Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

bandadesenhada-970x250-billboard

Balbúrdia na televisão

tvi aniversário.jpg

 

A TVI comemorou o seu vigésimo oitavo aniversário e a direção liderada por Nuno Santos e Cristina Ferreira elaborou novo especial ao longo de toda a manhã e tarde, nos cenários habituais dos programas diários e com diretos feitos do exterior com apresentadores e também jornalistas. Até aqui, mesmo sendo tudo mais do mesmo, ainda se aguenta. O que não se entende é o que aconteceu durante parte do final da tarde quando a decisão foi juntarem a patroa Cristina Ferreira com a cada vez mais estridente mas de que também gosto Maria Cerqueira Gomes, o bem disposto e cada vez mais competente como apresentador Pedro Teixeira e o cansativo e forçado Rúben Rua num só espaço a receberem os convidados. 

Será que não podiam ter dividido o mal pelas aldeias e dividirem os quatro rostos em duas duplas para não estarem todos a falar para o molho, aos gritos muitas vezes quando estavam com os convidados em conversas que mal se entendiam porque cada um perguntava o que queria, todos tentavam falar ao mesmo tempo e nem os rostos do canal que foram passando pelo estúdio tinham o seu merecido tempo de antena. Sim, podiam estar os quatro, mas não ao mesmo tempo, e assim teria sido tudo feito de forma mais tranquila, agradável e sem o histerismo que aconteceu ao longo de horas simplesmente porque acharam que o melhor seria terem quatro apresentadores num só espaço e poderem ser oito ou mais pessoas em palco por se juntarem os convidados e todos a falarem entre si, embora a patroa com as suas penas num vestido de gala tivesse sempre sobressaído com os seus agudos. Não vi toda a emissão da tarde, mas pelo que vi das duas horas finais, o tempo que os quatro estiveram juntos no ecrã foi mau e desnecessário em vários momentos pela confusão instalada, o que contrasta com o trio de parte da manhã, Maria Botelho Moniz, Iva Domingues e Cláudio Ramos, que mostraram calma, com brincadeira sim, mas sem mancharem a emissão com demasiada excitação e mesmo com a dupla Pedro Teixeira e Nuno Eiró que se seguiu. Caso para se dizer que dois é bom, três já começa a ser demais e quatro então é cagada total. 

Neste momento vejo que boa televisão para cativar o público não tem de ter demasiada algazarra, uma vez que essa época já passou e estes mesmos rostos já tiveram o seu tempo para tal. Agora é acalmar e seguirem um alinhamento com maior sofisticação sem provocarem o ridículo de forma gratuita. 

 

 

Cláudio Ramos revela os seus caminhos em histórias bem pessoais em Eu Cláudio

eu claudio.jpg