Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

20
Abr19

Becoming, A Minha História | Michelle Obama

O Informador

becoming michelle obama.jpg

Título: Becoming, A Minha História

Autor: Michelle Obama

Editora: Objectiva

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Novembro de 2018

Páginas: 480

ISBN: 978-989-6560-58

Classificação: 5 em 5

 

Sinopse: Protagonista de uma vida plena e bem-sucedida, Michelle Obama tornou-se numa das mulheres mais emblemáticas e incontornáveis da nossa era. Como Primeira-dama dos Estados Unidos da América, e primeira afro-americana a desempenhar esse papel, ajudou a criar a Casa Branca mais acolhedora e inclusiva da história, ao mesmo tempo que se estabeleceu como uma poderosa defensora de mulheres e meninas nos EUA e em todo o mundo, mudando drasticamente a forma como as famílias procuram uma vida mais saudável e activa, estando sempre ao lado do marido enquanto este conduzia os destinos dos EUA, acompanhando alguns dos seus momentos mais angustiantes. Ao longo do caminho, Michelle Obama mostrou-nos ainda alguns passos de dança, deu-nos a conhecer a sua mestria no Karaoke, e criou duas filhas sob uma pressão mediática implacável.

Nas suas memórias, uma obra de reflexão profunda e uma narrativa fascinante, Michelle Obama convida os leitores a entrar no seu mundo, relatando as experiências que a moldaram -- desde a infância na zona sul de Chicago, passando pelos anos como executiva, equilibrando as exigências da maternidade e o trabalho, até ao tempo passado no endereço mais famoso do mundo. Com honestidade e inteligência, descreve os seus triunfos e decepções, públicas e privadas, contando a história completa de como viveu, nas suas próprias palavras. Terno, sábio e revelador, Becoming é um relato íntimo de uma mulher de alma e substância que desafiou constantemente as expectativas - e cuja história nos inspira a fazer o mesmo.

 

Opinião: Fantástico é a palavra que melhor descreve o livro Becoming, de Michelle Obama! Sim, esta obra que retrata na primeira pessoa a vida e obra já feita por Michelle Obama é daquelas narrativas tão boas que mesmo com o final apetece continuar a saber o que foi acontecendo ao longo dos seus anos, antes, durante e após a passagem pela Casa Branca. 

Confesso que não sabia muito da ex-primeira-dama nem mesmo do seu marido, tirando as informações básicas, que nós em Portugal, fomos tendo através dos meios de comunicação, mas com este livro fiquei rendido tanto a Michelle como à própria família Obama pela humanidade com que tudo é relatado neste livro que vai para além de vivências, sendo uma autêntica verdade e boa fonte de inspiração que são transmitidas através de uma forte gentileza e empatia que são passadas pela forma como tudo é contado. 

02
Abr19

A Rapariga da Falésia | Rachel Abbott

O Informador

a rapariga da falésia

Título: A Rapariga da Falésia

Autor: Rachel Abbott

Editora: Topseller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Março de 2019

Páginas: 320

ISBN: 978-989-8917-72-0

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Quem acreditará na sua história se a única testemunha estiver morta?

Mark e Evie vivem numa casa magnífica, no alto de uma falésia, com grandes janelas de vidro viradas para o mar. Após um romance breve e repentino, Evie engravidara e decidiram viver juntos naquela casa, que pertencia a Mark.

A irmã de Mark, Cleo, desconfia. O irmão mal tinha feito o luto da primeira mulher, quando conhecera Evie. Nem sequer conseguia descer ao ginásio da casa, por ter sido lá que ela morrera, num alegado acidente. E agora, quando Evie surge com nódoas negras e feridas, culpando pequenos acidentes e distrações suas, Cleo fica novamente preocupada. O seu irmão é um homem bom. Ele não pode ter nada a ver com aquilo. Ou pode?

Na noite em que a sargento Stephanie King é chamada à casa do alto da falésia, encontra um cenário de terror. Dois corpos entrelaçados na cama, sangue espalhado por toda a parte. Um deles morto, o outro vivo.

O que terá acontecido realmente naquela noite?

 

Opinião: A Rapariga da Falésia foi a minha primeira leitura da autoria de Rachel Abbott e se me perguntarem se o voltava a ler só tenho uma coisa a dizer... Claro que sim e com isto e antes de me começar a alongar, só vos posso dizer que se ainda não têm o vosso exemplar, que o comprem porque este thriller psicológico é bom, emocionante, vibrante e com bastante emoção derivada a todas as reviravoltas que se dão do início ao surpreendente final.

Criando um bom enredo centrado em Evie e com o seu companheiro Mark sempre por perto, tal como a irmã deste, Cleo, esta história surge com o casal tipicamente perfeito no centro da ação. Tudo parece bem até que o leitor começa a perceber que existem detalhes entre o casal e mesmo com a cunhada por perto que não batem assim tão bem como as coisas são vistas pelos outros. O que terá Cleo contra a cunhada? Mark, após perder a primeira esposa, de quem também Cleo não gostava, como pode agora seguir com as suas dúvidas perante Evie que parece ser tão perfeita? Quais as razões que levam ao surgimento de alguns acidentes caseiros e inusitados por parte de Evie quando Mark parte em viagens de negócios? São vários os mistérios apresentados ao leitor desde bem cedo nesta trama que com poucas personagens logo prende pelo primeiro impacto e depois com o desenrolar de todas as situações e com um ritmo alucinante onde as reviravoltas surgem quando menos se espera. É impossível deixar de lado esta leitura que surpreende tão facilmente e que assim continua até à última página. Claro que não vos posso contar como tudo vai acontecendo e as reviravoltas que prendem realmente o leitor, mas dizendo que tudo prende do início ao fim, poderão ter uma ideia do que encontrarão ao pegarem em A Rapariga da Falésia.

20
Mar19

Ganha | Ser Como o Rio Que Flui

O Informador

ser como o rio que flui capa.jpg

Ser Como o Rio Que Flui é um corte transversal na anatomia da escrita de Paulo Coelho. Esta compilação de contos, opiniões e ideias constitui um belíssimo reflexo da vasta criação do escritor. Peças literárias de vários períodos e publicações compõem este livro, que tece uma linha sensível, acompanhada pelo olhar do criador, detendo-se naqueles pormenores da realidade quotidiana e da contemplação que destilam a subtil filosofia de quem observa a existência com a mesma placidez com que contempla um rio. Contar as histórias dos seres humanos, na sua variada e rica complexidade, é a missão que Paulo Coelho atribui à sua escrita, contando o que são e quem são, sem os prender àquilo que pretendem ou fingem ser. Quase como fotografias da vida, estas peças literárias são breves e intensas e revelam-nos pequenos momentos eternos de vidas de pessoas.

Paulo Coelho, autor de sucesso mundial, lançou há uns anos Ser Como o Rio Que Flui, uma junção de contos, opiniões e ideias que o acompanham na vida. Comprado e nunca lido por mim, resolvi, num início de uma ação que quero tornar rotina, oferecer aos visitantes do blog e redes sociais associadas ao mesmo, oferecer este exemplar a um de vocês. 

Através da publicação no Instagram estou a sortear o primeiro livro saído da minha estante de fila de espera e que irá diretamente para uma casa portuguesa. Ser Como o Rio Que Flui será o primeiro livro meu em passatempo, mas pelos próximos meses já outros estão preparados para serem protagonistas de um passatempo via redes sociais e somente para vos presentear com um livro que tenho em minha posse e que não irei ler porque outros se meteram pelo caminho e o tempo não estica de todo. 

13
Mar19

Trilogia Estrela Negra já a caminho

O Informador

marlon james.jpg

As boas notícias literárias por vezes surgem de surpresa e mesmo que não apareçam logo quando são esperadas, mais cedo ou mais tarde, e com a agitação dos mercados internacionais, lá vão surgindo as novidades que vão ser lançadas pelas mais diversas editoras ao longo dos próximos tempos. 

Após ter ganho o prémio Man Booker Prize em 2015, com Breve História de Sete Assassinatos, livro já lançado em Portugal, Marlon James surpreendeu com a trilogia Estrela Negra, a obra que tem conquistado e surpreendido os leitores. Agora é sabido que os direitos editoriais já estão vendidos para Portugal, mais concretamente para a editora Relógio d' Água que fará chegar esta trilogia até nós pelos próximos tempos. 

08
Mar19

A Sombra do Passado | Nikola Scott

O Informador

a sombra do passado livro.jpg

Título: A Sombra do Passado

Título Original: My Mother's Shadow

Autor: Nikola Scott

Editora: Círculo de Leitores

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Fevereiro de 2019

Páginas: 394

ISBN: 978-972-42-5229-2

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: 1958. A bela e inocente Elizabeth Holloway vai passar o verão a Hartland, uma magnífica propriedade no litoral do condado de Sussex, no Sul de Inglaterra.

Para a jovem, os Shaws são um modelo de sofisticação. Contudo, quando Elizabeth se apaixona, ninguém a avisa de que os seus sonhos são perigosamente ingénuos. Quarenta anos mais tarde, a filha de Elizabeth, Addie, encontra uma estranha à sua porta que afirma ser sua irmã gémea. Addie recusa-se a acreditar na declaração - até que o seu pai admite que as circunstâncias do seu nascimento não foram as que ela supõe.

A revelação desafia tudo o que Addie achava que sabia sobre a mulher brilhante e difícil que tinha sido a sua mãe. Agora, ela e a sua nova irmã Phoebe vão descobrir a extraordinária história de uma criança perdida, e o segredo de um verão radioso que mudou a vida de uma mulher para sempre.

 

Opinião: Numa história que junta de forma inteligente duas linhas temporais que se complementam, A Sombra do Passado retrata a descoberta de segredos familiares que acabam por criar alguma deceção entre os seus protagonistas.

Numa história comovente, a vida de Elizabeth vai sendo contada ao mesmo tempo que a sua filha Addie vai descobrindo um passado que lhe modificou a vida. Um ano após a morte de Elizabeth e no dia de celebração do dia, os segredos do passado surgem quando uma figura desconhecida aparece e se afirma ser irmã gémea de Addie. Phoebe aparece, após quarenta anos, para procurar o seu verdadeiro passado que nunca lhe foi contado pelos país adotivos. 

Através de retiradas do diário de Elizabeth é revelado muito do que aconteceu e que ajudaram a influenciar as suas decisões. Perdeu a sua própria mãe cedo demais, ficando sem o seu pilar, sobrando um pai austero e cruel. Depois apaixonou-se sem conhecer os contornos de quem estava do outro lado, deixando-se levar pela paixão e pela magia da mesma. Engravidou e ficou sozinha, contra uma sociedade de julgamentos que prejudicam vidas e alteram o rumo de quem só quer ter o que tem direito. Sem o amor do seu lado e sem o apoio familiar, Elizabeth acabou por se ver rejeitada, sozinha e com a necessidade de enfrentar uma gravidez escondida e mal vista na época.

27
Fev19

Ler em todo o lado | #leremtodoolado

O Informador

ler em todo o lado.jpg

A leitura pode ser feita em qualquer local a partir do momento em que o leitor gosta de ter as letras consigo, onde quer que esteja, com quem e com a inspiração com que o dia estiver a seguir.

Com este pensamento lembrei-me de começar a utilizar o hashtag #leremtodoolado, isto porque além de fazer sentido para quem é apaixonado por literatura e se faz acompanhar no seu dia-a-dia por livros, imprensa especializada ou novas tecnologias que contenham aplicações de leitura que possam ser abertas e utilizadas a qualquer momento, todos podemos partilhar os locais onde andamos a fazer as nossas leituras, mostrando ao Mundo como é bom ler, aproveitando cada recanto das nossas casas, dos jardins, esplanadas, escadas emblemáticas da vila, bibliotecas e mesmo nas pausas no trabalho para colocar a leitura em dia. 

25
Fev19

A Imortal da Graça | Filipe Homem Fonseca

O Informador

a imortal da graça.PNG

Título:  A Imortal da Graça

Autor: Filipe Homem Fonseca

Editora: Quetzal Editores

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Fevereiro de 2019

Páginas: 264

ISBN: 978-989-722-567-3

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: A idade é um posto e as mulheres do bairro lutam entre si pelo título de mais velha. Graça, jovem com o mesmo nome do bairro onde habita, é dama de companhia da Número Um, senhora centenária; só assim pode morar na Lisboa das rendas ridiculamente altas. Atores famosos de Hollywood aguardam o despejo ou a morte de mais um residente para poderem ocupar-lhe a casa. Gabriel ganhou o Euromilhões mas as obras de renovação do bairro formam um muro que o impede de sair e reclamar o prémio. Embeiçou-se por Graça e quer levá-la a jantar. Graça não quer sair; Gabriel não quer ficar. Do choque entre estas vontades nascerá a tragédia. A execução em câmara lenta prepara-se no palco feito de escombros. Uma cidade eternamente a arranjar-se para sair daqui, de si própria.

 

Opinião: A Imortal da Graça, da autoria de Filipe Homem Fonseca, nasce no coração de Lisboa, mais concretamente no bairro da Graça. Entre a antiguidade e história do típico bairro e a confusão dos tempos modernos onde o turismo tem levado a grandes mudanças territoriais e sociais na capital, e não só, de Portugal, este romance é acima de tudo um alerta para o caos em que se encontra atualmente o nosso país, principalmente as grandes zonas urbanas que vivem em função de quem vem de fora e dispensa os portugueses das suas casas e hábitos de sempre. 

Neste romance tipicamente português um grupo de moradores é retratado enquanto cada um e já não tanto num todo vão tentando lutar pela sobrevivência. Numa cidade caótica e a pensar no dinheiro que vem de fora, vivendo para o turismo e arrancando a tradição dos recantos de cada bairro, A Imortal da Graça comenta de forma metafórica as alterações que, neste caso, estão praticamente a ser impostas em Lisboa através do mercado imobiliário que só tem o objetivo de pensar que tem de acolher quem vem de passagem, mesmo que aos poucos se comece a ter pouco para mostrar sobre as raízes dos portugueses. A expulsão dos bairristas das suas casas que viram locais para hospedarem quem vai e vem em poucos dias. Os que ficam começam a não sentir qualquer ligação com quem vai permanecendo, quebrando-se a necessidade de proteção e cuidado com o próximo, sendo que as relações entre vizinhos começam a ser frias pela incapacidade de inserção num espaço que gira a todo o momento. Viver a favor da economia e da boa imagem que tem de ser dada a quem está fora é o mal dos tempos modernos de quem governa a pensar que tem de receber bem e tratar mal quem está. Como sobreviver a todas estas alterações que fazem com que os mais velhos partam sem alegria, os que ficam no seu lugar são cada vez menos e começam a ser escorraçados das paragens que sempre conheceram porque é necessário criar um restaurante para os «outros» ou uns quartos para os ditos «outros» ficarem e conhecerem o bairro da Graça. 

30-a-50-nobel-literatura-mrec

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Comentários recentes

Pesquisar

Atual Leitura
Top mais vendidos Wook