Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Informador

05
Jun20

Arrepio por Maddie

maddie.jpg

 

Treze anos passaram após o desaparecimento de Madeleine McCann, a criança inglesa que passava férias com os pais e irmãos em Maio de 2007 na praia da Luz, em Lagos. Muito se noticiou, vários suspeitos, investigações dentro e fora do país e Maddie desaparecida sem um ponto final no processo. Agora, treze anos depois a Polícia Judiciária, a Metropolitan Police de Londres e a Polícia Alemã (BKA) têm um suspeito formal que vivia na zona de Lagos na altura do desaparecimento da criança e que esteve no resort uma hora antes do alerta dos pais de Maddie, estando de momento preso pela violação de uma mulher. Por curiosidade, ao que parece este suspeito já havia sido mencionado pela Polícia Judiciária nos meses seguintes ao desaparecimento da menor, sem ganhar relevância das autoridades de investigação internacional que lideravam o caso. 

Preparava-me para jantar, já sentado à mesa com a televisão ligada, o noticiário iniciou e a primeira notícia foi mesmo «Notícia TVI: polícia identifica alemão como suspeito formal do rapto e morte de Maddie». Fiquei de imediato todo arrepiado com esta informação. Passaram treze anos, na altura tinha vinte, acompanhei o caso, todo o aparato que foi feito pela comunicação social com o Mundo de olhos postos em Portugal por se tratar do desaparecimento de uma criança inglesa. Agora percebe-se que a investigação mesmo silenciosa continuou e não foi deixada, existindo um novo suspeito, que está preso por outros crimes, mas que poderá estar por detrás do rapto de Maddie, num caso onde os pais sempre serão também culpados por deixarem menores sozinhos em casa, mesmo que estivessem a cem metros da habitação mas sem visibilidade. 

Treze anos passaram e o caso de Maddie não está encerrado, ganhando agora novos contornos, mexendo com a história, com pensamentos e relembrando outros casos do género, como o desaparecimento de Rui Pedro anos antes e mesmo da morte de Joana. A notícia surgiu, senti-me arrepiado pela lembrança, por saber que o caso não foi abandonado, existindo esperança de uma resolução, também esperando que o mesmo aconteça com as crianças portuguesas que desapareceram sem deixar rasto. 

2 Comentários

Comentar post