Sara Venâncio

grupo de Cegos da APEDV Ana Jardim Serôdio, Isabel Lima, José Maria Oliveira, Maria Paula Viegas, Maria Paula Franco, Manuela Vieira

grupo da Revista CAIS António Pia, Bernardete Puente, Elisio Manteiguas, Paula Laranjeira, Rosário Avelino, Vitor Freitas

grupo do Largo de São Domingos Bubacar, Cadi, Cadi Sanu, Cadi Roconte, Cadi Colubuli, Djara Cadi, Iaia Baldé, Ju Baldé, Maria Colubuli, Muskuta Sani, Sene 

grupo Margens Ângelo Antunes, Sérgio Monteiro

produção LARGO RESIDÊNCIAS

coprodução TNDM II

parceria Escola Superior de Dança, Revista CAIS, APEDV – Centro Atividades Ocupacionais, Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa

M / 16

2 comentários

Comentar post