Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

sveva-casati-billboard

Avenida Q

20
Fev17

avenida 1.png

As expetativas com Avenida Q iam altas mas tenho que dizer uma coisa a quem pensa ir ver! Vão porque tudo o que podem esperar é um excelente musical importado diretamente da Broadway. Bom demais e acima de qualquer ideia com que se possa entrar no Teatro da Trindade para assistir a hora e meia de pura diversão. Fiquei rendido do início ao fim sem qualquer falha de atenção. Isto é (pausa e tambores) muuuuuuito boooooooooooooooom!

Não li longos comentários nem a sinopse de Avenida Q, só ouvindo conversas de café e alarido nas redes sociais em torno deste espetáculo adaptado em Portugal pela Força de Produção. Rapidamente fiquei com vontade de ver para perceber afinal a qualidade do que diziam ser tão bom e que andava a esgotar todas as sessões. Fui e só tenho a dizer que este musical é uma grande lufada de ar fresco do que tem sido feito entre nós em termos teatrais. 

O público é convidado a conhecer os habitantes de um «condomínio» de uma qualquer rua lisboeta onde pessoas e monstros coabitam sem qualquer preconceito. Perdão, todos somos preconceituosos e não vale a pena arranjar justificações contrárias. Este é um dos primeiros temas a serem debatidos onde o racismo, a homossexualidade, os medos, o amor e a profissão tomam lugar porque afinal de contas conseguimos vencer mas também cometer diversas falhas ao longo das oportunidades que a vida nos dá. Avenida Q é um consciencializador social que de forma divertida toca em temas sensíveis e que acabam por estar nas proximidades ou em qualquer um.

Entre bonecos que misturam o universo de Rua Sésamo e os Marretas e atores de carne e osso, esta avenida tão bem frequentada é daquelas produções que todos devem e têm a obrigação de ver porque se existe alguma coisa bem feita neste momento no teatro nacional é Avenida Q, que sem falhas, com um bom texto, toques bem colocados na adaptação para a nossa realidade social e um elenco excelentemente competente consegue chegar junto do público de forma eficaz, provocando e sem cansar. 

Ana Cloe, Artur Guimarães, Diogo Valsassina, Gabriela Barros, Inês Aires Pereira, Manuel Moreira, Rodrigo Saraiva, Rui Maria Pêgo, Samuel Alves, Artur Guimarães, Luís Neiva e André Galvão formam um elenco, entre fixos e substituições, tão coeso que se percebe que existe amizade e carinho em palco onde a cumplicidade das personagens parece ir muito mais além dos momentos que são vistos. Quando as pessoas se gostam percebe-se e neste espetáculo todos se gostam e acima de tudo, todos estão a gostar de estar em Avenida Q onde a Marta Monstro, a minha monstrinha favorita do musical, a irreverente e provocadora Paula Porca, o sonhador e aparentemente solitário Luís se juntam a outros colegas bonequeiros para comporem o lote de rostos que desfilam assim a sua vida em palco, aquela vida que pode muito bem traduzir a de qualquer um de nós. 

Um musical para adultos onde o debate dos temas aliado à linguagem aplicada refletem isso mesmo. Em Avenida Q só os maiores de 16 podem entrar, todos os outros terão de esperar que este sucesso dure para que daqui a uns tempos se possam sentar na plateia onde o riso com a facilidade das piadas, os aplausos e assobios são uma constante para com tudo o que se vai passando dentro e fora de cada casa. Afinal de contas os habitantes desta pacata e complicada avenida não são mais que ninguém, mas também não são menos, nada disso, são como são e mesmo que queiram esconder o que realmente sentem, mais cedo ou mais tarde os sentimentos acabam por fazer das suas para que se apercebam que existe sempre algo a dar aos outros para que também se fique a ganhar.

No final todos ficam de pé numa sala cheia e mais lugares houvessem porque Avenida Q é o musical de 2017 e posso estar enganado mas se todos os que tiverem curiosidade forem ver e gostarem tanto como eu, este espetáculo irá estar por longos e largos meses em cena sem deixar que cada lugar da sala fique órfão muito tempo. Vão ver porque sei que ninguém se irá arrepender de conhecer estes tristes e alegres morados de Avenida Q, o musical que está no Teatro da Trindade, aquele que fica perto do Bairro Alto e do Chiado. Pelo menos até 2 de Abril eles vão lá estar, depois logo se verá!

Tão booooooooooooooom!

Imagens de Filipe Ferreira_08A3073_Avendia Q_©Filipe Ferreira.jpg

SINOPSE

AVENIDA Q é o musical mais estúpido e genial de todos os tempos - uma Rua Sésamo em esteróides, que junta à estética Muppets uma linguagem tão adulta, que só funciona mesmo porque a vida é uma longa marcha de tédio em direção à campa. Ah, e porque as músicas são bestiais.

A história acompanha LUÍS, um recém-licenciado cheio de esperanças, PAULA (a porca), FÉLIX (o gay no armário) e TREKKIE (o tarado) entre outros. Juntos, tentam encontrar um propósito na vida e falam sobre os temas existenciais que nos afetam a todos, num espetáculo inovador que mudou a Broadway e apaixonou os espectadores.

 

FICHA ARTÍSTICA

Autores: Robert Lopez, Jeff Marx, Jeff Whitty

Encenação: Rui Melo

Tradução e Adaptação de Texto: Henrique Dias

Tradução e Adaptação de Canções: Henrique Dias / Rui Melo

Direção Musical: Artur Guimarães

Desenho de Luz: Paulo Sabino

Com: Ana Cloe, Diogo Valsassina, Gabriela Barros, Inês Aires Pereira, Manuel Moreira, Rodrigo Saraiva, Rui Maria Pêgo, Samuel Alves, Artur Guimarães, Luís Neiva e André Galvão.

Produtor Associado: Gonçalo Castel-Branco

Produção: Força de Produção

_08A2865_Avendia Q_©Filipe Ferreira.jpg

Joca e Trekkie (Rodrigo Saraiva)©Filipe Ferreira.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fotos: Filipe Ferreira