Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

24.05.18

Como Falar com Raparigas em Festas | Neil Gaiman


O Informador

como falar com raparigas em festas.jpg

Autor: Neil Gaiman com Fábio Moon e Gabriel Bá

Título original: How to Talk to Girls at Parties

Tradução: Pedro Carvalho e Guerra

Editora: Bertrand Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Abril de 2017

Páginas: 64

ISBN: 978-972-25-3313-3

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Enn tem 16 anos e não compreende as raparigas, ao passo que o seu amigo Vic parece já ter tudo na ponta da língua. Mas ambos apanham o choque da sua vida ao depararem com uma festa em que as raparigas são muito mais do que aquilo que aparentam ser…

 

Opinião: Há uns bons anos que não pegava num livro de banda desenhada, voltando ao género com Como Falar com Raparigas em Festas, o conto de Neil Gaiman que o próprio transformou em banda desenhada. Foi de forma rápida e atenta também que me deixei levar por esta divertida e um pouco fantabulástica história que leva dois jovens amigos a entrarem numa festa de raparigas, com expetativas diferentes mas com vontades semelhantes. 

As curiosidades típicas dos jovens adolescentes numa descoberta dentro de quatro paredes, numa casa desconhecida e perante raparigas também elas desconhecidas e estrangeiras. Circulando entre a realidade e a ficção cientifica, Como Falar com Raparigas em Festas relata de forma rápida, o que é uma pena, a viagem dos dois rapazes entre conhecimentos, aproximações, relações, receios e medos. O desconhecido causa impacto em qualquer um e neste conto transformado em banda desenhada é isso mesmo que acontece. 

Primeiramente mostrando a diferença pessoal entre dois amigos e a capacidade tão dispare de cada um, nesta história os temas vão sendo apresentados com ironia e algo sarcasmo, entre esquemas de malabarismo onde o leitor fica sob a incógnita sobre o que se está a passar com cada personagem já que o aparentemente normal aos poucos revela-se uma realidade para lá do imaginário.

Mostrando o contraste entre dois mundos que podem ser paralelos mas onde um não passa mesmo do imaginário de cada pensador, Como Falar com Raparigas em Festa tem de ser lido de forma pausada, percebendo cada detalhe porque nem tudo o que parece é e na verdade a mais inocente pessoa que nos rodeia pode provar numa outra realidade que nem sempre está do lado do bem. 

Afinal de contas, a curiosidade e a auto confiança valerão a pena perante o desconhecido ou os riscos têm de ser mantidos numa linha paralela e que se poderá cruzar com a vida de qualquer um de nós?

Um livro de cores fortes, tal como a história que recria, começando recheada de expetativas e terminando de forma pesada, com um segredo pessoal por desvendar mas onde as imagens e os pensamentos mostram que nem tudo acabou tão bem como terá começado dentro de um quarto onde um mais um se juntaram e as ambições encontravam-se em pontos opostos e inesperados entre um dos amigos e a rapariga mais bela da festa. 

Será que a confiança vale ouro ou com calma se conseguirá perceber que caminhos trilhar com toda a atenção? Uma história para todos descobrirem e pensarem sobre a fonte inspiradora de cada ser neste mundo.

 

Dicionário Universal de Banda Desenhada - www.wook.pt